Cinema & TV

Novo filme de Rodrigo Pimentel escancara o sistema falho das UPPs

Com estreia prevista para o dia da Proclamação da República, o novo longa do roteirista de Tropa de Elite aprofunda a discussão sobre a violência civil carioca e ainda tem personagem inspirada em Marielle Franco

Publicado em 19/07/2018 | Por Ana Clara Xavier

O novo filme de Caio Cobra com roteiro de Rodrigo Pimentel veio para escancarar o contexto da violência atual e isto pode ser ilustrado logo pela data de lançamento. Com previsão de estreia para o dia da Proclamação da República, 15 de novembro, ‘Intervenção’ aprofunda uma discussão urgente sobre o regime falho das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) no Rio de Janeiro. Depois dos sucessos de Tropa de Elite 1 e 2, o autor coloca uma lupa, mais uma vez, na violência das favelas e, ao mesmo tempo, traz um lado mais humano dos policiais. Sem impor qualquer viés partidário ou expor opiniões panfletárias, a equipe reuniu a luta pelos direitos humanos e as ações contra a criminalidade de forma a traçar uma crônica sobre o momento atual do país, no qual corrupção domina todas as faces da sociedade.

Elenco de Intervenção na coletiva de imprensa (Foto: AGNEWS)

“É um filme sobre o momento atual do Rio. Não estamos mostrando o ponto de vista exclusivamente de um policial, mas, de fato, nove mil jovens acreditaram nas UPPs, como eu e boa parte dos cariocas, e prestaram concurso para a polícia. Atualmente, estas pessoas se tornaram vítimas do equívoco deste projeto gambiarra. Sendo assim, estamos falando de gente que apostou em algo e acabou fazendo parte de índices, afinal, o Rio de Janeiro é o lugar onde mais se morre policial no mundo. São vítimas e agentes da violência, ao mesmo tempo”, comentou Rodrigo Pimentel. O roteiro, dessa forma, mostra pessoas que acreditaram em um mundo melhor, mas atualmente vivem uma situação limite na busca de sua sobrevivência pelo amor à farda. O exemplo disso é a atuação esplêndida de Marcos Palmeiras que faz o Major Douglas, PM do morro da Laje. O personagem já entendeu que a iniciativa não deu certo, mas continua fazendo parte do esquema para proteger os seus recrutas.

O site HT participou com exclusividade dos bastidores do filme (Foto: AGNEWS)

De fato, o longa segue uma maré de produções que deram certo nacionalmente e internacionalmente, como Cidade de Deus e Tropa de Elite. No entanto, a equipe acredita que a produção consegue trazer elementos mais atuais e, ao mesmo tempo, mais abrangentes. “Cada um trouxe uma discussão diferente e que, com o tempo, foi evoluindo. Estes longas foram iluminando determinadas questões para enriquecer a reflexão. Obviamente, Intervenção se inspirou nestes outros trabalhos, afinal, são ícones. Mas a nossa história fala do nosso cotidiano no qual a UPP já não deu certo e o BOPE não resolveu. São outros tempos”, salientou a atriz e protagonista da montagem, Bianca Comparato.

Caio Cobra e Marcos Palmeira posando para foto na comunidade Tavares Bastos, aonde estão sendo realizadas as filmagens (Foto: AGNEWS)

O grande diferencial desta produção, segundo o próprio elenco, é a capacidade do enredo de desmistificar o cotidiano de um policial para mostrar outra face desta profissão. O site HT acompanhou de perto um dia de gravação de ‘Intervenção’ e pôde perceber que o filme questiona a falta de interesse e solidariedade da mídia e da sociedade em relação a estes cidadãos. “Uma policial nos contou que já enterrou 11 colegas. Sinceramente, não sei o que se passa na cabeça de uma pessoa que vivencia diariamente esta violência, alguém que precisa tomar decisões extremas como escolher qual amigo salvar ao ver dois ensanguentados no chão”, lamentou o roteirista.

Equipe assistindo ao resultado final da cena recém gravada (Foto: AGNEWS)

Para aproximar o público deste universo duro de quem vivencia o crime, a equipe do filme foi atrás de diversos profissionais ligados a este regime das UPPs. Uma das maiores descobertas da atriz Bianca Comparato, em meio a esta pesquisa, foi encontrar policiais que davam aulas de português para as crianças do morro e, ainda, soldados que levavam os moradores para museus, teatros e praias. “Quando ela me contou isso, eu não sabia se ficava feliz pela história ou preocupado, afinal, se temos um PM dando aula é porque o Estado e o município estão falhando”, lamentou Rodrigo. Os espectadores poderão ver esta realidade através do personagem de Babu Santana que interpreta um policial exemplar que complementa a sua renda prestando esta ajuda. “Isto faz dele um dos personagens mais humanos da história”, comentou o ator.

