Moda & Beleza

NYFW fecha temporada de outono-inverno com Lady Gaga estreando nas passarelas e muito mais. Vem saber tudo!

Depois de uma temporada superfeminina com slip dresses, a Calvin Klein voltou aos clássicos terninhos, enquanto Oscar de la Renta deixou a delicadeza da renda de lado e surgiu irreverente com um vestido todo de couro. Teve muito mais...

Publicado em 19/02/2016 | Por Karina Kuperman

A semana de moda outono-inverno de Nova York acabou nessa quinta-feira, 18, com direito a desfiles de marcas como Oscar de la Renta – que, com Peter Copping no comando, surgiu bem mais irreverente e menos romântica -, Lady Gaga cruzando a passarela de Marc Jacobs em um look gótico, Coach inspirada pelo universo escolar sporty e “ouro líquido” na passarela da Ralph Lauren. Por aqui, ficamos de olho em tudo desde o começo e, agora, destrinchamos tudo que rolou na catwalk das maiores marcas do meio fashion! Vem ver!

Oscar de la Renta
Os looks com referências clássicas de Oscar de la Renta foram mantidos pelo designer britânico Peter Copping tanto nas modelagens como na elegância de cada peça. Em shapes retos e saias-lápis, as peças estruturadas faziam um paradoxo interessante com a renda delicada pela qual a marca é conhecida. Os tecidos ultraclássicos usados em modelagens mais contemporâneas mostraram o encontro entre a moda americana e toda a pompa da alta-costura francesa. Na passarela, tricôs leves combinados com peças volumosas, bordadas e estampadas fizeram sucesso, bem como as golas de pele e cores contrastantes que marcavam as blusas, mesmo as que tinham golas altas. O floral estilizado em dourado e os vestidos de festa glamurosos também chamaram atenção, mas o que surpreendeu mesmo foi o vestido roxo todo em couro. Explicamos: Oscar de la Renta, que faleceu em 2014, tinha um estilo assumidamente romântico e jamais havia feito algo parecido, mas Peter Copping, que assumiu a direção criativa, parece gostar de inovar… novos tempos para Oscar de la Renta.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Michael Kors
O estilista parece ter se rendido ao poder do “fast-fashion”! Em uma coleção sem regras desfilada em um loft de janelas enormes no bairro de TriBeCa, Michael misturou o glamour das saias enfeitadas com plumas e lantejoulas a liberdade dos casaquinhos clássicos de tweed, jeans enfeitados com franjas, suéteres com capuz, calças pretas e jaquetas de estampas florais. “Esta coleção não tem regras. Nem temporada, nem hora do dia. É uma mistura moderna”, disse o estilista. Os highlights do desfile ficaram por conta de um vestido branco curtíssimo e todo enfeitado de lantejoulas prateadas, uma minissaia lavanda bordada com penas e uma capa grossa com brocados dourados – com direito a bolsa e sapato combinando.

A top dinamarquesa Freja Beha Erichsen abriu o desfile com uma jaqueta azul marinho de abotoamento duplo e uma saia jeans com plumas de avestruz, enquanto Kendall Jenner surgiu na passarela trajando um vestido prata cheio de brilho e recortes, além de correntes que deixavam a cintura à mostra. As saias e vestidos apareceram em modelos até os joelhos com recortes em formato de tiras ou em peças plissadas, que garantiam movimento ao look. Apesar da pegada 60’s, o inverno de Michael Kors é atemporal e pensado para mulheres poderosas e com estilo. Prova disso é a combinação inusitada do vestido de tule coberto com bordados metálicos – bem disco! – usado com um casaco preto de corte. Da fila A, a atriz americana Blake Lively acompanhou tudo ao lado de mãe. Além dela, outras celebs mostraram empolgação com a coleção.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Coach
Pela segunda vez nas passarelas de uma temporada de moda, a Coach, conhecida por sua noção de luxo acessível que transformou a indústria, trouxe para a semana de moda novaiorquina o outerwear de luxo assinado pelo diretor criativo Stuart Vevers, que tem transformado a grife em uma marca jovem desde 2013, quando assumiu o comando das coleções. Foi nesse clima moderninho que a Coach levou os fashionistas direto para um píer sobre o Rio Hudson que lembrava um ginásio de escola recriado. “Quero que tudo pareça americano”, explicou Vevers.

