Viagem & Gastronomia

Integração, imersão e conexão: saiba tudo que rolou na última edição do Remote Latin America

"Ser remoto para conectar pessoas" é o slogan do evento que reuniu hoteleiros, operadores e agentes para debater questões do turismo experencial a bordo de um cruzeiro no Rio Negro.

Publicado em 29/03/2016 | Por Mafê Souza

Entre 11 e 14 de março de 2015, Manaus sediou o primeiro Remote Latin America, que uniu 120 operadores, hoteleiros e agentes para discutir as novas visões do setor de turismo na região. Navegando pelo Rio Negro, a bordo do Iberoestar Grand Amazon, os participantes realizaram uma imerção nas experiências amazônicas, com reuniões,  palestras, e passeios externos pela fauna e flora da região. A ideia foi demonstrar a nova tendência do turismo experiencial, aliando a qualidade de vivência com luxo personalizado e um diálogo com as comunidades e culturas locais.

HT conversou com Roberto Bitelman, curador da convenção, a quem já entrevistamos antes, que fez um balanço da atual situação do mercado. “Por um lado, muita gente insegura com a crise política e econômica, com medo de viajar. Temos também uma diminuição do turismo aspiracional, ou seja, das pessoas que juntam dinheiro durante um bom tempo, pra investir numa viagem: isso deixou de ser prioridade. Por outro lado, quem sempre viajou e não está sofrendo muito com a crise, tende a viajar ainda mais em alguns casos, já que tem mais tempo, a rentabilidade dos investimentos está maior e tem uma série de condições especiais para se viajar hoje, incluindo super promoções”, analisa.

O empresário observa nessa crise, uma oportunidade para incentivar o mercado latino. “Muitas pessoas que viajariam para Europa, América do Norte ou Ásia, estão preferindo viajar por países mais próximos, onde é mais rápido chegar, por menos dias e gastando menos. Isso para o Brasil é ainda mais nítido, onde se vê um substancial aumento por produtos de alto padrão no turismo nacional, tanto por parte dos brasileiros, como dos estrangeiros, para quem o Brasil está muito barato”, opina.

As palestras e mesas de debate do evento tiveram como foco o potencial da região amazônica de instaurar iniciativas de turismo sustentável e foram comandadas por autoridades no assunto. Entre os nomes, figuras nacionais e internacionais, como  Virgílio Viana, CEO da Fundação Amazonas Sustentável, Eduardo Sanovicz, presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas, o jornalista Ricardo Freire, Jesús Parilla, da Luxury Frontiers,  hoteleiros da Mountain Lodges of Peru, Sol Y Luna e Tierra Hotels.

Durante os passeios, os participantes puderam nadar com botos, observar um jacaré de pertinho, trocar informações com comunidades ribeirinhas e passear de lancha para realizar um reconhecimento de todo o ecossistema da Amazônia. Segundo Roberto, foram dias de “integração, conexão profunda entre os participantes, e discussão de assuntos de interesse comum, em especial, sustentabilidade hoje e nos próximos 35 anos em um destino tão remoto quanto acolhedor”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O sucesso foi tanto que o Sul Hotels, fundado pelo organizador do evento, Roberto Bitelman e Guilherme Padilha, já planejam a próxima edição em 2017.

 

 

 

Pesquisas relacionadas