Cinema & TV

Camila Pitanga é eleita melhor atriz no prêmio “Domingão do Faustão” e fala sobre nova chance após tragédia: “Tudo mudou, tenho fome de viver”

Depois do sucesso como Tereza, a atriz pretende dar uma pausa da vida de atriz e se dedicar mais à família: "Estou dando prioridade em ficar com quem eu amo, de me guardar um pouco e recarregar as baterias"

Publicado em 21/12/2016 | Por Leonardo Rocha

Apesar de todos os altos e baixos de 2016, o ano foi todinho dela! Em uma atmosfera de muita emoção, Camila Pitanga foi coroada com prêmio de Melhor Atriz de Novela, no especial “Melhores do Ano”, do “Domingão do Faustão”, por sua belíssima atuação em “Velho Chico”. De fato, a atriz retomou o fôlego e mostrou todo o seu talento depois de uma fase complicada à frente da novela “Babilônia”, na qual a resposta negativa do público fez com que a trama mudasse o rumo dos personagens por diversas vezes. Pois bem. O tempo passou e a atriz, que não esperava voltar a fazer novelas, agarrou a oportunidade como uma leoa e deu a volta por cima, e, com muita maestria. Em entrevista ao HT, ela falou sobre a felicidade de ser escolhida pelos telespectadores como atriz do ano na disputa com Andreia Horta e Marina Ruy Barbosa.

Camila Pitanga conquistou o público com sua Tereza, de "Velho Chico" (Foto: AgNews)

Camila Pitanga conquistou o público com sua Tereza, de “Velho Chico” (Foto: AgNews)

“Eu aprendi que a gente tem que seguir nosso trilho sem expectativas. Eu já estava achando um barato ter sido indicada, o que me causa muita gratidão. É muito bom poder ser reconhecida pelo público, porque em se tratando de novela, o diálogo é diretamente com os espectadores. A gente não faz só por uma questão de vaidade artística. Eu procuro o meu prazer em crescer como artista, mas com esse desejo de dialogar. Eu tenho profunda gratidão”, enfatizou ela.

Muito tocada ainda com a morte de Domingos Montagner, Camila ofereceu o prêmio ao saudoso amigo de elenco que, infelizmente, nos deixou antes da hora. “Eu dedico esse prêmio a ele, esse eterno amigo e grande parceiro de cena”, destacou a atriz, que ainda aproveitou para fazer uma breve retrospectiva no ano que passou. “Vivi sentimentos muito radicais em 2016. Foi muito estimulante fazer ‘Velho Chico’, porque foi um grande encontro de todos. Eu vim de uma novela que tinha sido muito complicada que foi ‘Babilônia’. A Tereza me deu um ânimo de trabalho que eu estava buscando. E veio em boa hora. Eu não estava esperando fazer novela tão cedo, mas trabalhar com o Luiz Fernando Carvalho (diretor) foi perfeito”, afirmou.

A atriz como Tereza, de "Velho Chico" (Foto: Divulgação)

A atriz como Tereza, de “Velho Chico” (Foto: Divulgação)

Ao receber o prêmio, ela homenageou, mais uma vez, o ator Domingos Montagner. “A vida é forte, é selvagem, é crua. Morte e vida nós achamos que são polaridades, mas na verdade são existências diárias. Eu não tenho uma resposta e um entendimento sobre o que aconteceu, mas acho que é um mistério que temos que aceitar e ter respeito. O legado que eu tenho dessa violência, que foi a perda do Domingos, é o afeto, a perseverança, é valorizar cada instante da vida, o recomeço de cada instante”, declarou. A atriz ainda falou sobre a superação do trauma. “Estou lidando com amor, com o sentimento que estou recebendo das pessoas, da minha família e da própria Luciana (mulher de Montagner). Domingos está irradiando luz seja na terra ou no céu”, comentou.

Agora, após o trauma, Camila Pitanga pretende dar uma pausa na vida corrida de atriz e se dedicar mais à família e aos momentos de descontração. De acordo com ela, o momento é de reflexão e olhar mais para dentro de si. “Considero esse ano muito trágico. Tem muita coisa que dói e que está pulsando na minha alma de uma certa maneira. Muitas mortes e muitas perdas. Sem dúvidas que a perda do Domingos e ter testemunhado aquilo tudo, se torna muito marcante na vida de uma pessoa”, declarou ela.

3320930062-camila-pitanga-e-domingos-montagner

Ao ser questionada sobre ter ganhado uma nova chance de vida, Camila desabafou: “Tudo mudou depois disso. Tenho uma fome de viver e um estado de delicadeza com o que vem e com as minhas escolhas. Estou dando prioridade a ficar com a minha família, de me guardar um pouco, recarregar as baterias, quero voltar a estudar. A gente vive sempre em uma velocidade de trabalho e poder se dar tempo é uma dádiva, é precioso”, completou.

Pesquisas relacionadas