Moda & Beleza

Ivan Aguilar arma desfile-show que celebra de Domenico De Masi a Hitchcock

Para festejar os 30 anos de muita moda, estilista assina coleção baseada na calmaria dos campos ingleses. É um alerta para quem não consegue dar um tempo no frenesi do whatsapp, nem no mimimi das mídias sociais

Publicado em 31/05/2019 | Por Heloisa Tolipan

O fashion designer Ivan Aguilar celebrou na noite desta quinta-feira (30/5), no Centro de Convenções de Vitória, seus 30 anos de estrada na moda masculina. De que forma? Bem, se formos falar do próprio Ivan, com aquele jeitinho faceiro de mineirim “come-quieto” que conquistou o mundo vestindo artistas e políticos, sin perder la ternura jamás. Sorrisão Colgate na cara, pele bronzeada de quem não abre a mão de um dolce far nientezinho básico e olhos brilhando de criança que apronta. E o que ele aprontou? Um desfilão-festão-bafão de arromba, com 40 looks da nova coleção, pela primeira vez se apresentando na cidade que o acolheu, a capital capixaba.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O designer fez o dever de casa certinho: antenado com esses novos tempos de engajamento social, parte da renda da noite foi revertida para a OSGADE, obra social Gabriel Delanne, organização não governamental sem fins lucrativos que cuida da educação, nutrição, cultura, esporte e lazer de crianças e adolescentes carentes em risco social, na comunidade de Novo Horizonte, em Cariacica, ES. A cidade em peso compareceu e colaborou com a causa. E Ivan ainda convocou para tocar o desfile o amigo de longa data, o stylist Claudio Silveira, que já dirigiu runaway shows de brands importantes como Alexandre Herchcovitch, Osklen, Amir Slama e Samuel Cirnanscki. O moço aterrissou no Espírito Santo direto da labuta, após tocar fogo na Praia de Iracema, depois de abocanhar a direção de passarela do DFB Festival, maior evento de moda autoral da América Latina, realizado em Fortaleza de15 a 18 de maio. “Dessa vez, me dei ao luxo de dar pinta no dia, relegando a pauleira ao Claudio”, ri Ivan, com verve de enfant terrible, do tipo que enfia besouro em bolso de avental de empregada. No fim, tudo deu match.

Este slideshow necessita de JavaScript.

E a coleção? Uma coisa! Com a nome de “Urban folk”, tem inspiração nos campos ingleses, em clássicos cinematográficos, como “Retorno a Howard’s End” (1992) e “Vestígios do dia” (1993), de James Ivory, e até em “O terceiro tiro” (1955), filme de Alfred Hitchcock com Jonh Forsythe que lançou Shirley McLaine. Downton Abbey perde…

Tudo numa levada slow life, movimento de se voltar para o campo para meditar, para se entregar à reflexão, ao respiro. Como assim? Ivan explica: “Existe um movimento global de retorno ao ambiente rural ou, pelo menos, na direção daquilo que remete a ele; um neo arcadismo social decorrente do cansaço da vida frenética, da escravidão das mídias sociais, do excesso do whatsapp e seu esgotamento mental. Quando isso acontece, o homem se volta para a natureza. Rendo mais quando estou longe da urbe”, aponta o criador. Segundo ele, é daí que ressurge essa atmosfera rural inglesa como ambiência de desejo.

O conceito das peças vai ao encontro da obra mais conhecida do filósofo e professor da universidade La Sapienza, em Roma, Domenico De Masi, “O ócio criativo” (Editora Sextante, 2000), e também da mais recente, “Uma simples revolução” (Editora Sextante, 2019), que acaba de ser lançada no Brasil e na qual o pensador defende a ideia de que o trabalho hoje é menos necessário para produzir riqueza, sendo agora mais intelectual que braçal, realizado à distância. “Não abro mão daquele café ou chocolate quente de manhã, na varanda, em Pedra Azul, cidadezinha para onde vou quando quero recuperar energia”, conta o estilista.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em pauta: blasers, calças, ternos e costumes clássicos se completam com a linha casual: jaquetas, bombers, shorts, pijamas e overcoats, que comparecem com o DNA do designer – perfeição no corte, destaque para o acabamento e a escolha dos tecidos, um must. Os toques: forros num composê bacanudo; camisas que vêm em seda com cores adamascadas; e xadrezes de lascar: príncipe de gales, madras, tartans e até um tipo de padrão meio Burberry. Para arrematar, prints geométricos e de monograma, que remetem aos anos 2000, em gamas como ocre, toffee, café au lait, nougat, conhaque, uísque, amêndoa, macadâmia, marzipã e cáqui são aquecidos por vermelhos queimados – merlot, laranja-raposa, brandy e licor –, ao lado dos neutros: cinza, estanho, preto, marinho.

Pesquisas relacionadas