Teatro & Pensata

“A Desumanização”: obra homônima de Valter Hugo Mãe ganha adaptação inédita para os palcos

A peça, baseada no livro do escritor português, estreia no próximo dia 10. Em entrevista exclusiva ao site HT, diretor José Roberto Jardim e as atrizes Fernanda Nobre e Maria Helena Chira falaram sobre a produção

Publicado em 08/05/2019 | Por Iron Ferreira

Entre os dias 10 de maio e 30 de junho, o SESC Santana, em São Paulo, será palco da peça “A Desumanização”, baseada no livro homônimo do premiado escritor português Valter Hugo Mãe. Com direção de José Roberto Jardim, a produção narra a história de Halla, que luta para sobreviver em um mundo tomado pela solidão após a morte de Sigridur, sua irmã gêmea. O romance, publicado em 2013 e que já vendeu mais de 35 mil exemplares, aborda temas como a separação, a melancolia e a busca poética pela integridade e identidade após o luto. “É um grito por sua paridade, autonomia, liberdade e pela busca de entendimentos nesse mundo tão árido e individualista”, declarou José Roberto Jardim.

Maria Helena Chira e Fernanda Nobre protagonizam a montagem (Foto: Divulgação)

No palco, as atrizes Fernanda Nobre e Maria Helena Chira irão interpretar a Halla em diferentes momentos de sua trajetória. A partir disso, o impacto da ausência da irmã e a duplicação da personalidade da personagem serão evidenciados. Sobre o papel, Maria Helena Chiri, comentou: “O livro é narrado em primeira pessoa. Na nossa concepção, decidimos colocar essa voz multiplicada. Eu e a Fernanda fazemos o mesmo papel. Porém, buscamos dar voz aos outros personagens que também aparecem na peça de uma maneira duplicada, como se fosse um espelho. Da maneira que decidimos fazer, ela aparenta ser um personagem só que acaba se desdobrando em muitos outros”.

A atriz, que também assina a montagem do espetáculo, ainda falou sobre a inspiração para a realização da produção: “Eu me apaixonei pelo livro assim que o li pela primeira vez. É uma história triste, mas muito complexa e que aprofunda as diversas facetas do sentimentalismo humano. Desde 2014 que venho tentando montar essa peça. Quando entrei em contato com o autor por e-mail, ele foi muito solicito e me respondeu de pronto. Está sendo um sonho trabalhar com ele”.

O espetáculo aborda temas profundos da existência humana. Entre eles, o luto, a solidão e a ausência de identidade (Foto: Divulgação)

Fernanda Nobre também não poupou elogios ao escritor e fez questão de evidenciar a sua admiração: “É um grande privilégio participar de uma peça baseada no livro de Valter Hugo Mãe. Sou muito fã dele, sempre admirei o seu trabalho. Na minha opinião, é o maior escritor vivo. É a primeira obra dele a ser adaptada para o teatro e estou feliz em poder participar”.

“O livro conta a história de uma menina de 11 anos que perdeu a irmã gêmea, abordando a ausência de identidade. Faremos a mesma personagem 35 anos após essa profunda perda. O texto evidencia a falta que a Halla sente da irmã, além de deixar claro o impacto causado. Acho bacana que o texto pode ser utilizado como um paralelo para ilustrar a maneira com que a mulher é reconhecida na sociedade. Assim como a personagem não consegue se desvencilhar da imagem de sua gêmea, a mulher é constantemente colocada contra a parede para escolher entre um estilo de vida ou outro”, afirma Fernanda sobre a sua intepretação da obra.

As duas atrizes se declararam fãs da obra do autor e demostraram satisfação em participar da peça (Foto: Divulgação)

Valter Hugo Mãe fará uma aparição especial na apresentação do dia 15 de junho para um bate-papo exclusivo com o público, diretor e elenco.

Serviço

Sesc Santana: Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Santana, São Paulo – SP, tel. (11)  2971-8700

Temporada: de 10 de maio a 30 de junho.  Sextas e sábados, às 21h e, aos domingos, às 18h

Capacidade: 330 lugares

Duração: 75 minutos

Faixa etária: 14 anos

Ingressos: R$ 12 (credencial plena), R$ 20 (meia entrada) e R$ 40  (inteira). Vendas online a partir de 30/4, às 12h; nas unidades  do Sesc, a partir de 2/5, às 17h30.

Bilheteria: de terça a sexta, das 9h às 21h30; aos sábados, das 10h às 21h; e aos domingos, das 10h às 18h45. Aceitam-se cartões de crédito e débito (MasterCard, Diners, Visa, Aura, Cabal, Elo, Hipercard, Maestro, Redeshop e Visa Electron) e cartões de bandeiras Vouchers Cultura (Alelo, Sodexo, VR e Ticket). Os ingressos podem ser adquiridos em todas as unidades do Sesc.

Estacionamento: R$ 12 a primeira hora e R$ 3 a hora adicional – desconto para credenciados.

* em virtude da Virada Cultural, não haverá espetáculo nos dias 17, 18 e 19 de maio

Pesquisas relacionadas