Viagem & Gastronomia

O Site HT foi até Buenos Aires e voltou com 10 novos motivos irresistíveis para uma outra invasão brasileira à capital argentina

Das compras ao restaurantes estrelados, dos hamburgers aos palcos dos teatros, dos centros culturais ao modismo dos bares escondidos, a gente desvendou as novidades da cidade latina mais visitada pelos brasileiros

Publicado em 09/06/2017 | Por Junior de Paula

Pode não ser mais tão barato quanto já foi um dia e a economia de lá e cá não estar sendo convidativa para voos mais ousados, mas é inegável que Buenos Aires, a capital da Argentina, segue sendo um dos destinos mais interessantes dos nossos arredores. Pensando nisso, o site HT desembarcou na terra de Evita para três dias intensos em busca de desbravar o que há de novo, cool e que faça valer a pena os pesos gastos. A ideia aqui é apontar os novos restaurantes, novos bares, museus e passeios, já que os de sempre e os tradicionais pontos turísticos já foram explorados à exaustão no auge do amor turístico Brasil-Argentina. Vem ler nossa lista e se prepara para marcar a próxima viagem.

Fachada da Fola

1) Fola – Fototeca Latino Americana

Para os apaixonados por fotografia, o espaço criado por Gastón Deleau, nome forte do universo das artes na América do Sul, é um oásis no meio de Buenos Aires, mais precisamente no Distrito Arcos, em Palermo. Com mais de 30 mil metros quadrados, o espaço, que tem uma arquitetura de formas retas e industriais, abriga, além das mostras passageiras, um acervo de cerca de 200 obras, que inclui 80 fotógrafos de 12 países,entre eles Vik Muniz, Doris Salcedo, Carlos Garaicoa, Luis González Palma, Piscilla Monje, Alexander Apóstol, Roberto Huarcaya, Marcos López e Adriana Lestido.

Faena Arts Center

2) Faena Arts Center

Instalado no interior de um dos primeiros moinhos de farinha da Argentina, que data do ano de 1908, o Faena Art Center é um dos maiores e mais interessantes centros culturais do país. O pé direito altíssimo, as grandes janelas de vidro e os arcos semicirculares foram mantidos e funcionam como um contraponto às exibições de arte contemporânea que habitam os arredores do hotel que leva o mesmo nome, no bairro dos endinheirados descolados Puerto Madero.

Usina del Arte

3) Usina del Arte

O que era antes uma usina de produçao de energia no século XX se transformou em mais um centro cultural imperdível na terra do tango. E o melhor, no bairro La Boca, perto da Bombonera, revitalizando uma região que por muitos anos ficou esquecida e degradada. A monumental obra de estilo florentino foi dirigida pelo arquiteto italiano Giovanni Chiogna e, em 2012, reabriu como centro cultural com espaço expositivo, a Sala Sinfônica com capacidade para mais de mil pessoas, com design acústico de altíssimo padrão, uma Sala de Câmara para quase 300 pessoas e uma sala de cinema. É bom ficar de olho no site deles para conferir as apresentações e as exposições, pois tem sempre coisa muito boa por lá. Ah, vale também fazer o passeio guiado de cerca de 45 minutos que rola diariamente para descobrir todos os detalhes desse monumento arquitetônico e cultural da cidade.

Este slideshow necessita de JavaScript.

4) Casa Cavia

Ainda em Palermo, em Buenos Aires, a Casa Cavia é uma loja-centro cultural-conceito que reúne no mesmo endereço a floricultura Flores Pasion, da figurinista e diretora de arte Silvana Grosso, uma livraria, uma editora, a Ana Mosqueda Ampersand Publishers, localizado no segundo andar, que não só produz livros, mas oferece aulas, conferências, apresentações e livros raros da Ampersand Publishing, uma perfumaria, comandada por Julian Bedel, que oferece as fragrâncias de perfumes Fueguia 1833, a patisserie Próspero Velazco, e um restaurante de comida típica, batizado La Cocina,  comandado pelo chef estrelado Pablo Massey. Sem contar com a arquitetura da casa, no pátio delicioso mesmo no inverno e no paisagismo que rendem ótimas fotos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

5) A onda dos bares escondidos

O Floreria Atlantico é o melhor deles. Com música na medida, drinks deliciosos e frequência animada, o bar comandado por Tato Giovannoni, conhecido também dos brasileiros por conta de seu quiosque supercool na praia do Pepê, leva este nome pois para chegar ao bar é preciso abrir uma porta escondida dentro de uma floricultura. Depois é só descer as escadas, tentar um lugar para sentar e pedir seu drink. São muitas opções no cardápio – e também fora dele. Neste mesmo esquema, destaque ainda para o Victoria Brown, que durante o dia e a tarde funciona como um café-confeitaria, e, quando a noite chega, os mais antenados sabem que é só abrir uma porta camuflada de parede que um novo universo se abre. A decoração é o destaque: com luz baixa, sofás de couro, tijolos aparentes e luminárias de tonéis. Experimente o Desde Cuba Com Amor, que vem um saquinho como se fosse um presente com seu copo e um frasquinho com um drink para ser despejado. Mais charmoso do que gostoso, é verdade, mas garante a diversão da noite. Se quiser mais pra essa lista, tem o que começou esta moda em Buenos Aires, o Frank’s, que precisa de uma senha para entrar que você descobre a partir de dicas na página deles no Facebook; o 878, que é animado e sempre lotado; o Puerto Uno, no bairro chinês; e o Verne Club, com decoração inspirada em Julio Verne. Todos escondidos, camuflados e que precisa de um olhar atento para não passar batido e descobrir onde fica a entrada.

