Moda & Beleza

De Anitta, na Água de Coco, à coleção criada por presidiários: #Day1 do São Paulo Fashion Week N45 “Pow! Edição Criativa” começou com supertops na passarela

*Por Karina Kuperman Água de Coco por Liana Thomaz Se o Brasil da Água de Coco foi com Z, ninguém melhor do que Anitta, devidamente trajada a la Carmen Miranda, para corroborar a força da internacionalização da nossa arte e cultura em todos os aspectos. Nossa popstar made in Brasil abriu com chave de ouro […]

Publicado em 22/04/2018 | Por Heloisa Tolipan

*Por Karina Kuperman

Água de Coco por Liana Thomaz
Se o Brasil da Água de Coco foi com Z, ninguém melhor do que Anitta, devidamente trajada a la Carmen Miranda, para corroborar a força da internacionalização da nossa arte e cultura em todos os aspectos. Nossa popstar made in Brasil abriu com chave de ouro a temporada de desfiles da São Paulo Fashion Week, que chega em sua 45ª edição com o tema “Pow! Explosão criativa”. “Hoje é dia de São Paulo Fashion Week e estou indo cantar agora no desfile da Água de coco. O tema do desfile é internacionalizando o Brasil. Me convidaram pra fazer o desfile aqui. Estou me achando”, afirmou a cantora. “Vamos desfilar todo tipo de gente, mais velho, mais novo, etnias misturadas, plus-size, uma coisa que é mundo. Quando o Renato (Thomaz) veio me falar da Anitta ele falou ‘Brasil no mundo hoje é ela’, aí resolvemos colocá-la como forma de abranger a todos. Exploramos um lado dela bem sofisticado”, explicou Liana Thomaz, diretora criativa da marca.

 

O visual característico da mulher brasileira foi o ponto de partida da coleção, batizada “Brazil com Z”, que levou, para além das fronteiras tupiniquins, muitas cores, sensualidade e tropicalismo. Paisagens do Rio de Janeiro e homenagem à flora e à fauna brasileira marcaram a estamparia da marca, que aposta na atemporalidade e vai além do beachwear, propondo todo um lifestyle que vai da praia à cidade, em qualquer estação e qualquer lugar do mundo. “Trouxe um Brasil mais sofisticado, não tem mais inverno e verão, são coleções cápsulas, quatro ou cinco no ano. O trabalho dobrou porque são coisas novas toda hora. É um ‘see now, buy now’. Como temos muito varejo, resolvemos fazer isso. Não é fácil, mas está funcionando”, analisou Liana.

A linha “Rio Vintage” homenageou o espírito carioca com maxi babados, tons P&B e verde bandeira, aplicações de cristais e silhueta fluida e feminina. A “Alta Noite” foi elaborada em jaquard de malha com LYCRA e teve poás, lurex, sobreposições oversized, cinturas altas e hot pants. A linha “Costela de adão” botou transparência e assimetria na passarela, enquanto a “Baiana” veio com modelagem que valoriza ombros e babados em camadas. A “Jasmin”, por outro lado, homenageou o carnaval com tons de amarelo, rosé e vermelho e bordados com franjas de vidrilho sobrepondo estampas. A “Disney Samba” trouxe o espírito boêmio do samba brasileiro, com direito ao personagem Zé Carioca entre os arcos da Lapa e, por último, a linha “Aquarela do Brasil” veio com tons de mostarde e verde musgo, com shapes ombro a ombro cheios de babados e lisos com aplicações de patches. “Eu amo os handmades, bordados e babados dessa coleção. É o DNA da marca. Vamos mudando tecidos, estruturas, cores, mas o handmade continua sendo o ponto alto da Água de Coco”, elegeu Liana. “O biquini cortininha é a peça que não pode faltar nunca. É o day by day. Na passarela vão os diferenciados, mas o day by day é isso”, analisou.

Assinada por Rodrigo Costa, a beleza do desfile, como não poderia deixar de ser, focou na sensualidade. Cabelos laqueados em diferentes texturas, olhos esfumados em to chumbo, peles iluminadas e bocas nude retrataram o “brazilian style” da marca.

A abertura ficou por conta da dupla de musas da marca, Carol Trentini e Isabeli Fontana. Ana Cláudia Michels desfilou grávida de seu segundo filho.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Projeto Ponto Firme:
O designer e artesão Gustavo Silvestre, especialista em crochê criativo experimental e moda sustentável se dedica, há dois anos e meio, a ensinar detentos da Penitenciária Desembargador Adriano Marrey técnicas de crochê. Desde então, mais de 100 alunos já passaram por suas aulas e, agora, resultados do projeto chegaram em nada menos do que a passarela do São Paulo Fashion Week.

Trinta looks – entre blusas, vestidos, camisetas, calças, acessórios e outros foram desenvolvidos em crochê por nove meses. “O Projeto Ponto Firme beneficia cada integrante, aflorando a sua arte, sua profissionalização, se tornando uma nova alternativa de renda e uma perspectiva de vida nova quando o sentenciado estiver em liberdade. A cada 12 horas no projeto, o encarcerado se beneficia com a remição de um dia”, disse Valdinei Freitas, diretor técnico do Centro de Trabalho e Educação da penitenciária.

Foi a partir de uma apresentação no próprio presídio, no mês passado, que surgiu a ideia de trazer a coleção para a São Paulo Fashion Week. “Quando começamos o projeto o foco do trabalho era ensinar a técnica do crochê e oferecer uma alternativa para eles se profissionalizarem. Com o passar do tempo, percebi que era possível desenvolver uma coleção de roupas e começamos a trabalhar com força e aumentar o tempo de oficina. O desfile no SPFW nos permite mostrar outros caminhos possíveis de reintegrá-los na sociedade, valorizando o trabalho de forma criativa”, disse Gustavo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pesquisas relacionadas