Babu Santana faz um policial generoso (Foto: AGNEWS)

Não satisfeitos em ilustrar a realidade conturbada destes profissionais no filme, a produção ainda fez questão de convidar cinco policiais para fazer parte do elenco. “Eles estão representando o seu cotidiano nas UPPs. Dessa forma, tornamos a história ainda mais verossímil. O que será um grande diferencial”, garantiu Caio Cobra. Além de aparecer nas cenas, eles funcionavam como termômetro para regular as atuações. Se, ao final de uma gravação, o PM afirmasse que aquela ideia não condizia com a realidade, tudo era alterado. “Isto inclui não só os momentos de conflito e tiroteio, mas também as emoções em casa, com a família ou no trabalho”, explicou o diretor. O saldo positivo de todo este esforço era ver, ao final da sequência, estes cidadãos se identificando com aquela determinada situação ilustrada.

Marcos Palmeiras pausando para foto ao lado de sua viatura fictícia (Foto: AGNEWS)

É importante salientar que este filme não pretende defender o lado dos policiais. A história é contada, logicamente, pela ótica dos mesmos, mas a ideia é não se posicionar e incitar a reflexão do público. Para exaltar isto, ‘Intervenção’, expõe estes dois paralelos através da figura de duas irmãs. Enquanto Bianca Comparato trabalha como PM, Dandara Mariana faz parte de uma ONG de direitos humanos. Com discussões acaloradas de cunho político, as duas protagonistas ilustram estes pólos de consciência e exibem o embate atual entre estes dois conceitos. “Li o roteiro de uma vez só e me apaixonei de cara, porque é um longa que não levanta bandeiras e não é panfletário. Não tem o compromisso de defender um lado ou outro, apenas expõe uma ferida aberta e deixa o espectador se posicionar no meio disso tudo”, garantiu Marcos Palmeiras. Bianca ainda completou: “Estou aqui não só como atriz, mas como cidadã. O meu maior desejo é que o longa gere reflexão e não polarização. A equipe se esforçou muito para dar complexidade a cada cena para poder enriquecer o tema”.

Bianca Comparato interpreta a protagonista do longa (Foto: AGNEWS)

Dandara Mariana interpreta Flavia, a irmã da protagonista com quem tem embates regulares por terem visões de mundo diferentes. A sua personagem se mostra uma mulher forte que possui um cunho político expressivo. Para fazer este papel, ela se inspirou no trabalho da deputada do PSOL Marielle Franco, assassinada no início deste ano. “Tive contato direto com pessoas que eram próximas dela, fui muito à Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, pesquisei sobre direitos humanos. A primeira vez que li este roteiro pensei nela. Esta menina é ela, é uma voz dela. A Marielle literalmente vive. Ela deixou muitas sementes”, comemorou a atriz.

Dandara se inspirou em Marielle Franco para fazer a sua personagem (Foto: AGNEWS)

‘Intervenção’ veio para quebrar qualquer estereótipo. A prova disso é que, além de mostrar um lado humano da profissão, a protagonista do longa é uma policial feminina. A personagem de Bianca faz parte da leva de mulheres que entraram para as UPPs na busca de lutar por esta ideia, que parecia ser vantajosa, e, ao mesmo tempo, mostrar o lado mais humano desta entidade.“Não é por acaso que a heroína do longa é uma mulher. A ideia é trazer uma visão diferente”, afirmou a atriz.

Babu Santana ao lado de Rainer Cadete e Marcos Palmeiras (Foto: AGNEWS)

Além deste tema, ‘Intervenção’ ainda exibe um bandido, morador do Moro da Laje, que é loiro e tem olhos azuis, vivido por Vitor Thiré. “Foi uma pessoa muito marginalizada pela família e atualmente quer revidar tudo o que sofreu. Assim como os outros personagens que tenho feito, ele é um desafio muito grande por ser uma realidade completamente diferente da minha, graças a Deus”, afirmou o ator. O profissional demonstrou certo receio pelas possíveis críticas que podem vir a existir graças à sua fisionomia. No entanto, ele acredita que bandidos não tem cara. “Nós queríamos fugir de estereótipos neste filme. Quando fui visitar uma locação aqui, na favela, a filha do casal era loura e tinha olho azul. Me perguntei porque isto não era representado e porque o bandido tinha que ser sempre um negro. Dessa forma, tomei a liberdade de escolher um artista como o Vitor”, comentou Caio Cobra.

O longa ‘Intervenção’ estreia no dia 15 de novembro, mas, até lá, muita coisa pode mudar, inclusive, o título. O nome faz referência à tentativa dos militares de extinguir as UPPs com a chegada da Intervenção Militar. No entanto, esta ideia não agrada muito algumas pessoas do elenco, como a atriz Bianca Comparato. “É algo rapidamente relacionado à intervenção militar. Sou apenas uma atriz neste filme, mas torço que mudem isto até o lançamento”, comentou.

Pesquisas relacionadas