Gente & Comportamento

Dr. Alessandro Martins fala sobre uma complicação que acomete cerca de 2% dos implantes de silicone: a contratura capsular

De acordo com o cirurgião plástico, é preciso que se saiba, que entre 2 a 3% dentro da literatura médica, é normal disso acontecer. Todo implante colocado faz essa cápsula, mas quando ela se torna muito rígida, muito forte e perceptível, a gente chama de contratura capsular. E ela pode ser desde leve até muito severa.

Publicado em 02/10/2018 | Por Junior de Paula

*Por Alessandro Martins

O que é contratura capsular quando se fala de implante de silicone mamário? Toda mulher que opta por aumentar suas mamas com os implantes de silicone, na sua recuperação, forma uma capsula bem fininha em volta do implante, seja ele atrás da glândula ou atrás do músculo. E essa cápsula nada mais é do que a cicatriz da colocação do implante, que, além de cicatrizar por fora da pele, também se cicatriza por dentro. Isso é normal, todo implante colocado faz essa cápsula e quando essa capsula se torna muito rígida, muito forte e perceptível, a gente chama de contratura capsular. E ela pode ser desde leve até muito severa.

Leia Mais: Com especialização em reconstrução de mama pós-mastectomia, dr. Alessandro Martins explica possibilidades, aponta pesquisas e afirma: “Nada é mais importante do que você ter a sua paciente feliz” 

Leve é quando as pacientes informam que sentem uma pequena rigidez no implante acometido e às vezes incomoda ao toque e um pouquinho de dor. Outro caso é quando a dor é mais intensa e, ainda, a paciente sente o implante mais duro. Outra forma é quando ela pode até mudar de formato. Essa capsula fica tão rígida que amassa o implante e modifica o formato da mama, essa é forma mais grave. Os principais sintomas? Dor, modificação da anatomia, geralmente fica uma mama muito endurecida, causando problemas para a paciente.

(Foto: Sergio Baia)

Leia Mais: Em sua coluna sobre cirurgia plástica no site HT, dr. Alessandro Martins fala sobre o contorno corporal: “É importante respeitar o biotipo de cada um e suas diferenças corporais para se obter uma harmonia”

Nesses casos temos que fazer a retirada no implante, se tiver no plano subglandular, de repente passar para o plano submuscular e ainda pode-se utilizar os implantes com cobertura de poliuretano que têm uma taxa menor de formação de contratura capsular. É saber que a pessoa que colocou o implante de silicone pode desenvolver essa contratura. Hoje em dia a gente toma vários cuidados e se utiliza de vários métodos para prevenir isso e diminuir o aparecimento da contratura como usar antibiótico durante a colocação, e tentar manipular o menos possível para proteção. Mas, é preciso que se saiba, que entre 2 a 3% dentro da literatura médica, é normal disso acontecer. É um problema que pode ser resolvido geralmente pela troca do implante, a troca da posição através de umas pequenas cirurgias para alcançar o resultado ideal.

Leia Mais: Dr. Alessandro Martins tira as dúvidas dos leitores do site HT sobre lipoaspiração: “O mais importante é que você procure um médico que seja membro da sociedade brasileira de cirurgia plástica” 

Pesquisas relacionadas