Moda & Beleza

A temporada de moda cruzou o oceano Atlântico e parou em Londres, com direito a brasileiro roubando a cena. Entenda!

Teve Vivienne Westwood fazendo seu desfile palco de protesto, Burberry inovando na tecnologia mais uma vez, a volta da designer britânica Zandra Rhodes às passarelas e muito mais

Publicado em 22/09/2015 | Por Karina Kuperman

Apenas um dia após o fim da Fashion Week em Nova York, Londres já tinha o palco armado para receber os estilistas para apresentarem suas coleções de 2016. A semana de moda segue até esta terça-feira (22) e o site HT já separou os highlights do verão europeu, com destaque para um regresso mais do que especial: a designer britânica Zandra Rhodes, que já vestiu nomes como princesa Diana e Freddie Mercury, e, após dez anos de ausência, voltou a desfilar nessa Fashion Week. Além dela, cruzaram as passarelas as estreladas Versus Versace, Burberry, Maison Margiela, J.W. Anderson, Topshop Unique, Vivienne Westwood Red Label e muitas outras. O ponto alto da semana é a esperada estreia de Hill & Friends, nova marca de Emma Hill, da Mulberry. Os desfiles foram no estacionamento da Brewer Street, edifício verde e branco em art déco de 1920, que fica no centro do Soho. Em meio a pequenos restaurantes, lojas e sex shops, os convidados puderam conferir as últimas criações e as tendências da moda para o verão 2016.

Zandra Rhodes
A estilista é uma figura mítica da moda britânica e ficou conhecida nos anos 70 por sua ousadia. Ela, que já colocou as costuras do lado de fora dos tecidos e transformou alfinetes de fraldas em joias, abriu a London Fashion Week em alto nível. O rosa, sua cor favorita, apareceu em calças, saias, camisetas, blusas, cintos e gorros. Além disso, Zandra se inspirou em suas viagens pelo mundo, principalmente pela Ásia, e trouxe às passarelas tecidos malaios, saris, roupas soltas, calças amplas e cintura alta para mulheres chiques e informais.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Versus Versace
Anthony Vaccarello, diretor criativo da marca desde o início do ano, imprimiu seu DNA perfeitamente na passarela. O destaque da coleção foram as peças híbridas, com detalhes que confundem. Vestidos-lenços, longos de seda com fendas enormes, minissaias e muita assimetria marcaram a primavera-verão da Versus Versace. As estampas se dividiram entre animal e floral. Alfaiataria militar, universo pelo qual Anthony gosta de transitar, se misturou com couro rocker no primeiro desfile da grife em Londres.

Este slideshow necessita de JavaScript.

J.W Anderson
A clássica marca londrina fez contraponto entre peças pequenas, como sutiãs, combinados apenas com calças e roupas mais volumosas, como mangas bufantes que levantam a questão entre o moderno e o vintage. Babados femininos foram reeditados em couro, que, aliás, também apareceu colorido e junto de estampas gráficas. Por outro lado, rendas delicadas marcaram presença nos corpos das modelos. Malhas caneladas, zípers e tecidos colados ao corpo também tiveram destaque nessa passarela. As calças surgiram cheias de recortes e com suas barras amarradas com fitas, que, aliás, foram tendência na NYFW. Bolsas-carteiro foram usadas em dupla, cruzadas, ajudando a desenhar os looks. As confusões visuais são um clássico da marca e, dessa vez, a cara do desfile foi o contraste entre exagero e delicadeza.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Topshop
A primavera-verão da grife fast-fashion chegou em uma coleção retrô e romântica. Maxipoás, florais delicados e vestidos de renda drapeado com bordados se misturaram com itens menos inocentes, como sapatos peludinhos, tricô de lã vazado e o paletó do namorado, que voltou em alta. As it-girls Alexa Chung, Poppy Delevigne e Suki Waterhouse assistiram tudo na fila A e devem surgir em breve com as novas tendências. Nós já estamos ligados.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Vivienne Westwood Red Label
A polêmica estilista que tem a ousadia de falar de política dentro da moda não decepcionou. Vivienne, que sempre divulgou causas em que acredita na passarela, já deu o que falar em 2005, quando lançou uma campanha anti-terrorismo após a morte do brasileiro Jean Charles de Menezes. Nessa Fashion Week, ela voltou a falar sobre a revolução climática, tema que vem se dedicando desde 2012. O foco, na passarela, foi o método de extração de óleo e gás por perfuração da terra a partir de uma pressão química alta e o uso de água, um debate forte na Inglaterra. A criadora do estilo punk trouxe um flash mob à passarela, com modelos segurando placas com mensagens “abaixo a austeridade”, “faturamento hidráulico é crime” e outros. A trilha sonora compôs o clima, com sirenes de polícia e uma voz feminina perturbadora.
Os looks de sua Red Label não ficaram para trás. Calças de cintura alta, tailleurs, joggings, camisetas com estampas que remetem à corseletes e cintas sadomasoquistas cruzaram a passarela no corpo das modelos. Metalizados discretos também compuseram a coleção.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Burberry

O desfile mais esperado da semana foi também o que teve a plateia mais cheia de famosos. Nomes como Kate Moss, Cara e Poppy Delevigne, Sienna Miller e até o brasileiro Chay Suede, vestido em um look sob medida com poncho de franjas, transitaram pelo Kensington Garden, onde a marca se apresentou. Comandada por Christopher Bailey, a coleção da Burberry teve looks inspirados na década de 90. Estampas militares, mistura de rendas, tons de preto e dourado e ícones do street style como nylon e sandálias rasteiras marcaram a passarela.

chay

A marca ainda proporcionou um show com apresentação ao vivo da cantora Alison Moyer e orquestra conduzida por Joe Duddell. A primeira a ter um canal próprio na Apple Music, Burberry marcou mais um ineditismo nessa fashion week e foi pioneira ao apresentar algumas peças por snapchat um dia antes do desfile. Essa foi a primeira vez que uma marca revelou sua coleção antes do calendário oficial. Será que vira moda?

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pesquisas relacionadas