Teatro & Pensata

Exclusivo! No desfile de Lino Villaventura no Rio Moda Rio, Malu Rodrigues falou de teatro e dos dois longas que estreiam ainda esse ano

A atriz contou que fazer cinema tem sido muito prazeroso, mas o palco ainda é seu habitat: “No teatro musical, podemos mostrar o canto, a dança e a atuação ao mesmo tempo e, além disso, é ao vivo, não dá para enganar”

Publicado em 16/06/2016 | Por Karina Kuperman

Malu Rodrigues marcou presença na fila A do desfile de Lino Villaventura nessa quarta-feira, 15. Apesar de não ser uma entusiasta do universo fashion, a atriz fez questão de conferir de perto as criações do estilista. “Vim exclusivamente por ele. Conheci o Lino quando ele fez os figurinos do ‘Nine’ e foi amor à primeira vista. Ele e a Inês Villaventura são incríveis. Minha paixão é por eles, não pelo meio da moda em si, até porque prefiro fazer a minha própria moda”, confessou.

20160615200313_IMG_0462_resized_0

Malu Rodrigues foi prestigiar Lino Villaventura no Rio Moda Rio (Foto: AgNews)

Falando em “Nine”, durante a época da peça, Malu dividiu seu tempo entre os palcos e a gravação de “O Caseiro”, que estreia no próximo dia 23 de junho nos cinemas de todo o Brasil. “É um filme de terror com o Bruno Garcia. Eu fazia ‘Nine’, ‘Tapas e beijos’, pegava uma moto e gravava até às 6h da manhã. Foi uma loucura. Fizemos com baixo orçamento tratando-se de um filme de terror, mas foi muito gostoso. Todo mundo tinha muito amor, o roteiro e a equipe eram incríveis”, contou ela, que, além disso, também poderá ser vista nas telonas no longa “Minha fama de mau”, com previsão de estreia para o próximo semestre. “O cinema está entrando aos poucos na minha vida e eu estou completamente apaixonada. Quando eu era criança eu fiz o ‘Didi quer ser criança’, depois teve o ‘Confissões de adolescente’, do Daniel Filho, e agora esses dois”, explicou.

Apaixonada confessa pelos palcos, Malu contou que gosta da emoção de quando a cortina se abre. “A diferença é que, no teatro musical, podemos mostrar o canto, a dança e a atuação ao mesmo tempo e, além disso, é ao vivo, não dá para enganar. Tem que ter uma rotina quase que de atleta. Não pode sair, encher a cara – eu não faço até porque nem gosto disso. Musical me interessa demais por isso de mostrar o que eu sei fazer como um todo. Mas todos os veículos precisam um do outro. A TV ajuda muito no teatro, para captar, com publicidade, dinheiro extra. Fora que tem obras incríveis, séries fantásticas”, elogiou ela, que pode ser vista nos palcos paulistanos até o dia 26 de junho com a peça “Milton Nascimento – Nada será como antes”, assinada pela dupla Claudio Botelho e Charles Möeller. “Estamos no teatro Faap e depois vamos viajar em turnê por praças públicas”, contou Malu.

Pesquisas relacionadas