Cinema & TV

Ator do Disney Channel, Gabriel Chadan organiza lounges de lifestyle e brilha como vocalista em banda de música pop

Ele interpreta o surfista Marcelo Mahla na série teen ‘Juacas’ e pilota um projeto dos sonhos: “Nós alugamos um espaço com 15 quartos em Saquarema, bem reservado. Recebemos pessoas que ficaram hospedadas, todas com um lifestyle parecido com o da nossa banda, a Fulanos e Ciclanos. O projeto chamamos de Fulanos Surf House

Publicado em 16/07/2019 | Por Heloisa Tolipan

Além de ator, Gabriel é vocalista da banda Fulanos e Ciclanos (Foto: Lobotomizar)

*Por Jeff Lessa

Prestes a completar 32 anos, o ator Gabriel Chadan pode se orgulhar de ter atingido um momento profissional ao qual poucos chegam, mesmo após toda uma vida de trabalho: Gabriel atua em TV, teatro e ainda se apresenta com a banda que divide com sua mulher, a também atriz e cantora Ana Terra Blanco. Mas nada disso vem por acaso. Uma breve conversa com Gabriel, atualmente em cena no papel do surfista Marcelo Mahla da série teen “Juacas”, do Disney Channel, basta para compreender o motivo de ele ter chegado lá. Paulista de Itu, o ator e músico está no Rio desde quando tinha apenas 14 anos. Veio para a cidade estudar teatro. Na televisão, atuou em “Malhação” (em 2010), seu primeiro trabalho de repercussão nacional, fez o final da novela “Avenida Brasil” e brilhou em “Amor à vida”, na TV Globo.

No ano passado, porém, a vida dele mudaria completamente a partir de um convite para trabalhar no Disney Channel – prontamente aceito, aliás. “Fui convidado para atuar na única série brasileira até hoje, ‘Juacas’. É muito interessante trabalhar em uma empresa internacional. A história é considerada infanto-juvenil, ou seja, agrada a quem tem nove, dez anos, mas também ‘pega’ a galera de 17, 18”, conta Gabriel, frisando que é a primeira série do canal Disney com esse conceito de atingir várias faixas etárias. “Outra característica muito marcante desse trabalho é que a turma toda da produção é muito jovem, mas o pessoal que cuida da série é mega sênior. Isso contrasta com o elenco, que está na faixa dos 21 anos. E eu fico no meio, com 31 anos em sinergia com todos”, diverte-se o ator.

Gabriel Chadan está na série ‘Juacas’, do Disney Channel (Foto de Lobotomizar)

Mas como essa experiência internacional fica mais evidente na vida profissional de Gabriel Chadan? “Tem muitas mulheres em cargos-chave na produção. E isso é incrível, é algo que raramente acontece por aqui”, observa. “Por outro lado, as cenas de ação têm efeitos especiais muito bons, cinematográficos, como não vemos com frequência em produções televisivas nacionais. Quando gravamos, há quatro jet skies na água o tempo todo nos dando apoio. E dublês. Eu ainda pego surfe, mas tem gente que não consegue sequer ficar sentada na prancha. Os dublês são excelentes. Um dos consultores é o Teco Padaratz, que também está no elenco, no papel de Cezinha”

(Teco Padaratz é um surfista catarinense de 48 anos, nascido em Blumenau, bicampeão mundial do World Men’s Qualifying Series – WQS. Hoje é ator e vocalista da banda 5/11.)

Outro ponto de referência para Gabriel é o ator Nuno Leal Maia. Aos 71 anos, Nuno andava afastado da TV (não fazia novela desde 2013, quando encerrou sua participação em “Malhação”). Em “Juacas”, ele interpreta um surfista que se afastou de tudo depois de perder um filho para o mar e leva uma vida de eremita até ser procurado por três jovens que querem ser treinados para o Caoss, o Campeonato Anual de Ondas Super Surfe, um torneio importante realizado em Itacaré, na Bahia. “Ele é como aquele pinguim do filme ‘Tá Dando Onda’, brinca Gabriel. “O Nuno ajudou muito a molecada. É muito importante a gente ter contato com esses atores incríveis, com experiência. Aprendemos muito com ele e com a Suzy Rêgo, que também está conosco na série”.

Além da TV, Gabriel não deixa de se exercitar no teatro, arte em que faz questão de variar os tipos que encarna na TV. Pois se aos 32 anos ele interpreta garotões, no palco o que Gabriel mais quer é viver papéis densos, meio que o oposto do que a televisão está lhe propondo até o momento. “Quando faço teatro, procuro uma cena mais alternativa. Busco peças menos mainstream para encenar. Ficamos quase seis anos em cartaz com ‘Favela’, por exemplo, sem patrocínio, graças ao sucesso”, orgulha-se Gabriel, que acabou de rodar a série “Amor de 4+1“, no qual faz par romântico com a atriz Carolina Chalita, uma das protagonistas da trama, para o Canal Brasil com a L.C. Barreto, a produtora de cinema mais tradicional do país.

Graças a esse trabalho, o sonho de se dedicar integralmente à arte pôde, mais uma vez, ser concretizado. “Esse movimento sempre me dá a alegria de me dedicar integralmente à minha carreira”, exulta Gabriel. “Enquanto a galera acaba a novela e vai viajar, eu vou para a produtora gravar. É o mesmo que faz o Seu Jorge, que tem uma bela carreira internacional e é o meu exemplo”, revela.

O ator e sua mulher, a atriz e cantora Ana Terra, recebem convidados na casa voltada para o lifestyle do surfe, em Saquarema (Foto de Lobotomizar)

Outro trabalho que ocupa o tempo de Gabriel é a organização de lounges especiais para receber artistas e convidados. “Nós alugamos um espaço com 15 quartos em Saquarema, bem reservado. Recebemos pessoas que ficaram hospedadas, todas com um lifestyle parecido com o da nossa banda, a Fulanos e Ciclanos (Com vários clipes e músicas disponíveis em todas plataformas, entre elas o último sucesso ‘Vamos voar’, a banda faz shows por todo o país). O projeto, que chamamos de Fulanos Surf House, costuma ser patrocinado previamente, mas neste ano tiramos do orçamento da banda”, conta Gabriel. “Não tem cunho de exploração da imagem dos artistas, muito pelo contrário. É um nicho de pessoas que dialogam na mesma filosofia. Temos um professor de surfe, para quem quiser aprender o básico. As pessoas ficam imersas no universo do esporte”. O projeto rola sempre durante a WSL (etapa do circuito mundial de surf).

Mais cool impossível.

 

Pesquisas relacionadas