Moda & Beleza

Salicílico, glicólico, retinóico: um guia das diferenças entre os principais ácidos presentes em dermocosméticos

Eles têm o poder de renovação da pele, clareamento de manchas, controle da oleosidade, prevenção do envelhecimento e até mesmo hidratação. Entenda!

Publicado em 18/10/2019 | Por Heloisa Tolipan

*Por Karina Kuperman

Você com certeza já ouviu falar em ácidos para a pele. Potentes, eles proporcionam benefícios como renovação, clareamento de manchas, estímulo da produção de colágeno e elastina, com o objetivo de um rosto mais firme, controle da oleosidade, prevenção do envelhecimento e hidratação intensa – sim, os ácidos podem hidratar -, eles são bastante utilizados em procedimentos dermatológicos e estão nos rótulos de produtos de beleza por todas as farmácias.

Os mais comuns são divididos nas categorias AHA (alfa-hidroxiácido) e BHA (beta-hidroxiácido), ambos esfoliantes químicos, que removem as camadas mais superficiais da pele e as células mortas para uma aparência renovada. A principal diferença entre eles é que os AHA são solúveis em água e atuam somente na superfície mais externa da cutis, podendo ser indicado para qualquer tipo de pele. Já os BHA são solúveis em óleo e penetram nos poros, sendo mais indicados para tratamento em peles oleosas e acneicas.

Com tantas variedades no mercado, é difícil saber qual deles sua pele necessita, mas preparamos um guia para ajudar nessa missão. Vale destacar que é de extrema importância que a indicação e dosagem sejam feitas por um dermatologista, pois só ele irá entender qual tipo é o mais adequado para suas necessidades e poderá explicar detalhadamente sobre como utilizar os produtos para obter os melhores resultados.

Ácido Glicólico
Mais conhecido e talvez o mais eficaz entre os AHAs, o ácido glicólico é obtido da extração da cana-de-açúcar e é ideal para tratar peles oleosas, acneicas e com manchas. Seu pH que varia entre 3,8 e 4,2 permite boa penetração na cutis, sem causar muita irritabilidade. Ele tem o poder de hidratar, esfoliar e conta com uma poderosa ação de rejuvenescimento. Seu poder de aceleração da renovação celular faz com que a pele fique mais lisa e uniforme. O ácido glicólico também trata manchas e cicatrizes de acne.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Acido Salicílico
Esse beta-hidroxiácido tem propriedades esfoliantes e seborreguladoras. Ele ajuda a diminuir o espessamento da pele, evita a contaminação de bactérias e fungos e tem uma poderosa ação anti-inflamatória. Além disso, atua promovendo intensa renovação celular,  removendo as células mortas e o excesso de oleosidade. Por conta disso, é uma ótima opção para tratar a acne, reduzir e evitar a formação dos cravos e comedões e deixar a pele mais uniforme.

Esse ativo age nos pilares de formação do quadro da acne e a sua ação anti-inflamatória reduz as lesões. Em virtude disso, tornou-se um produto extremamente popular, de forma que é muito comum vemos esse ingrediente em produtos de beleza. O ácido salicílico não age somente na limpeza da pele, mas ajuda a nutri-la e é eficaz contra vermelhidão e irritação.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ácido Azeláico
Naturalmente encontrado no trigo, centeio e cevada, o ácido azelaico é anti-bacteriano, anti-inflamatório e muito indicado para o tratamento da acne e da rosácea papulopustulosa, uma doença da pele do tipo inflamatória crônica. Ele ajuda na redução da inflamação e atua reduzindo o nível de lipídeos na superfície da pele e controlando o ciclo de renovação celular dentro do folículo piloso – evitando seu bloqueio por material queratinoso. Muitos estudos científicos já demonstraram sua efetividade na redução da acne moderada e no tratamento de hiperpigmentação após o processo inflamatório. É um dos poucos ácidos seguros em casos de gravidez – mas é necessário consultar seu médico pois só ele pode indicá-lo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ácido Hialurônico
O ácido hialurônico é uma substância natural do nosso organismo e fica localizado na matriz extracelular, onde também estão as fibras de colágeno e elastina. Suas moléculas têm a propriedade de atrair água, por isso, é usado para melhorar a hidratação, textura e densidade da pele. Conforme envelhecemos, a produção natural de ácido hialurônico no nosso organismo diminui consideravelmente e a reposição através do uso de dermocosméticos é benéfica. Seu alto poder umectante fez com que o ácido hialurônico se tornasse um dos queridinhos do mercado de beleza.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ácido Retinóico
Substância derivada da vitamina A, o ácido retinóico e indicado principalmente no tratamento dos sinais do fotoenvelhecimento – que incluem rugas, linhas finas, hiperpigmentação, manchas, sardas, aspereza e irregularidades no tom da pele. Comprovadamente o mais eficaz no aumento da produção de colágeno pela pele, promovendo firmeza e elasticidade extra, ele também atua na síntese de proteínas e tem a capacidade de dispersar a melanina que pode se concentrar em alguns pontos e acabar causando as manchas. Além disso, também normaliza a queratinização dentro dos poros e impede seu entupimento, então acabou sendo adotado para amenizar o problema da acne, apesar de não ser indicado para controle de oleosidade, porque evita a aparência de novas lesões.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ácido Lático
Obtido através da fermentação do leite, o ácido lático era responsável por grande parte do benefício dos famosos banhos de leite de Cleópatra. Atualmente, além de usado na pele, é frequentemente incorporado em produtos de cabelo graças a sua função reguladora de pH e seu alto poder umectante. Na derme, ajuda reduzir a aparência de envelhecimento, linhas finas, rugas e outros sinais de envelhecimento precoce causados pelo sol. Agente microbiano, o ácido lático impede que o excesso de células mortas se acumule na camada mais exterior da pele.

Este slideshow necessita de JavaScript.

É importante lembrar que, em tratamento com qualquer tipo de ácido, o protetor solar torna-se item indispensável, caso contrário, podem piorar certas condições, manchar a pele e causar queimaduras graves. Escolha um filtro solar com FPS no mínimo 30 e lembre-se: ele deve ser reaplicado a cada duas horas. Além disso, é ideal evitar o excesso de exposição ao sol. O mesmo vale para quem faz tratamento com essas substâncias em consultórios.
Apenas profissionais dermatologistas podem indicar o melhor para sua pele.

Pesquisas relacionadas