Moda & Beleza

Resistência fashion: apesar da crise política e econômica do Brasil, 26ª edição do SICC registra crescimento de 8% no número de expositores

Para garantir o resultado positivo, Frederico Pletsch, diretor da Merkator Feiras e Eventos, destacou o trabalho engajado da empresa promotora nos meses que antecederam o Salão. “A gente foi pesquisar novas marcas, pegamos no braço e trouxemos mais gente para esta edição"

Publicado em 23/05/2017 | Por Julia Pimentel

Se Dior conseguiu fazer moda em plena Segunda Guerra Mundial, por que nós brasileiros não conseguiríamos em meio a essa crise? Este foi o pensamento que conduziu os preparativos da 26ª edição do SICC (Salão Internacional do Couro e do Calçado) que ocorre até amanhã, 24, em Gramado. Na coletiva de imprensa que rolou ontem e reuniu jornalista de todo o país, o diretor da Merkator Feiras e Eventos, empresa promotora do SICC, Frederico Pletsch, contou do sentimento de resistência que costurou e ainda se destaca nesta edição do evento. Apesar do panorama inconstante e desanimador da política e da economia brasileira, o SICC se manteve vivo e, mais que isso, cresceu seus números na temporada Verão 2018.

Leia também: Em bate-papo que abriu a 26ª edição do SICC, o estilista Ronaldo Fraga comentou o fim da moda e do mundo: “Estamos aqui como zumbis para reinventá-lo”

Frederico Pletsch, diretor da Merkator Feiras e Eventos, empresa que promove o SICC (Foto: Henrique Fonseca)

Frederico Pletsch, diretor da Merkator Feiras e Eventos, empresa que promove o SICC (Foto: Henrique Fonseca)

Por lá, são mais de 1.600 marcas expositoras e 18 mil pessoas circulando, sendo 200 delas estrangeiras interessadas em levar os produtos tupiniquim para diversas partes do mundo. Este ano, Frederico Pletsch contou que o crescimento da feira de verão foi de 8%. Embora o resultado seja impressionante e animador para o setor calçadista, o diretor da Merkator Feiras e Eventos acredita que, se o panorama estivesse mais favorável, o superávit ficaria entre 30 e 40%. Para garantir o resultado positivo, Frederico Pletsch destacou o trabalho engajado da empresa promotora nos meses que antecederam o evento. “A gente foi pesquisar novas marcas, pegamos no braço e trouxemos mais gente para esta edição. Foi um processo muito trabalhoso, mas hoje, vemos o quanto gratificante e importante foi esse empenho. O sucesso desta edição também prova que o evento continua forte e que o formato feira continua sendo o grande encontro entre o fazedor, o comprador e o produtor de moda”, disse.

Leia também: Começa hoje: 26ª edição do SICC reúne 1.600 marcas e o site HT adianta as principas tendências e apostas do setor calçadista. Vem!

Este slideshow necessita de JavaScript.

No entanto, apesar do resultado animador, o caminho foi e continua sendo árduo para os compradores e produtores de moda. Falando do setor calçadista, público-alvo do SICC, o cenário de crise econômica e política no Brasil impactou diretamente na produção dos trabalhadores. Para o sucesso, Frederico Pletsch destacou o empenho ainda maior de quem quer ver a economia nacional voltando a girar. “Para nós, a crise impactou porque vimos que precisávamos trabalhar sempre mais e falar cada vez menos. Agora, para mim, particularmente, só provou que eles, os políticos, não pensam mesmo em nós”, analisou.

Leia também: Passaporte carimbado: próxima edição do SICC irá reunir cerca de 200 compradores estrangeiros em Gramado com a expectativa de alavancar o crescimento das exportações no setor

Este slideshow necessita de JavaScript.