A coleção, por sua vez, apresentou um inverno bem sporty, com peças inspiradas no universo de hóquei, jaquetas varsity e bombers. A cara da Coach na estação mais fria do ano são pernas de fora com botinhas e casacões!  Além disso, muitas decorações com patches, que são resultado de uma mistura de desenhos fofos, símbolos de times e estampas florais e, muito provavelmente, tomarão as ruas pelos próximos meses. Além disso, Vevers apostou no contraste entre o metalizado das botas com os babados femininos e as classudas golas de pelos nos casacos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Marc Jacobs
Não teve para ninguém quando a cantora Lady Gaga subiu à passarela para o desfile de Marc Jacobs. Depois de vencer o Globo de Ouro e homenagear David Bowie no Grammy, Gaga riscou a passarela usando um enorme casaco cinza com mangas de pele, uma blusa verde com fita amarrada no pescoço, saltos altíssimos e make gótica e dark. Em suas redes sociais, a cantora declarou: “Eu adoro Marc Jacobs desde que eu era muito jovem, então eu estou muito honrada de ser uma de suas belas criaturas nesta noite”.

Além dela, Kendall Jenner também chamou atenção ao representar uma coleção predominantemente escura, com paleta girando em torno de cinza e preto. Jacobs apostou em uma mistura interessante de estilos, com jaquetas jeans masculinas e vestidos de bolinhas ultragirlies. Roupas oversized com mangas sobrando nos braços, botas pesadas e meias de renda deram o tom do desfile gótico do estilista, que trouxe também saias planas e golas trabalhadas aos looks cheios de atitude! A beleza ficou por conta de olhos pesados, sobrancelhas descoloridas e cabelos milimetricamente desenhados.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Calvin Klein
Depois de uma temporada com foco nos slip dresses – os vestidos com cara de camisola, o brasileiríssimo Francisco Costa voltou ao básico Calvin Klein: os terninhos. “É uma temporada muito emocionante, porque eu decidi jogar com ternos e alfaiataria, que é um trunfo da casa. Eles são uma expressão do urbanismo e trazê-los de volta é ótimo”, declarou, nos bastidores. De dentro de um loft em TriBeCa, que remete à moda urbana – cara do estilo cool da marca -, Francisco Costa apresentou ternos em lã preta, riscas de giz, usados com correias e suspensórios. Ou seja: para todos os gostos.

Mas, como não poderia deixar de ser, a suavidade ficou por conta da seda, que, usada em blusas com decotes ousados e acessórios, deu leveza à coleção de inverno. A ousadia ficou por conta da estampa animal print em branco e amarelo – uma espécie de tigre e leopardo. Em vestidos de decotes profundos e bainhas desajustadas, jaquetas de ternos, couro misto, xadrez, riscas, golas de pele falsa e a mistura de sapatos oxford e stiletto, Francisco Costa deu o tom masculino versus feminino na coleção. O grande destaque ficou por conta da bainha sem mangas e dos vestidos de seda de mangas compridas enfeitados com pedras polidas. Na fila A, Kendall Jenner, Zoe Kravitz, Margot Robbie e outras celebs assistiam tudo de pertinho!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ralph Lauren Collection
Ouro líquido foi a expressão da coleção de inverno da marca. Explicamos: a sensação do desfile foi um vestido dourado, feito de uma mistura de sedas que fica mais pesado do que a seda pura, que, de tão resplandecente, dava a impressão de ouro escorrendo pelas pernas. Além dele, uma série de saias amplas, típicas da marca, também causaram frenesi entre os fashionistas da fila A. Karlie Kloss cruzou a passarela com um vestido amplo de veludo cheio de detalhes brancos de plissados na gola e nos punhos. Aliás, os punhos tiveram atenção de Ralph nessa temporada, já que outro look marcante foi um vestido coquetel preto com punhos de babados de couro plissado e gola cool.

Enquanto o daywear de Ralph Lauren foi cheio de tons outonais como cinzas, marrons, verdes e bordôs, os looks noturnos tiveram a elegância de influência vitoriana, com muitas golas altas ou prussianas – aquelas dobradas para baixo, renda, veludo preto e um casaco-manto. A coleção contou, também, com tweed, xadrez escocês e os clássicos tecidos pesados em pantalonas e blazeres. Em contraste com o tom formal, tecidos delicados como camisas de seda e casaquetos de cashmere. Autodidata, Ralph Lifshitz foi um dos estilistas que contribuiu para definir o estilo chique moderno americano. Nascido em Bronx, filho de imigrantes judeus pobres, conseguiu sucesso com sua típica camisa polo com símbolo de um jogador e, atualmente, arrasta nomes como Sienna Miller e a editora Anna Wintour para a fila A do desfile mais esperado da semana de moda.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pesquisas relacionadas