Cinema & TV

Do luxo aos perrengues em viagem: Fernanda Paes Leme e Luana Xavier caem na estrada em programa no GNT

As atrizes e apresentadoras estreiam "Viagem a Qualquer Custo", hoje, no canal a cabo, viajando pela América Latina, e celebrando a amizade-irmandade: A ideia é mostrar que para quem deseja viajar não tem tempo ruim. Fernanda e Luana só descobrem qual tipo de roteiro irão fazer na hora do desembarque. Uma terá direito de usufruir de um roteiro “Top”, com uma boa grana para gastar como quiser, e a outra, vai enfrentar o roteiro “Pop”, com a verba mais limitada

Publicado em 14/01/2020 | Por Heloisa Tolipan

*Por Brunna Condini

Duas amigas animadas, bom humor e roteiros incríveis, viajando no “Top” ou no “Pop’, ou seja, com muita ou pouca grana. Essa é a dinâmica de “Viagem a Qualquer Custo”, que estreia hoje, às 21h45, no GNT, com Fernanda Paes Leme e Luana Xavier no comando.

Luana Xavier e Fernanda Paes Leme passam por Cuba, na nova atração do GNT que estreia hoje (Divulgação)

Na aventura, elas desbravam, em sete episódios, lugares da América Latina, como Cusco e Machu Picchu, no Peru, Cidade do México (México), Havana (Cuba), Atacama e Pucón, no Chile, e Mendoza, El Calafate e El Chaltén (Argentina). O programa traz o desafio de, a cada cidade, as apresentadoras se revezarem em viagens com dois tipos de orçamento: um com uma boa quantia para gastar e outra com pouco dinheiro. Embora sejam amigas de longa data, Fernanda conta que o projeto surgiu de forma espontânea. “Só sei que um belo dia minha chefa Dani Mig (Daniela Mignani, diretora do GNT ) disse: ‘queremos um programa com você e Luana juntas, de viagem’. E meses depois, surgiu o “viagem”, lembra.

A dupla passeia pelo México em “Viagem a Qualquer Custo” (Divulgação)

A ideia é mostrar que para quem deseja viajar não tem tempo ruim. Fernanda e Luana só descobrem qual tipo de roteiro irão fazer na hora do desembarque. Uma terá direito de usufruir de um roteiro “Top”, com uma boa grana para gastar como quiser, e a outra, vai enfrentar o roteiro “Pop”, com a verba mais limitada. “Tínhamos que saber para onde iríamos, para podermos preparar mala de frio ou de calor, por exemplo, mas não sabíamos em qual papel ficaríamos em cada viagem. O fator surpresa rendeu ótimas situações”, antecipa Fê Paes Leme.

Os bastidores de gravação do programa em que desbravam, em sete episódios, lugares da América Latina (Divulgação)

Qual foi a maior dificuldade e o mais bacana na aventura? “Acho que as dificuldades e as coisas mais bacanas acabam se misturando. Por exemplo, chegamos ao Chile em meio a um momento muito delicado politicamente com as pessoas indo às ruas e protestando”, recorda Fepa, como é chamada pelos amigos. “Ao mesmo tempo que dá um medo, uma insegurança por estar ali, também é fascinante participar de um momento histórico para aquele local e aquele povo. Ah, conhecer lugares que sempre sonhei também estão na lista de experiências bacanas. Emoção real”.

Ela também classifica sua amizade com Luana Xavier como do tipo “inseparáveis e irmãs”. “Nossas energias se cruzaram no primeiro momento e não foi possível separar mais. Luana tem a chave da minha casa, ela entende todas as nuances do meu humor. Nos complementamos mesmo. O que falta em uma, a outra supre e vice-versa”. E completa: “Termos um projeto não era um plano, foi algo natural. As pessoas gostam de nos ver juntas, aquela expansividade da amizade real, e o GNT começou a perceber isso. Fizemos algumas participações juntas em eventos e transmissões até que surgiu o programa”.

Fernanda grava no Peru: “Realizei o sonho de conhecer Machu Picchu. Foi muito intenso e incrível” (Divulgação)

Trabalhar ao lado de uma amiga deve facilitar. Alguma dificuldade? “Facilita porque nos entendemos só no olhar, mas também dificulta porque afinal é um trabalho, não podemos esquecer que existe uma câmera ligada. Não é a sala da minha casa que falamos qualquer bobagem que só nós duas entendemos e ficamos rindo daquilo por horas”.

Viajar ocupa que parte da agenda na sua vida? Qual sua viagem inesquecível?

“Viajar é total minha agenda de viagem. Quando não estou viajando a trabalho, estou viajando por lazer. Cada viagem que fiz foi especial de uma forma. Porque eram lugares que sempre quis ir, ou porque foi com uma turma, ou porque foi com outra turma. Mas para citar um local, no “Viagem a Qualquer Custo” eu realizei o sonho de conhecer Machu Picchu. Foi muito intenso e incrível”.

