Moda & Beleza

SENAI CETIQT: Feira de Tecidos com os maiores players do setor mostra alta tecnologia aos alunos da Pós-Graduação em Gestão e Planejamento em Modelagem: Alfaiataria Industrial

O encontro contou com a participação de poderosas indústrias, como Vicunha Têxtil, Santista Jeanswear, Freudenberg, Paramount Têxteis, RenauxView, Menegotti Malhas e Lainière de Picardie Golaplast, que apresentaram seus melhores e mais modernos produtos como entretelas especiais, algodão sustentável, jeans upcycle, tecidos texturizados, estampas digitais e muito mais. “É importante que os alunos estejam bem informados sobre os materiais e com propriedade para propor e debater com os designers a melhor opção para um determinado produto", disse a especialista em gestão de pós-graduação do SENAI CETIQT, Melissa Silva

Publicado em 16/11/2018 | Por Heloisa Tolipan

Tecidos inteligentes, ecológicos, versáteis e diversificados foram as grandes atrações da 1ª Feira de Tecidos do SENAI CETIQT, realizada semana passada, na unidade da instituição na Barra da Tijuca, com exclusividade para os alunos da pós-graduação em Gestão e Planejamento em Modelagem: Alfaiataria Industrial. Empresas nacionais e multinacionais participaram do evento, que integrou a disciplina de Materiais Têxteis, ministrada pelos professores Sheylla Couto e Rafael Araújo.

Alunos e professores da pós-graduação em Gestão e Planejamento em Modelagem: Alfaiataria Industrial participam da 1ª Feira de Tecidos (Foto: Divulgação)

Alunos e professores da pós-graduação em Gestão e Planejamento em Modelagem: Alfaiataria Industrial participam da 1ª Feira de Tecidos (Foto: Divulgação)

A proposta da atividade era simular uma situação, onde supostamente uma designer que não “pôde” ir à feira e pediu para sua equipe de modelagem representá-la na escolha do material, buscando o melhor custo/benefício. Cada grupo recebeu um release de uma marca diferente com o objetivo de sugerir o melhor tecido para a confecção da roupa. “É importante que os alunos estejam bem informados sobre os materiais e com propriedade para propor e debater com os designers a melhor opção para um determinado produto. As marcas selecionadas para estarem na feira foram convidadas por terem características comuns como reconhecimento de mercado, inovação e diferenciação. Os melhores estão aqui”, ressaltou a especialista em gestão de pós-graduação do SENAI CETIQT, Melissa Silva.

Especialista em gestão de pós-graduação do SENAI CETIQT, Melissa Silva é a idealizadora da pós-graduação em Gestão e Planejamento em Modelagem: Alfaiataria Industrial (Foto: Divulgação)

Especialista em gestão de pós-graduação do SENAI CETIQT, Melissa Silva é a idealizadora da pós-graduação em Gestão e Planejamento em Modelagem: Alfaiataria Industrial (Foto: Divulgação)

A Feira de Tecidos contou com a participação de poderosas indústrias, como Vicunha Têxtil, Santista Jeanswear, Freudenberg, Paramount Têxteis, RenauxView, Menegotti Malhas e Lainière de Picardie Golaplast, que apresentaram seus melhores e mais modernos produtos como entretelas especiais, algodão sustentável, jeans upcycle, tecidos texturizados, estampas digitais e muito mais. Os alunos passaram por todos os representantes que explicaram detalhes e as tecnologias embarcadas em cada peça produzida.

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Estamos inovando muito na área sustentável. Hoje, economizamos 70% de água na fábrica. Outra novidade é que importamos uma máquina da Alemanha que vai dobrar nossa produção de estampas digitais no algodão e na viscose, que dão mais qualidade e definição aos tecidos”, contou Marco Praxedes, representante comercial da Menegotti Malhas, acrescentando ainda que “essa parceria acadêmica e industrial é muito importante. Temos vários colaboradores formados pelo SENAI CETIQT e sabemos que eles tiveram uma formação profissional e completa”.

Aluna da pós-graduação e modelista da marca Bisi, da S2 Holding, Janaína Sant’Ana, ficou atenta a todas as explicações e aproveitou da melhor forma essa integração. “Meu objetivo é ser coordenadora da área de modelagem e a pós faz parte desse caminho. Tenho um conhecimento superficial sobre tecidos, principalmente, sobre entretela. A maioria das empresas já determina dois ou três tipos que precisamos adaptar. Na feira vi que há uma grande variedade, que vou sugerir para a empresa em que trabalho”, contou Janaína.