Este slideshow necessita de JavaScript.

6) Hamburgers!

Sim, a moda dos hamburgers gourmet também já chegou a Buenos Aires, com direito até a uma filial do nova-iorquino Burger Joint por lá. Se quiser um bem delicioso, recomendo o do Pony Line, no lindo hotel Four Seasons, com cebolas caramelizadas e abacate, que pode ser saboreado com um dos muitos ótimos drinks do menu. Para algo mais simples, corre para o Perez H, que começou a onda dos sanduíches especiais em Buenos Aires, em um pequeno espaço em San Telmo, e hoje está espalhado pela cidade. Tem ainda o Heisenburger, que homenageia Breaking Bad no nome, em Palermo, com invencionices deliciosas; os clássico La Cresta, em Almagro; e o Dellepiane Bar, no Retiro; e o descolado Francis Platz. Pode ir a qualquer um deles que você, certamente, vai ser feliz.

Este slideshow necessita de JavaScript.

7) Restaurantes estrelados

Com oito integrantes da lista dos 50 melhores restaurantes da América Latina, Buenos Aires ganhou muitos novos – e ótimos – lugares para se comer bem e com estilo. No topo da lista está sempre o Tegui, com seu menu fechado-degustação de 8 ou 10 passos, criado pelo chef estrela Germán Martitegui. Depois tem o Aramburu (e sua versão mais barata, o Aramburu Bis), do chef Gonzalo Aramburu; o Elena, belíssimo e corretíssimo no Four Seasons; o Baqueano, especalizado em carnes exóticas; o delicioso e despretensioso Café San Juan, em San Telmo, do chef Lele Cristobal; o Chila, em Puerto Madero, com preços bem altos e acesso restrito, faz uma fusão da culinária argentina e francesa; e o Pura Tierra, em Belgrano, do chef Martin Molteni, que mistura sabores exóticos e pouco usuais à culinária argentina. A lista é imensa, e poderia citar ainda outros tantos. Mas já temos nomes suficientes por aqui.

8) Teatro

Só para citar um exemplo, Ricardo Darín está em cartaz com a peça de Ingmar Bergman, Cenas da Vida Conjugal. Se quiser comédia pastelão, drama, policial, musical, romance, enfim, tudo o que você pensar em ver em um palco, certamente tem em cartaz em Buenos Aires. É só acessar o página de teatro do jornal La Nacion e escolher o que quer ver. E se já não bastasse tudo isso, tem ainda o Fuerza Bruta, espetáculo que mistura dança, música, dramaturgia e interatividade, há anos em cartaz e com sucesso inquestionável, no Centro Cultural da Recoleta.

Este slideshow necessita de JavaScript.

9) Compras

Os antigos armazéns da estação ferroviária de Palermo viraram um Outlet Premium, batizado de Distrito Arcos. Após atravessar os portões de entrada, você encontrará cerca 50 lojas nacionais e internacionais com muitos descontos. Entre as marcas: Awada, Ona Saez, Paula Cahen D’Anvers e Vitamina (no quesito moda feminina), Etiqueta Negra, Kosiuko e La Dolfina (moda masculina), Grisino (moda infantil) e Ricky Sarkany (calçado feminino). Das marcas internacionalmente conhecidas podemos achar a Lacoste, Levi’s, Adidas, Samsonite e Swatch. Se a ideia é comprar coisas para casa, a loja Editor Market, em Palermo, é lindíssima, com achados imperdíveis e pouco comuns, assim como a famosa e já tradicional Tienda Palácio. Ah, e não deixe de passar na Paul French Gallery, escondida na calle Gorritti, onde você encontra desde artigos para cama, mesa e banho até bicicletas vintage, livros bacaninhas, luminárias, móveis, roupas e acessórios, tudo assinado ou selecionado pelo designer Pablo Chiappori. Tem tempo para mais um endereço? Corre para o Mercado de Pulgas, em Palermo. Bem mais autentico e com coisas bem mais interessantes do que San Telmo, você vai se apaixonar a cada barraquinha.

Anna Carolina Nogueira, a Carioca Portenha, na foto de cachecol vermelha, ao lado do nosso grupo, formado pelo editor do site HT, Junior de Paula, e Juliana Mattoni e Paulo Pimenta, criadores da Mattoni Comunicação

Anna Carolina Nogueira, a Carioca Portenha, na foto de cachecol vermelha, ao lado do nosso grupo, formado pelo editor do site HT, Junior de Paula, e Juliana Mattoni e Paulo Pimenta, criadores da Mattoni Comunicação

10) Passeios da Carioca Portenha

Anna Carolina Nogueira se mudou de volta para Buenos Aires depois de uma temporada no Rio e é uma das maiores entendedoras dos endereços secretos, descolados e cheios de história de Buenos Aires. Especializada em montar roteiros exclusivos, ela vai te guiar de acordo com suas vontades e interesses, montando programas especiais e cheios de charme e conteúdo. Divertida, ela faz valer a visita a Buenos Aires e vai te fazer descobrir uma nova cidade a cada escapada para a capital portenha. Instagram @cariocaportenha Site: www.cariocaportenha.com

 

Pesquisas relacionadas