Fotos

Cariocas do Ano: a premiação promovida pela revista Veja Rio reconhece o trabalho de homens e mulheres que se destacaram em diferentes categorias. Saiba quem ganhou!

Entre os vencedores estão as atrizes Marina Ruy Barbosa e Debora Bloch, o ator Cauã Reymond, a cantora Anitta e o ginasta Diego Hypólito. A cerimônia de premiação ainda teve uma homenagem ao centenário do samba com o troféu Música sendo entregue à Dona Ivone Lara, que há 95 anos faz sua história no gênero

Publicado em 07/12/2016 | Por Julia Pimentel

Carioquíssima, a “Veja Rio” premiou as personalidades que mais se destacaram em dez categorias em 2016. Na 10ª edição do Cariocas do Ano, que ocorreu ontem no Copacabana Palace, a publicação reconheceu o trabalho e a dedicação de homens e mulheres nos quesitos Humor, Ciências, Filantropia, Televisão, Esporte, Música, Medicina, Negócios, Cantora, Atriz e Ator. Apresentada pela jornalista Glenda Kozlowski, a cerimônia de premiação combinou surpresas, emoções e uma homenagem ao centenário do samba. Apesar de ser um prêmio destinado aos cariocas, Glenda adiantou que os troféus se estendem a todos com a alma e o espírito dos moradores do Rio de Janeiro. “Cariocas ou não, quem abraça a nossa cidade é sempre muito bem-vindo”, afirmou a jornalista no início da cerimônia.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mais uma vez, a arte se destacou na premiação. Nesta 10ª edição do Cariocas do Ano, o troféu da categoria Televisão foi dado ao diretor Luiz Fernando Carvalho, pelo trabalho na novela “Velho Chico”, da Globo. Já a vencedora da categoria Atriz foi Marina Ruy Barbosa. Das mãos de Lília Cabral, que não poupou elogios à jovem e talentosa artista, a ruiva dedicou o troféu a sua família e ao noivo, Xandinho Negrão, que estava presente na cerimônia. Segundo Marina, um reconhecimento como esse ajuda a mostrar à atriz de 21 anos, que começou na teledramaturgia com nove anos, que ela está no caminho certo para o sucesso profissional. “Esse ano foi muito especial, porque eu tive a oportunidade de interpretar duas personagens completamente diferentes. Eu acho que, como atriz, eu tenho a necessidade e me sinto privilegiada de poder falar e contar histórias tão importantes e sérias que demonstram um pouco da realidade de muitas pessoas. Esse prêmio representa um grande incentivo para mim e mostra que eu estou trilhando o caminho certo”, disse Marina Ruy Barbosa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Do lado masculino, Cauã Reymond ganhou o troféu de Ator do ano. Se recuperando de uma amigdalite que o deixou em repouso nos últimos quatro dias, o ator agradeceu o troféu dedicando-o a sua filha Sofia, de quatro anos, com Grazi Massafera. “Sempre quando a gente sai de casa, nós ficamos com o coração apertado de deixar um filho sozinho. Uma vez, um ator mais experiente me disse uma frase que eu levo sempre comigo. Ele falou para eu sair para trabalhar, fazer um ótimo trabalho para deixá-lo orgulhoso. Assim, ele vai saber o porquê de você ter saído de casa”, agradeceu emocionado.

Cauã Reymond dedicou o troféu a sua filha Sofia de quatro anos (Foto: AgNews)

Cauã Reymond dedicou o troféu a sua filha Sofia de quatro anos (Foto: AgNews)

Na categoria Humor, Nelito Fernandes, criador do site Sensacionalista, recebeu das mãos de Gregório Duvivier o troféu pelo trabalho em 2016. Em seu discurso, Nelito dividiu a honraria com a sua equipe e agradeceu “aos responsáveis pelo conteúdo” do Sensacionalista: Michel Temer, Dilma Rousseff, Eduardo Cunha e outros políticos que se destacaram em 2016. Ainda no âmbito das artes, o troféu de Carioca do Ano em Teatro foi dado à Debora Bloch pelo trabalho como atriz e produtora da peça “Os Realistas”, que está em turnê pelo Brasil. Em um discurso emocionado e politizado, a artista disse que o título representa a sua consagração como carioca, já que ela nasceu em Minas Gerais. Ao agradecer pela conquista, Debora Bloch lembrou a crise cultural enfrentada pelo Brasil nos últimos meses. “Este foi um ano muito duro, porque nós fomos ameaçados de perder o nosso Ministério. Mas a classe artística foi vitoriosa, porque se mobilizou e se esforçou para que conseguíssemos a pasta de volta. E mais: recentemente, o Rio teve uma ameaça de perder a sua Secretaria da Cultura. Eu espero que isso não aconteça porque os cariocas não merecem essa falta de representatividade. É muito importante que a gente consiga continuar produzindo teatro e que, para isso, as instituições por trás estejam fortes. Por isso, essa conquista tem uma importância ainda maior”, declarou.