Fernanda Paes Leme e a equipe de “Viagem a qualquer custo” gravando no Atacama (Divulgação)

A atriz também apresenta outro programa no canal, o “Desengaveta”, que teve sua quarta temporada no ar, em 2019. Se encontrou na versão apresentadora? Tem planos como atriz à vista? “Busco me encontrar em todos os projetos que participo. Seja como apresentadora, como atriz, como produtora. Quando você acredita em algo, quer que aquilo dê certo e eu me dedico para que aconteça sempre”, garante. “Tenho mil planos em mente, mas mesmo me dedicando a apresentar programas, mantive meu lado atriz ativo no cinema e pequenas participações na TV. É complicado conciliar novela com outros projetos, porque é algo que nos consome muito. Então não tenho exatamente um plano, mas estou sempre aberta para novos e bons projetos”.

Fernanda aproveita para desejar boas vibrações para a amiga neste começo de ano: “Tudo que eu desejo para mim. A felicidade dela é minha felicidade, o sucesso dela é meu sucesso, o amor que sentimos uma pela outra nos conecta. Todas as vezes que eu pedi algo para mim, estava implícito que eu queria o mesmo para ela, porque eu me realizo vendo meus amigos se realizando”.

“Sabe aqueles sonhos que a gente nem alimenta porque acredita ser impossível? É isso! “, diz Luana (Divulgação)

E faz seu convite para o público acompanhar o “diário de viagem” da dupla. “O programa tem essa pegada divertida dos luxos aos perrengues, mas também acaba fazendo uma prestação de serviço para quem quer viajar e acha que só pode fazer isso com muito dinheiro”, observa Fernanda. “O que vai para a tela é a sensação de que as pessoas estão viajando junto com a gente, nos divertimos muito”, completa Luana.

Neta dos atores Chica Xavier e Clementino Kelé, Luana, embora tenha todo suporte familiar, trilha vida própria como atriz e está eufórica com a versão apresentadora. “Vou te dizer que minha vontade real, agora,é ser chamada assim nas entrevistas: a atriz e apresentadora Luana Xavier’, diverte-se. “Estou encantada com essa minha nova faceta”.

“Todos os guias que me protegem, entendem que minha carreira também exige dedicação” (Divulgação)

É para já, Luana.

A atriz e apresentadora Luana Xavier, comemora sua estreia no GNT com o carisma e a desenvoltura, que também fazem sucesso em suas redes sociais, e comenta que conhecer a América Latina foi um dos pontos altos da jornada. “Minha experiência de viagens sempre foi pelo Brasil. Conheço todas as capitais brasileiras porque fiz turnê com um espetáculo por quatro anos. Foi tudo novidade para mim. E, sem dúvida, o que mais me atraiu e me atrai em qualquer viagem são as pessoas. Gosto de conhecer a população do lugar. Acho que essa característica está muito ligada ao fato de eu ser assistente social por formação”.

O deserto do Atacama, no Chile, um dos belos cenários de “Viagem a Qualquer Custo” (Divulgação)

O que significa essa estreia como apresentadora? “Sabe aqueles sonhos que a gente nem alimenta porque acredita serem impossíveis? É isso! Sou atriz desde que me entendo por gente, mas por conta da minha desenvoltura nas redes sociais recebo muitas mensagens das pessoas dizendo que além de atriz eu poderia ser jornalista, apresentadora, comunicadora de alguma forma. Só que na minha cabeça sempre martelava o seguinte: ‘quantas apresentadoras pretas e gordas você conhece, Luana?’ E por isso eu achava essa missão impossível. Mas cá estou eu, prestes a estrear um programa de viagens, o que é mais incrível ainda. Acho que a ficha só vai cair de fato quando eu assistir no ar. Estou vivendo uma felicidade absoluta”.

Vibrando com o bom momento profissional, ela conta ainda, que está no elenco do primeiro filme de Lázaro Ramos como diretor, “Medida Provisória”, que estreia neste semestre. “É um trabalho com elenco e equipe majoritariamente negros. Uma das experiências mais incríveis que já vivi na dramaturgia”, diz Luana. “E estreei recentemente meu primeiro espetáculo solo: “Luana No País das Maravilhas”. Quero viajar com ele pelo Brasil”.

Além da missão artística, a carioca também leva a sério a missão espiritual. Luana é yalorixá como a avó, Chica, e sua herdeira no espaço que comandam, em Sepetiba, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Como estão suas atividades hoje, com todo esse agito? “Minha missão como yalorixá é para sempre, mas como ano passado trabalhei bastante, acabei tendo pouco tempo para me dedicar a minha vida espiritual”, confessa. “Mas todos os guias que me protegem, entendem que minha carreira também exige dedicação. Então, no fim das contas, o saldo é sempre equilibrado. Ainda não assumi o terreiro totalmente porque enquanto minha avó Chica estiver viva o comando é dela. Mas por enquanto sou seu braço direito e esquerdo”.

“Ainda não assumi o terreiro totalmente porque enquanto minha avó Chica estiver viva o comando é dela” (Reprodução Instagram)

E fala do significado da amizade com Fernanda. “Ser amiga dela é um processo permanente de aprendizagem. E acho muito que nossa amizade me ajuda a me conhecer melhor. É uma grande troca. Nesses anos todos, muita coisa mudou, mas o que nunca alterou foi a nossa capacidade de aprender uma com a outra. É isso para mim é fundamental. Nossa amizade é do tipo clichê: mais que amigas, friends!”, brinca. “E desejo para ela neste 2020, muitas realizações, prosperidade, muita fé e um boy mara do lado, porque a gente merece”.

 

Pesquisas relacionadas