Cinema & TV

Pânico em Floripa? Bruna Linzmeyer vítima de serial killer? Suspense brazuca é rodado em Santa Catarina!

“Celulares” segue a linha de filmes sobre jovens que desaparecem na mata e conta com Maria Fernanda Cândido no elenco. Será que surgirá alguma espécie de Jason ou Michael Myers brasileiro?

Publicado em 08/02/2014 | Por Alexandre Schnabl

Na mesma levada de gêneros pouco comuns na produção cinematográfica nacional – como “Quando Eu Era Vivo”, filme de terror de Marco Dutra em cartaz atualmente, com Antonio Fagundes e Sandy no elenco -, o diretor Jeferson De começa a filmar “Celulares”, longa-metragem de suspense com Bruna Linzmeyer, Maria Fernando Cândido e Michel Melamed no elenco. Com previsão de três semanas de gravação, após sete de pré-produção, a película está sendo rodada em tempo recorde na Ilha de Santa Catarina pela produtora local Contraponto (em sua primeira empreitada em longa ficiconal), com co-distribuição da Paris Filmes e apoio da Globo Filmes, contando ainda com participação especial de Daniel Filho na frente das câmeras.

Na trama dirigida pelo cineasta de “Bróder”, Bruna interpreta Diana, a protagonista que sai com mais três amigos rumo a uma balada, na Floresta da Cabana. Os quatro acabam se perdendo na mata, após se desentenderem e, em poucas horas, todos desaparecem, exceto Diana, que, quando encontrada, não se recorda do que aconteceu. Na manhã seguinte, dois corpos são encontrados e os policiais descobrem imagens dos jovens gravadas nos celulares, o que pode colaborar com as investigações. Mais “Bruxa de Blair”, impossível, mas é louvável ver essa nova fornada de realizadores enveredando por novas propostas e gêneros pouco habituais na cinematografia brazuca. No enredo, conexões entre crenças dos açorianos que colonizaram Floripa e o mundo contemporâneo são o mote para aquilo que está por vir, no eletrizante roteiro de suspense escrito a quatro mãos pelo diretor e Cris Arenas, da Buda Filmes. “Sou uma paulista com um contato íntimo com a Ilha de Santa Catarina e com amigos aqui há mais de 15 anos. Me senti muito confortável nesse mergulho de referências para construir a história”, afirma a co-roteirista.

Naturalmente, a principal locação do longa é o Parque Florestal do Rio Vermelho, onde a antiga casa de campo do governador está cenografada como a delegacia. E mais: até Jurerê Internacional faz parte dos cenários naturais. Afinal, nada mais cinematográfico do que o próprio balneário cool, não é mesmo? “Embora seja um desafio filmar longe de casa, o que me conforta é trabalhar com uma equipe profissional e tão dedicada”, comenta Jeferson De, rasgando elogios para o diretor de arte Macé Di Bernardi, o diretor de fotografia Marx Vamerlatti e o preparador de elenco Sergio Penna.

Confira abaixo as fotos tiradas no set (divulgação)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pesquisas relacionadas