Moda & Beleza

DFB Festival DAY3: da festa pela liberdade de Lindebergue Fernandes ao paraíso cool da Rota Jeri

No terceiro dia de DFB Festival nós conferimos os lançamentos das marcas Marju, Fanor, Sta Marcelina, Unama e Uniateneu que integraram o Concurso dos Novos. Seguidos por Jeferson Ribeiro, Matias, uma iniciativa do Sindiroupas CE, Melk Z-Da, Rota Jeri e Lindebergue Farias e Kallil Nepomuceno

Publicado em 18/05/2019 | Por Heloisa Tolipan

O terceiro dia de DFB Festival começou fervendo sob o sol na capital cearense e por conta da grande programação cultural que propõe a maior semana de moda e festival plural das artes do Nordeste: No DPM foi a vez do trio Vitorino Campos, David Lee e Érico Gondim dividirem suas experiências com o público no talkshow Novos profissionais em cena. No Palco Cores, a agitação ficou por conta do Salve Simpatia, Bloco Sandijunio, Edisca, DJ Erick Vilar e da banda Melim. E Palco Sesc, Astronauta Marquinho + Maquinas e Lorena Nunes.

A carioca Marju deu o start no desfiles no DFBeach Clube, depois foi a vez da Fanor, Sta Marcelina, Unama e Uniateneu que integraram o Concurso dos Novos. Seguidos por Jeferson Ribeiro, Matias, uma iniciativa do Sindiroupas CE, Melk Z-Da, Rota Jeri e Lindebergue Fernandes e Kallil Nepomuceno.

MARJU

A Marju abriu os desfiles do DFB Festival, no DFBeach Clube. Com a Praia de Iracema ao fundo, a carioca mostrou uma coleção cheia de tie-dyes, babados e cortes impecáveis. Em total sintonia com essa edição do festival de artes e moda de Fortaleza, a marca tem a sustentabilidade em seu DNA. Todas as peças são tingidas por artesãs e as malhas são biodegradáveis, que se decompõe após quatro anos se corretamente descartadas em aterros sanitários. As lycras, também, são biodegradáveis e têm uma secagem rápida em até três minutos após o mergulho. O desfile ao pôs-do-sol terminou ao som de Assanhado, de Baby do Brasil. Um verdadeiro intercâmbio de areias e mar: Rio-Fortaleza.

Este slideshow necessita de JavaScript.

CONCURSO DOS NOVOS: FANOR, SANTA MARCELINA, UNAMA, UNIATENEU

A Fanor desfilou uma coleção com referências aos pescadores, redes de pesca e o artesanato do Nordeste, olhando para as rendas e nas telas. Vale ressaltar os detalhes com tramas em diferentes tons de azul, além do cru e do marrom. Até um rufo apareceu nessa coleção.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A faculdade paulista Santa Marcelina levou à passarela do DFB Festival 2019 uma coleção que fazia referências ao fundo do mar – esponjas e águas vivas, pescadores e tribos indígenas. Um forte exercício criativo de formas e texturas. Destaque para as capas de plástico e as transparências que foram estampadas com o fundo do mar.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Unama mostrou uma coleção com referências a tribos indígenas com uma imagem natural e até rústico. Destaque para os trançados que apareceram em roupas e acessórios. A cartela de cores traz os tons de vermelho, verde oliva, verde bandeira, off-white, marrom e laranja.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A UNIATENEU, CE, contou uma lenda de marinheiros para navegar na coleção Mulher no mar dá azar? Uma superstição sobre mulheres a bordo de navios não trazem boa sorte. Uma criação e produção dos alunos Andressa Saraiva, João Vitor Ferreira, Mariana Maciel, Mariane Nogueira e Tainara Barroso. As peças foram inspiradas nas mulheres marisqueiras que fazem do mar o seu local de trabalho, casa e de onde tiram o sustento de suas famílias. Os estudantes mesclaram elementos da moda praia com referências do street style.

Este slideshow necessita de JavaScript.

JEFERSON RIBEIRO
Benção é o nome da coleção que o estilista Jeferson Ribeiro apresentou no DFB Festival 2019. Com a imagem das mulheres do sertão, o criador pediu o fim do feminicídio. Uma moda política para falar da simplicidade das nordestinas, o baiano resgatou suas memórias afetivas para dar vida a um trabalho delicado que une estruturas com a fluidez, conceitos opostos, mas que funcionam bem dentro do seu minimalismo arquitetônico. Esse desfile é uma homenagem a herança cultural de seus avós, foi pensando nesse álbum de família que o criador ‘esbarrou’ na retirante Macabéa, de Clarice Lispector, e da replicante Rachel, de Blade Runner.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Os carros-chefe da coleção são os vestidos longilíneos, alfaiataria desconstruída e peças com construções em drapeados. Os calçados da coleção são da Melissa. A cartela de cores, bem sertaneja, é comporta por marrom pau-a-pique, vermelho amora, verde garrafa, rosa poeira e rosa argila. Os volumes das cabaças, presentes no artesanato nordestino, dão formas ao volumes e aos recortes da coleção com muitos babados, saias assimétricas e manga ciganinha. Tudo para desfilar com muita elegância no mar de areias chamado Nordeste.

Este slideshow necessita de JavaScript.

