Teatro & Pensata

Paixão infantil levou Gustavo Barchilon ao West End de Londres. Conheça esta história!

Ator, produtor e diretor, o carioca coleciona importantes espetáculos na carreira ao lado de grandes empresas do entretenimento como Möeller & Botelho e Cirque Du Soleil

Publicado em 17/01/2019 | Por Bárbara Tenório

Basta ler alguns roteiros de viagens para Londres para perceber que o West End é parada obrigatória. É a maior área teatral do mundo e o epicentro do teatro comercial europeu desde quando começou em 1663. De tanto tempo para cá se apresentaram por lá musicais mundialmente famosos como O Rei Leão e O Fantasma da Ópera. E imerso nesse gigante mundo da arte e da fantasia está há cinco meses o carioca Gustavo Barchilon. Ator, produtor e, desde 2009, diretor, Gustavo está vivendo um sonho de criança quando já era apaixonado pelas encenações musicadas. Ele recebeu um convite para lá de especial da australiana Loretta Gasparini para ser stage manager, ou diretor de palco em português, do espetáculo Magic Mike em cartaz na famosíssima West End londrina. Gustavo conversou com o site HT sobre esse importante momento da sua carreira.

Responsável por todo o planejamento e coordenação de tudo o que vai acontecer nos tablados da maior área de teatros do mundo, Gustavo desembarcou em setembro na capital da Inglaterra para uma grande oportunidade de sua carreira. Ele estava no Brasil entre um trabalho e outro e largou tudo pelo incerto, mas ele sabia que seria um marco na sua vida profissional e pessoal. Quando chegou a Londres ainda sem lugar para morar, ele se hospedou na casa de um amigo para poder participar de um mês de treinamento com os diretores, todos eles americanos, no teatro antes de começar as sessões de apresentação do musical. “O espetáculo é uma febre, uma big company. Estamos com ingressos esgotados até abril e sem data para sair de cartaz. Eu estou muito grato por essa oportunidade de aprender com a organização e profissionalização londrina de fazer teatro”, afirmou.

O espetáculo Magic Mike está me cartaz em Londres (Crédito: Divulgação)

Ainda pequeno, aos cinco anos, Gustavo Barchilon já sabia que queria entrar no mundo da arte. A certeza era tanta que ele mesmo insistiu para a mãe matriculá-lo em um curso de teatro no Rio. Na faculdade cursou artes cênicas e justificou o atual sucesso pelo apoio familiar recebido durante toda a vida. A decisão para se aventurar como diretor e não como ator ocorreu no ano de 2009 quando foi assistente de direção no espetáculo do Domingos de Oliveira. E não parou mais, montou espetáculos infantis de sucesso pelo Brasil. Um outro importante marco na carreira de Gustavo foi quando a coordenadora artística da empresa Möeller & Botelho, grandiosa no segmento de musicais brasileiros, o convidou para ser diretor assistente do Charles Möeller. A dupla alçou-se no mercado de musicais ainda na década de 90 e desde então é referência neste importante campo do entretenimento. Trabalhando com Charles e Cláudio Botelho de perto, o ator fez uma espécie de segunda faculdade no quesito direção durante os sete musicais que ajudou a dirigir. “A MB foi uma grande escola para mim. São grandes profissionais. Foram anos de parceria”, disse Gustavo que permaneceu nas montagens da MB até 2016.

A direção de teatros e musicais sempre esteve ligada a outra paixão do ator, a produção. Depois que saiu da empresa da dupla Möeller & Botelho, Gustavo integrou a equipe que produziu a temporada de espetáculos do Cirque Du Soleil pelos estados do Brasil. A produção mescla produtores estrangeiros e brasileiros, por isso essa foi mais uma grande oportunidade de crescimento para Gustavo. “No Cirque foi o meu primeiro choque de organização de produção e de equipe e agora no West End isso não me choca tanto mais”, contou o ator que nunca tinha participado de perto do ambiente circense, e sobre esse ponto ele acrescentou: “É um espetáculo que impressiona e emociona. Fiz amigos para a vida toda, foi uma grande oportunidade que eu tive. O Cirque está muito presente na minha vida, sou imensamente grato a ele”.

O diretor com as atrizes Eva Wilma e Nicette Bruno, durante ensaios de montagens brasileiras (Crédito: Divulgação)

Com a família toda morando em terras européias, Gustavo está feliz de ter tido a oportunidade de morar perto da mãe que está em Portugal, e os planos para 2019 é continuar em Londres vivendo o sonho chamado West End, seja no musical Magic Mike ou em outro que vier. E o diretor já está com a agenda reservada para 2020 para dirigir um musical gringo que desembarca no Brasil. “A pré-produção já começou só que ainda não posso falar o nome, mas acabou de sair do West End. É um musical incrível que tem muito a ver comigo e vai ser uma grande oportunidade e voltarei para o Brasil para realizá-lo”, finalizou. Para vermos de perto o trabalho do Gustavo Barchilon vamos ter que esperar 2020 chegar, enquanto isso ele vai ganhando o mundo por aí.

Pesquisas relacionadas