Se para muitos o SICC é uma cama-elástica incentivadora para os negócios de Verão, para todos, o evento promovido pela Merkator é símbolo de ordem no setor calçadista. Como parte do calendário da moda brasileira de norte a sul do país, o Salão Internacional do Couro e do Calçados há 26 edições valoriza e estimula a produção nacional do setor. Como apontou o diretor da Merkator Feiras e Eventos, Frederico Pletsch, antes, o Brasil apenas importava os calçados. E hoje, já se tornou um país exportador do setor que a cada ano supera os números anteriores. “O setor coureiro e calçadista brasileiro estava completamente fora de data. Nós não tínhamos conceito de moda e nem nada parecido. E, para quem testemunhava este panorama, era muito fácil saber o porquê: nós não vendíamos sapatos. Os modelos do Brasil eram comprados via exportação e, apenas o que faltava era feito no mercado interno. Com o advento da China tomando conta na nossa exportação, os brasileiros tiveram que começar a vender sapato. Inclusive, para o mundo”, explicou.

Leia também: Na 26ª edição do SICC, Ronaldo Fraga lidera encontro sobre moda e negócios e cerda de 200 estrangeiros já estão confirmados para a feira

Esta 26ª edição do evento ocorre até amanhã no Serra Park, em Gramado (Foto: Henrique Fonseca)

Assim, o setor calçadista passou a fazer parte dos produtos que o Brasil exporta para diversos países. No ano passado, por exemplo, as transações registraram um aumento de 4% no negócio externo e, para 2017, a expectativa é aumentar ainda mais. Só no primeiro trimestre deste ano, o país já registrou um aumento de mais de 10%. Atentos a esse crescimento, o SICC mais uma vez reforça sua importância nos negócios brasileiros. Para esta edição do evento, cerca de 200 estrangeiros foram convidados, com passagem e hospedagem paga pela Merkator, para conhecer e negociar os produtos das marcas expositoras do Salão. Assim, a empresa promotora garante compradores importantes de países da América Latina, da Ásia e grandes potências, como França e Estados Unidos. Mais que isso. Além de garantir a experiência de estrangeiros, a Merkator ainda se responsabiliza pela viagem de empresários brasileiros para o SICC.

Leia também: Empresas de pequeno e médio porte ganham apoio para participar do SICC, em Gramado, e aumentam a variedade de compra para lojistas que buscam prazos, descontos e tendências

Este slideshow necessita de JavaScript.

Porém, além de reconhecer a importância deste incentivo para as negociações na feira de Gramado, Frederico Pletsch também atribui à criatividade dos expositores o sucesso e o crescimento do evento. Para ele, o SICC é um grande encontro de designer de pequeno, médio e grande porte que se apropriam das tendências mundiais e as traduzem de diferentes formas. “Acabou aquela hipocrisia de que uma marca só faz coleção de Primavera-Verão, por exemplo. Hoje, a nossa feira vive de tudo. Mas, a característica principal é a exploração do designer de cada tendência. Já sabemos quais cores vão estar em alta na estação e qual será o tipo de salto, mas como cada marca vai traduzir isso é o diferencial”, disse.

Leia também: Com número recorde de expositores e expectativa de 18 mil visitantes, 26ª edição do SICC tem destaque para inovações tecnológicas do setor calçadista

Este slideshow necessita de JavaScript.

Por fim, para garantir uma experiência completa aos frequentadores do SICC, principalmente aos lojistas, o evento ainda está investindo em mais um ponto importante: a informação. A cada edição, a feira reforça sua preocupação de garantir conhecimento aos produtores do setor e, assim, promove encontros, palestras e convida grandes nomes do cenário da moda para promover debates e compartilhar ideias com os convidados do SICC. Nesta edição, por exemplo, foi a vez de Ronaldo Fraga dividir seu conhecimento em Gramado. No domingo, o estilista símbolo de inovação protagonizou o Papo Legal, bate-papo que abordou a temática “Autenticidade e Moda”. “O lojista precisa muito deste apanhado de informação e nós estamos querendo suprir isso mostrando a ele de onde vem a moda. E o resultado está sendo ótimo. As pessoas já estão querendo saber a data da próxima edição”, comemorou o diretor da Merkator Feiras e Eventos, Frederico Pletsch.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pesquisas relacionadas

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,