SINDROUPAS APRESENTA MATIAS
O menswear da Matias é easy e cool. A marca mostrou na passarela uma alfaiataria casual na coleção A Praia, que vai em total sintonia com o homem contemporâneo. Para o fundador da empresa e também presidente do Sindicato das Indústrias de Confecções de Roupas de Homem e Vestuário no Ceará (SindRoupas), Lélio Matias, a ideia de lançar a coleção veio da necessidade de apresentar uma nova opção para os homens e como uma oportunidade de gerar negócios na moda.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Segundo Deoclys Bezerra, do time criativo da marca, ícones da natureza praiana foram as fontes de inspiração. “Areia, mar, céu e sol. Os elementos costeiros de diversos paraísos litorâneos, como, por exemplo, Ipanema, Iracema, Capri e Mykonos, estão presentes nessa coleção”. É jovem, moderna e acima de tudo, um convite para colocar os pés na areia e sentir de perto a natureza. Roupas perfeitas para ir do trabalho para o happy hour, ainda nos tons de branco, areia, amarelo celeste e marinho. No total foram 20 looks trabalhados em tricolines maquinetadas, sarjas leves, jeans cambray e texturizado, estampas de gravataria e malhas com elementos gráficos naturais e urbanos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

MELK Z-DA
No salão de Negócios do Minas Trend vimos um preview da coleção de Melk Z-Da. Agora no DFB Festival fomos convidados a entrar na Casa de Chá. Nessa coleção com perfumes e aromas orientais, o estilista usou elementos desse universo para criar estampas exclusivas em seda. O experimentalismo sofisticado é a essência da marca que trabalha fortemente com o artesanal. O designer pernambucano conhecido por seu trabalho artesanal e autoral, mergulha em referências nas artes, vivências e pessoas em suas criações. Adepto do slow fashion, movimento que vai contra a rapidez da atual indústria da moda, acredita em uma moda atemporal, pensada e feita com cuidado. Os tecidos recebem cores, texturas e bordados exclusivos, desenvolvidos no atelier por meio de processos artesanais.

Este slideshow necessita de JavaScript.

As cores açucaradas, as porcelanas, os infusores, que viraram tramas e o hibisco como flor símbolo da coleção borrifaram um aroma oriental na passarela como uma grande experiência sensorial. “Tem uma família de linho e seda que tingimos com camomila, hibisco. Faz parte do DNA da minha marca que tem o artesanal e o sustentabilidade andam juntos, conta Melk.

Este slideshow necessita de JavaScript.

SEBRAE APRESENTA ROTA JERI
O projeto Rota das Emoções, do SEBRAE CE, que engloba o Ceará, Piauí e Maranhão fez uma estreia com cara de gente grande na edição de 2019 do DFB Festival. A coleção Rota Jeri levou o clima do balneário cool, de Jericoacoara, para a passarela com direção de Claudio Silveira. Destaque para os tons de verde que ora faziam referência a água do mar ora para as palmeiras que fazem sombra nas praias paradisíacas da cidade, que abaram aparecendo nos chapéus feitos de palha do coqueiro trançada verde. O tom ainda costurou toda a coleção e pôde ser visto em pareôs, saídas de praia, camisas, biquínis e calças. A cartela de cor ainda foi composta por marrom e areia, uma praia em que estilo é palavra de ordem.

Este slideshow necessita de JavaScript.

LINDEBERGUE FERNANDES
Quando se apagaram as luzes da sala de desfile, o espaço fui inundado por muitas gargalhadas, por um instante ficamos nos perguntando o que estava acontecendo, mas logo descobrimos que fazia parte da trilha sonora, que estenderia o tapete para a coleção Eu não sou seu lixo de Lindebergue Fernandes. O desfile trouxe a energia de Ronaldo Resedá (1945 – 1984), com as músicas Marrom Glacê e A última moda, para uma festa pela liberdade em que o dress code foi a alegria.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No início de sua carreira, Resedá lecionava aulas de jazz, após ter se formado com Lennie Dale. Entre seus alunos mais famosos estão os atores Lauro Corona, Marília Pêra, Lucélia Santos e Zezé Motta. Fez sucesso também como ator, participando de peças de sucesso como “Deus lhe pague”, “Pippin” e “Fidelidade ao alcance de todos”.

O estilistas escolheu os melhores looks para um dos modelos de forma bem livre, misturando o exagero dos anos 80, com saias e vestidos com caudas intermináveis que preenchiam a passarela; o boho; pijamas, maxi laços, aplicações de pérolas, estampas de gatos. Uma coleção livre em que ‘Vale, vale tudo, Vale o que vier, Vale o que quiser’.

Este slideshow necessita de JavaScript.

KALLIL NEPOMUCENO
Ao som de Vogue, Kallil Nepomuceno encerrou o terceiro dia do DFB Festival com looks para muito strike a pose. Entre o Sacro e o Profano foi um desfile que começou com Vogue, de Madonna, numa perfeita e bem humorada união da alfaiataria e do sportswear. As jaquetas bombers trazem um toque contemporâneos e moderno em roupas sofisticadas. Um desfile cheio de saias vaporosas, saias balonês, decotes arrebatadores, ombros poderosos, rufos desconstruídos que viraram golas imponentes, transparências… Um verdadeiro patchwork criativo e de estilos. Um desfile com muito crahs de estampas, muito brilho, estampas florais, looks mono estampados, amarelo ouro, vermelho, verde e azul.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O masculino é um dos melhores da atualidade, o estilista cearense subverte o conceito de gênero, sem perder a masculinidade trazendo a sofisticação dos tecidos nobres junto a um streetwear couture, com um perfume gangster sedutor. O desfile encerra com I’m outta love, da americana Anastacia levantando a bandeira da liberdade, (Acabou o meu amor, Me liberte, E me deixe sair desta tristeza), um hino que muitos de nós cantamos e dançamos nas pistas de dança dos anos 2000.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pesquisas relacionadas