Cinema & TV

‘Órfãos da Terra’: Renato Góes e Julia Dalavia estrelam nova novela das 18h da Globo

Escrita por Thelma Guedes e Duca Rachid, a trama estreia dia 2 de abril e faz uma imersão na cultura do Oriente Médio para contar uma história cheia de amor e críticas sociais, como perseguição religiosas e refugiados de guerras

Publicado em 15/03/2019 | Por Heloisa Tolipan

Renato Góes e Julia Dalavia serão os protagonistas Jamil e Laila em ‘Órfãos da Terra'(Foto: Isabella Pinheiro/Gshow)

*Por Rafael Moura

O site HT fez seu check-in e embarcou, ontem, no Clube Monte Líbano, na Zona Sul, para descobrir tudo sobre a nova novela das 18h, da TV Globo, Órfãos da Terra, que estreia no dia 2 de abril. Escrita por Thelma Guedes e Duca Rachid, a trama passeia por culturas, crenças, sonhos, sotaques e mostrando exatamente esse passaporte carimbado que é o Brasil, um país que recebe todos de braços abertos. Os protagonistas dessa viagem são Laila, vivida por Julia Dalavia e Jamil, o ator Renato Góes que desembarcam aqui (Brasil) para tentar viver o amor que os uniu ainda no Oriente Médio. Ela, uma refugiada síria. Ele, libanês, empregado do poderoso sheik Aziz Abdallah, encarnado pelo grande Herson Capri, que tomou Laila à força, como uma de suas esposas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O novo folhetim com direção artística de Gustavo Fernández, direção- geral de André Câmara e direção de Pedro Peregrino, Alexandre Macedo e Lúcio Tavares traz em sua mala uma história de amor, o universo de pessoas de diversos lugares do mundo, refugiados de guerras, fugindo de perseguição política ou religiosa, ou ainda deslocados por razões econômicas ou acidentes naturais. Órfãos da Terra mostra que essas pessoas vieram, vêm e continuam vindo para o Brasil, um país que tem por tradição o acolhimento e o convívio pacífico entre as diferenças (ou pelo menos tinha), para recomeçarem suas vidas. “Eu acredito muito no potencial do nosso país, que é uma terra miscigenada e acolhedora. Muitas culturas somadas formam o povo brasileiro. A nossa intenção em retratá-las é valorizar as nossas origens e reforçar o conceito chave da novela, de que todos nós pertencemos a uma só ancestralidade”, conta a autora Thelma Guedes que tem no currículo as novelas ‘O Profeta’, ‘Cama de Gato’ (2008), ‘Cordel Encantado’ (2011) e ‘Joia Rara’ (2013).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Já Duca Rachid, que também assina a trama conta que ficou muito sensibilizada com as histórias que vinham não só da Síria, como da África. Também pelo fato de ser descendentes de imigrantes. “Meu avô era libanês. Minha avó veio de Portugal. Minha família é metade árabe, metade portuguesa. Ao pesquisar sobre esse assunto, tivemos contato com histórias de pessoas de vários lugares, ouvimos relatos impactantes, e isso foi nos comovendo muito. A gente foi pensando em como contar essa história do ponto de vista do folhetim, da influência cultural e da história de superação dessas pessoas, que é muito bonita. ‘Órfãos da Terra’ é uma novela com uma grande trama de amor e que se desenrola nesse contexto, que é bem atual”. A autora lançou seu primeiro livro de contos, ‘Cidadela Ardente’, em 1997, e, ao mesmo tempo, fez a Oficina de Autores da Globo. Foi roteirista do programa ‘Angel Mix’ (1999) e trabalhou como colaboradora nas novelas ‘Vila Madalena’ (1999), ‘A Turma do Didi’, ‘O Sítio do Picapau Amarelo’, ‘Esperança’ (2002), ‘Chocolate com Pimenta’ (2003) e ‘Alma Gêmea’ (2005).

A novela começa na fictícia Fardús (paraíso em árabe), uma cidade no interior da Síria que é a típica cidade calma, cheia de alegria e paz, apesar do conflito que assola o país. Lá, vive a família de Elias Faiek (Marco Ricca), um competente engenheiro, e Missade (Ana Cecília Costa), cozinheira, dona de um bem-sucedido restaurante na região. Eles são pais de Laila (Julia Dalavia) e Khaléd (Rodrigo Vidal), que está prestes a completar cinco anos, a serem celebrados em uma festança para todos os familiares. Terminando numa invasão de rebeldes ao local que deixa a cidade às ruínas indo parar num campo de refugiados na capital Beiture, após Khaléd ser gravemente ferido na perna.

Centenas de pessoas, como eles, vindas de todas as partes da Síria, vivem em barracas, em situação de contingência. Sem perspectiva de futuro e lamentando o que deixou para trás, a família Faiek passa seus dias juntando os cacos do que restou e se organizando para buscar refúgio no Brasil. A ideia de Elias é usar todo o dinheiro que conseguiu recuperar dos escombros de sua casa para comprar passagens para São Paulo, onde mora Rania (Eliane Giardini), prima de Missade. E onde ser passará a maior parte dessa história multicultural.

Damasco, Beirute, Londres, São Paulo esses serão os destinos que iremos embarcar para conhecer a trama “Eu acredito muito no potencial do nosso país, que é uma terra miscigenada e acolhedora. Muitas culturas somadas formam o povo brasileiro. A nossa intenção em retratá-las é valorizar as nossas origens e reforçar o conceito chave da novela, de que todos nós pertencemos a uma só ancestralidade”, conta Thelma. Para Duca a dramaturgia vem para trazer essa mensagem de que não existem fronteiras geográficas que limitem a nossa empatia com o próximo. Além de brasileiros, congoleses, sírios ou libaneses, somos cidadãos desse planeta. “Na trama, vamos trazer o que o nosso povo tem de melhor, que é o carinho em acolher, nossa vocação para tirar das adversidades lições de vida e de superação, além, é claro, do nosso reconhecido bom humor”.

Já para o diretor artístico Gustavo Fernández, em primeira direção solo, dirigir uma novela que mescla tantas culturas foi um grande desafio. “O principal foi dar credibilidade a esses núcleos, que precisam realmente representar cada uma das culturas. A gente “fez” a Síria, o Líbano, a Grécia e Londres… tudo no Brasil. Eu gosto de pensar nisso. É estimulante. O fato de a gente não ter viajado para esses países, de não ter ido para esses lugares, talvez tenha tornado a novela ainda mais realista. Se a gente tivesse viajado, talvez optaríamos por lugares turísticos, lugares mais facilmente identificáveis. Aqui, a gente pode se concentrar na essência e procuramos locações que traduzissem essa essência”.

Órfãos da Terra conta ainda com um super elenco como Angelo Coimbra, Eliane Giardini, Ana Cecília Costa, Paulo Betti, Emanuelle Araújo, Simone Gutierrez, Rodrigo Simas, Guilherme Fontes,Leona Cavalli, Carmo Dalla Vecchia, Marco Ricca, Rodrigo Vidal, Carol Castro, Rafael Sieg, Guilherme Fontes, Bia Arantes, Danton Mello, Flávio Migliaccio, Osmar Prado, Verônica Debom, Betty Gofman, Vitor Thiré, Marcelo Médici, Nicette Bruno, Eli Ferreira, Angelo Coimbra, Paula Burlamaqui e muitos outros que nos farão embarcar nessa viagem multicultural.

Pesquisas relacionadas