Cinema & TV

Diversão sustentável e democrática: Cine Pedal viaja o país levando filmes movidos à energia limpa produzida pela pedalada do público. Entenda!

Promovido pela Inffinito, o festival cinematográfico utiliza uma tecnologia inglesa que gera energia a partir do exercício nas 14 bicicletas do evento. Como destacou Adriana Dutra, responsável pelo projeto que será realizado em Campinas nesta semana, o público do Cine Pedal é mais que o espectador dos longas exibidos. "A gente enxerga a plateia como protagonista do filme"

Publicado em 06/06/2017 | Por Julia Pimentel

Para muitos, cinema é aquele entretenimento tranquilo e até geladinho, que não dispensa um casaco e, claro, a pipoca. Mas nem sempre. No projeto Cine Pedal, gratuito e promovido pela Infinitto, das sócias Adriana e Cláudia Dutra e Viviane Spinelli, a ideia é suar a camisa para garantir a diversão. No festival, que está rodando o país desde maio do ano passado, os longas só são exibidos se tiverem energia suficiente. A fonte? Os próprios espectadores. Em 14 bicicletas, o público do evento garante a energia, totalmente limpa, para o funcionamento das luzes, geradores, telas e todos os demais equipamentos do evento. No Cine Pedal não há qualquer tipo de energia armazenada e nem fonte externa. A ideia é bem simples: para ver o filme, é preciso pedalar para gerar energia.

O Cine Pedal é um festival promovido pela Inffinito e usa tecnologia desenvolvida na Inglaterra (Foto: Divulgação)

À frente do projeto, Adriana Dutra, da Inffinito, contou que a empresa promotora do festival foi a escolhida pelos criadores desta tecnologia para o evento no Brasil. De acordo com ela, por causa do histórico e da influência da Inffinito no cenário audiovisual brasileiro, os pesquisadores ingleses, responsáveis pelo desenvolvimento deste mecanismo, elegeram a empresa como responsável por promover o festival em solo nacional. “Eles nos procuraram no começo do ano passado para a gente levar esse evento pelas cidades brasileiras. Nós somos uma empresa com mais de 20 anos e temos uma relação muito forte com o cinema nacional”, explicou.

E assim, o Cine Pedal começou por aqui e segue nas estradas brasileiras levando entretenimento e conscientização sustentável para os amantes de cinema, arte e até esporte. No festival, mais que espectador, o público também assume a responsabilidade pela exibição. “A gente enxerga a plateia como protagonista do filme. No festival, quem está pedalando é mais importante que o ator que está na tela”, apontou Adriana Dutra que reforçou a importância do trabalho coletivo nas bicicletas geradoras de energia. “Se todos não se juntarem e contribuírem, não tem filme. E isso já aconteceu. Uma vez, o filme parou de funcionar porque não tinha energia suficiente. Como nós não temos nenhum suporte externo e nem armazenamos, precisamos recuperar o ritmo na bicicleta para voltar a produzir energia”, lembrou.

Para garantir a exibição do filme e a energia em todo o festival, é preciso manter o ritmo na pedalada (Foto: Divulgação)

E em um evento que destaca tanto a importância da energia limpa e da conscientização sustentável, Adriana Dutra destacou que o conceito também está presente em outros quesitos. Na comunicação do festival, por exemplo, todas as informações são dadas online, para que não haja produção de lixo, uso de papel e, consequentemente, sujeira nas cidades. “Entendemos que precisamos manter esse discurso por todo o evento. Então, além de fazer tudo pelas redes sociais e pelo site do festival, nós também incentivamos o público a ir de bicicleta para o evento”, contou.

Por falar no público, Adriana Dutra contou que o Cine Pedal costuma reunir cerca de duas mil pessoas por fim de semana, mas que o número, inclusive, já superou a casa dos 30 mil. Em comum, ela destacou a repercussão e os comentários de quem participa do projeto. Para além da diversão por assistir aos filmes, o espírito da coletividade e da sustentabilidade também constrõem a experiência no Cine Pedal. “Esse é um evento que deixa todos que participam muito felizes. Com ele, vemos que para fazermos algo grandioso precisamos da ajuda do próximo. É um programa para toda a família que deixa um legado muito positivo para quem participa”, explicou.

Por final de semana, o evento costuma reunir cerca de duas mil pessoas por onde passa (Foto: Divulgação)

Em relação à programação audiovisual, Adriana explicou que o Cine Pedal é uma mistura de clássicos do cinema brasileiro com enredos que tenham o conceito base do festival como ponto de partida. Assim, em uma combinação de longas e curtas-metragens, o cardápio cinematográfico reúne filmes como “Cine Hollíudy”, “O Casamento de Romeu e Julieta” e “Bike vs Carros”. Mas não é só. Na programação, o Cine Pedal também promove bate-papos sobre energia limpa e sustentável dos profissionais da própria cidade. “É um evento muito plural e democrático que traz questões importantes, como meio ambiente, arte e inclusão. Inclusive, nas bicicletas, nós temos uma que é com pedal de mão, que permite que crianças, idosos e deficientes façam parte da geração de energia e do festival”, contou Adriana que acrescentou que quem não quiser pedalar também é convidado para o encontro. “É só ficar nas cadeiras e assistir”, brincou.

Para tudo isso, Adriana Dutra tem patrocínios de empresas que incentivam o projeto, principalmente do setor elétrico. Sem cobrar ingressos, o evento tem caráter itinerante e promete passar por todo o Brasil. A próxima parada é neste fim de semana, nos dias 10 e 11 de junho, em Campinas, na Praça Arauto da Paz. Para garantir a exibição, Adriana Dutra contou que precisa apenas de um espaço público e da produção local para montar o festival. “Nós temos um caminhão que transporta todos os equipamentos, cadeiras, tela e tudo mais que precisamos”, explicou Adriana que, mesmo com patrocínio e com a estrutura, não escondeu o malabarismo necessário para driblar a crise econômica brasileira. “A gente enfrenta muitas dificuldades, assim como diversos projetos culturais pelo país. Para continuar levando um evento gratuito, democrático e sustentável para as cidades estamos fazendo milagres. Hoje em dia, a economia está congelada e ninguém quer arriscar gastar nada”, argumentou.

A próxima parada do evento é neste fim de semana, nos dias 10 e 11, em Campinas (Foto: Divulgação)

Mesmo assim, o festival Cine Pedal continua na estrada levando cultura, consciência sustentável e exercício para os cinéfilos brasileiros. Para acompanhar a agenda, os filmes exibidos e toda a programação do evento, basta acessar a página do projeto na internet (clique aqui) e acompanhar a pedalada cultural.

Pesquisas relacionadas