“Meu objetivo é ser coordenadora da área de modelagem e a pós faz parte desse caminho", disse a aluna Janaína Sant'Ana (Foto: Divulgação)

“Meu objetivo é ser coordenadora da área de modelagem e a pós faz parte desse caminho”, disse a aluna Janaína Sant’Ana (Foto: Divulgação)

E por falar em entretela, esse aviamento aplicado no tecido para encorpar e estruturar uma peça, é a especialidade da empresa Lainière de Picardie. Técnica têxtil do grupo francês, Cibely Santos, mostrou algumas novidades durante a feira. “Temos resinas apropriadas para cada tipo de tecido. Um dos lançamentos é a GMP, que não precisa de muita temperatura para ter fusão, não tem brilho e nem vaza. Às vezes, acabam estragando um tecido por colocar uma entretela errada, por isso, é tão importante esse contato com os alunos. Podemos compartilhar informações e também temos um feedback de quem já usa nossos materiais”, relatou.

A sustentabilidade está na pauta dessas grandes empresas têxteis. Com propostas para reduzir o consumo de água na fabricação das fibras e o reaproveitamento de materiais usados, transformando-os em novas fibras, as indústrias estão inovando cada vez mais na fabricação de produtos têxteis. “Toda a nossa linha é produzida com uma porcentagem de algodão reciclado. Mas a grande novidade dessa coleção é o tecido com 100% de algodão reciclado, que já está sendo usado por marcas como Cantão, Reserva e Osklen. Além disso, todo o setor industrial está se modernizando para diminuir o consumo de água e de energia, evitando desperdícios”, declarou Fábio Ribeiro, representante comercial da maior empresa têxtil da América Latina, o Grupo Vicunha, que também apresentou os lançamentos alinhados com práticas sustentáveis.

Lorena Miranda mora em Goiânia e vem de longe buscando se especializar para dar aulas em um futuro próximo. A aluna é apaixonada por modelagens elaboradas com forros e estruturas e acredita que logo vai aplicar tudo o que aprendeu na Feira de Tecidos em peças que produz no seu ateliê. “Não tive esse aprendizado tão específico na minha graduação. Em pouco tempo, eu já apreendi muito sobre tecidos, por exemplo. São muitos detalhes que enriquecem a peça final”, comemorou.

Lorena Miranda veio de Goiânia para o curso: “Não tive esse aprendizado tão específico na minha graduação. Em pouco tempo, eu já apreendi muito sobre tecidos, por exemplo. São muitos detalhes que enriquecem a peça final” (Foto: Divulgação)

Lorena Miranda veio de Goiânia para o curso: “Não tive esse aprendizado tão específico na minha graduação. Em pouco tempo, eu já apreendi muito sobre tecidos, por exemplo. São muitos detalhes que enriquecem a peça final” (Foto: Divulgação)

Ao final da Feira de Tecidos, os alunos, divididos em cinco grupos, apresentaram suas propostas para o uso de tecidos e aviamentos em peças de marcas conhecidas. Os trabalhos foram avaliados pela professora Sheylla Couto e receberam comentários dos representantes das indústrias de tecidos. “É muito importante colocar em prática os conhecimentos ensinados durante as aulas. Os alunos se esforçaram para a buscar a melhor solução e, mesmo que tenham recebido críticas, eles aprendem novas possibilidades. É sempre uma troca”, definiu a professora.

Têxteis técnicos

Os alunos da pós-graduação em Gestão e Planejamento em Modelagem: Alfaiataria Industrial participaram ainda, na manhã de sábado, da palestra “Nanotecnologia e não-tecidos”. O tema foi apresentado por Jorge Chimanowsky, doutor em Ciência e Tecnologia de Polímeros (IMA/UFRJ) e analista de Desenvolvimento de Pós-graduações do SENAI CETIQT, que mostrou funcionalidades e características diferenciadas dos tecidos.

Jorge Chimanowsky ministrou a palestra “Nanotecnologia e não-tecidos” para os alunos da pós-graduação (Foto: Divulgação)

Jorge Chimanowsky ministrou a palestra “Nanotecnologia e não-tecidos” para os alunos da pós-graduação (Foto: Divulgação)

Durante a palestra, os alunos conheceram diversas tecnologias que podem ser aplicadas aos materiais como, por exemplo, um tecido inteligente que muda a estampa conforme a incidência de calor ou que é bactericida, ou ainda, que tratam celulite e flacidez. “Todas essas possibilidades são reais quando se trabalha a estrutura do material. Para chegar a um produto final de qualidade é preciso equilíbrio, conhecimento e avaliar as condições. Os têxteis técnicos já estão sendo aplicados em diversas áreas e têm muito valor agregado”, avaliou Jorge Chimanowsky.

 

Pesquisas relacionadas