Teatro & Pensata

Miguel Falabella volta ao Teatro Procópio Ferreira, em São Paulo, para mais uma temporada de casa cheia do maravilhoso “GOD”

Deus, neste espetáculo, vem em uma versão bem mais “moderninha”, com direito à Bíblia em formato iPad, sabendo tudo sobre corte de gordura trans e glúten, e sem paciência para política

Publicado em 06/01/2017 | Por Junior de Paula

O site HT, viajado que é, viu o monólogo “God” na Broadway, quando o personagem de Deus era interpretado pelo genial Jim Parsons, da série “Big Bang Theory“, e, ao fim de um espetáculo que faz rir, se emocionar e se questionar existencialmente, ficou se perguntando quem poderia interpretar esse personagem no Brasil. A dúvida durou alguns segundos quando um nome surgiu na nossa cabeça: Miguel Falabella. E não é que pouco tempo depois ele estaria nos palcos nacionais com o tal espetáculo enchendo teatros Brasil afora? Depois de passar por Niterói, Belo Horizonte, Curitiba, Campinas, Brasília e Porto Alegre, sendo sucesso de bilheteria, “GOD” fez sua estreia oficial e primeira grande temporada na cidade de São Paulo, no dia 18 de novembro, no Teatro Procópio Ferreira. Depois de um recesso para as festas de fim de ano, Deus e seus súditos voltam com tudo para o mesmo mítico teatro paulistano, onde permanece até 19 de fevereiro. “A grande sacada do texto é que não fala de religião. É Deus dando uma bronca na plateia, dando um esporro pelos descaminhos que nós tomamos. É uma comédia, mas as pessoas se emocionam no final”, contou Miguel.

14440884_10154563596554826_8540228470623565907_n

Desde que assistiu a “GOD” em sua versão original na Broadway, em Nova Iorque, Miguel Falabella soube que precisava trazer o espetáculo para o Brasil. O diretor ainda conferiu a versão apresentada em Portugal, estrelada por um grande amigo, antes de assinar os papeis e começar a trabalhar na adaptação brasileira. Deus, neste espetáculo, vem em uma versão bem mais “moderninha”, com direito à Bíblia em formato iPad, sabendo tudo sobre corte de gordura trans e glúten, e sem paciência para política. Dentre os mandamentos repaginados, estão “Honrarás teus filhos”, “Separar-me-ás do Estado” e “Não me dirás o que devo fazer” – todos peculiarmente muito bem explicados e fundamentados. No espetáculo, ele e seus dois arcanjos dedicados, Miguel (Magno Bandarz) e Gabriel (Elder Gattely), respondem a algumas das questões mais profundas que têm atormentado a humanidade desde a Criação, em apenas 90 minutos. De uma forma muito particular, o Deus de Falabella, como não poderia deixar de ser, vem para arrancar muitas risadas do público e desvendar os maiores segredos do universo ou, pelo menos, do Brasil. Afinal, Deus não é brasileiro?

De David Javerbaum, vencedor de Emmy Award Winner, o aclamado e premiado “GOD” fez um enorme sucesso na Broadway, sendo definido pelo jornal “The New York Times” como “delirantemente, divinamente engraçado”. No Brasil, Miguel, além de interpretar o personagem principal, assina a versão brasileira e a direção. A codireção, por sua vez, fica por conta de Fernanda Chamma e a produção de Sandro Chaim. “São praticamente dez anos juntos. Já trabalhamos em muitos musicais, seriado e novela. A gente tem um mesmo olhar para colocar um espetáculo em cena, o nosso gosto bate. Ele me permite criar e respeita a opinião dos parceiros de criação. A gente aprende a cada dia, além de se divertir muito”, contou Fernanda.

god_creditodanielchiacos00179

No figurino, assinado por Marco Pacheco – que também é o responsável pelo cenário – , a inspiração para as roupas dos auxiliares Miguel e Gabriel veio das pinturas clássicas, onde os anjos vestiam armaduras celestiais: “A armadura e as asas são fixas para facilitar a locomoção e principalmente o conforto dos anjos. A calça é de resina e eles usam tênis com aplicação de spikes. Esse figurino ficou pronto antes dos ensaios para que os atores se adaptassem à roupa e pudessem replicar a coreografia da Fernanda Chamma”, justifica Pacheco. Já o figurino de Deus o coloca no lugar completamente atual em que ele quer estar: “Esse Deus é um Deus descolado, que gosta de luzes e brilho, por isso o terno dele tem um corte moderno, diferente dos tradicionais. A gravata azul entra na paleta do cenário e relembra as cores do céu”, acrescentou.

Serviço:
Período: 06 de janeiro a 19 de fevereiro de 2017
Local: Teatro Procópio Ferreira (Rua Augusta, 2823 – Jardins, SP)
Horários: Sexta, 21h; Sábado, 18h e 21h; Domingo, 18h
Duração: 90 minutos
Classificação: 12 anos
Capacidade: 624 lugares
Preços dos ingressos: De R$ 90,00 a R$150,00

Vendas pela bilheteria do Teatro Procópio Ferreira (aberta terça e quarta, das 14h às 19h; e de quinta a domingo, das 14h até o início do espetáculo), sem taxa de conveniência. Pela internet, no site www.ingressorapido.com.br, com taxa. Mais informações no telefone (11) 4003-1212.

Ficha Técnica:

Texto: David Javerbaum
Versão Brasileira e direção: Miguel Falabella
Codireção: Fernanda Chamma
Produção Geral: Sandro Chaim
Cenário e Figurino: Marco Pacheco
Iluminação: Adriana Ortiz
Trilha Sonora: Leandro Lapagesse
Visagismo: Dicko Lourenço
Elenco: Miguel Falabella, Elder Gattely e Magno Bandarz
Voz em off: Bruno Garcia

Transportadora Oficial: Avianca
Promoção: Globo
Realização: Aveia Cômica e Chaim Produções
Assessoria de Imprensa: Mattoni Comunicação

Pesquisas relacionadas