Debora Bloch ganhou a categoria Teatro pela atuação e produção na peça "Os Realistas" (Foto: AgNews)

Debora Bloch ganhou a categoria Teatro pela atuação e produção na peça “Os Realistas” (Foto: AgNews)

Como sempre poderosa, Anitta ganhou mais um troféu, desta vez na categoria Cantora, para a sua coleção. Apesar de não estar presente fisicamente por causa da agitada agenda, a artista gravou um vídeo em agradecimento à revista Veja Rio pelo título. Conforme disse na gravação, este reconhecimento é muito importante para a carreira da cantora, já que ela se declarou extremamente crítica com o seu trabalho. Ainda na música, um dos momentos mais emocionantes e fofos foi quando Dona Ivone Lara foi homenageada no palco montado no Copacabana Palace. Em comemoração aos 100 anos de samba, a cantora, que tem 95 anos de vida, recebeu o troféu Música do Cariocas do Ano. De cadeira de rodas e ao lado de Teresa Cristina, Dona Ivone Lara fez um discurso simples, mas que arrancou aplausos calorosos da plateia. “Eu quero agradecer a todos que estão aqui presentes. Mas eu vou dizer uma coisa a vocês: eu não tenho o dom da palavra. Eu queria saber discursar e falar ainda mais para mostrar o quanto eu estou feliz. Eu estou tão contente que isso pra mim representa tudo na minha vida. Muito obrigada a todos os meus amigos que estão aqui presentes. Eu estou feliz, muito feliz mesmo”, disse a simpática sambista, que depois ainda cantou a capella a música “Sonho Meu”, de Maria Bethânia, com Teresa Cristina.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em um ano olímpico, o Esporte também foi premiado. Nesta categoria, o ginasta Diego Hypólito recebeu o troféu da irmã e companheira de treinos Daniele. Depois de duas experiências traumáticas nas Olimpíadas de 2008 e 2012, o ginasta conquistou a medalha de prata no solo na edição do Rio de Janeiro. “Campeões são todos aqueles que vencem no dia-a-dia, superam e se dedicam. Para mim, essa é a maior vitória. Eu acho que se a gente não acreditar no nosso potencial e não tiver sonhos a serem conquistados, nós não vamos a lugar algum. Por isso somos todos vitoriosos”, discursou.

Daniele e Diego Hypólito (Foto: AgNews)

Daniele e Diego Hypólito (Foto: AgNews)

Na categoria Negócios, Rony Meisler recebeu mais um troféu pelo trabalho a frente do grupo Reserva. Na semana passada, inclusive, o empresário que é engenheiro de produção por formação recebeu outro título, de Moda Nacional, na premiação “Men Of The Year 2016”, da revista GQ. Já em Ciência, o título foi dado ao biólogo Marcelo Szpilman pelo AquaRio, que inaugurou mês passado a cidade. O espaço possui cerca de 4,5 milhões de litros de água salgada e centenas de espécies marítimas, incluindo tubarões, a grande paixão do cientista. Em Medicina, a Dr. Fernanda Fialho recebeu o título do Carioca do Ano. Em 2016, ela foi responsável pelo projeto em um hospital público da cidade que atendeu inúmeras crianças e vitimas do vírus da Zika.

Ganhadores do Cariocas do Ano 2016 (Foto: AgNews)

Ganhadores do Cariocas do Ano 2016 (Foto: AgNews)

Por fim, a boa-ação também teve seu espaço na premiação da revista Veja Rio. Em Filantropia, David Hertz recebeu o título por sua dedicação à frente da Gastromotiva. O projeto, que distribui comidas da alta gastronomia a quem tem fome nas ruas da cidade, também já coleciona troféus, incluindo o “Men Of The Year 2016”. “A gente precisa entender que através da comida e da gastronomia nós conseguimos combater a pobreza, a exclusão social, a má nutrição e a fome. Chefes do mundo inteiro estão fazendo isso e nós nos orgulhamos por ter tido essa ideia há dez anos. Eu acho que quando existe uma cidade partida, como é o Rio de Janeiro, é o nosso dever criar uma teia de transformação, afeto e amor”, declarou David.

 

 

Pesquisas relacionadas