Gente & Comportamento

Vai um docinho, meu bem? Em Lisboa, badalo abroad junta público afterwork e galera GLBT até em dia de São Cosme e Damião

Para anotar na caderneta de viagem: o bar com espaço outside, que abriu portas no início do verão, tem bombado na capital lusitana e vai continuar na ativa outono adentro

Publicado em 15/09/2014 | Por Alexandre Schnabl

* Por Bruno Muratori

Do lado de lá do Atlântico, Lisboa é considerada o melhor destino para aqueles viajantes que primam pela economia sem deixar de dar aquela pinta básica na Europa. Uma cidade linda que, mesmo com a crise e tempos nebulosos, não perde aquela luz que só quem pisa lá conhece. E, em uma pesquisa recente, a metrópole foi considerada um dos melhores destinos para jovens. Primeiro, por conta dos albergues com incrível custo-benefício. Por exemplo: no site Hostelworld, desde 2009, o prêmio de melhor albergue do mundo é entregue a um lisboeta – “Tás a ver?!” E, em 2014, na categoria de albergues médios, seis dos dez primeiros eram situados na capital lusa. Depois, ainda contam os custos: segundo o Índice Europeu de Mochileiros de 2014, a capital portuguesa é uma das mais baratas na Europa Ocidental e está no 20º lugar entre as 51 capitais pesquisadas no continente.

E é essa rapaziada que vem de fora em busca de diversão viável com qualidade que garante o agito dos bares locais, contando já com os preparados que se jogam forte principalmente no Bairro Alto, equivalente à Lapa carioca. Bebida barata, boa azaração e galera democrática. Oops, aliás, bebida barata só lá, né, meu bem?! Fato! Por isso, HT aproveita o finzinho do verão que ainda rola por lá para dar a dica àqueles viajantes de plantão que esperam o calor dar um treguinha na Europa e escolhem aquela temperatura amena para fazer as malas, típica da virada de estação. O Chillbar, o mais recente bar lounge de Lisboa anda mesmo dando o que falar e tem sido a alegria dos locais, do público mais mainstream até os moderninhos e a turma alegre.

Com a cidade desabrochando no verão, ninguém quer mesmo ficar dentro de casa e o foco e sensualizar na rua. Nessa época, pipocam as inaugurações e, por lá, muita coisa sobrevive apenas durante a alta temporada. Sobressaem os espaços modernos, e dar opções a lisboetas e turistas que desbravam a terra do fado vira questão de honra para os empresários locais. Assim, o Chillbarabriu oficialmente portas no inicio de julho, agradou em cheio e chega agora quer ficar de vez. O espaço é tão agradável que acaba se tendo a impressão de estar curtindo aquela boa vibe no meio de um jardim, já que possui ampla parte exterior. Dá até para se desligar do mundo lá fora e ter aquele momento de paz, apreciando um bom drink e sentindo aquele cheiro gostoso de interior, mesmo estando em terra grande. Sentiu a onda? É tudo isso e mais um pouco…

Da responsabilidade de Teresa Arriaga e da dupla Nuno Nobre  – consultor estratégico de negócios na área alimentar e gestor de eventos gastronómicos – e Paulo Silva, empresário da área do entretenimento, o Chillbar detém vasta e variada programação de eventos, desde a gastronomia à música. O local também oferece festas e eventos temáticos, espetáculos intimistas de música, funciona para meetings afterwork, degustações, gatherings corporativos, showcookings e toda a sorte de happenings.

Desde uma simples cerveja ou vinho, ao mais elaborado cocktail e gins, o cardápio é farto, e a oferta do Chillbar transita por tapas e petiscos de autor, além  refeições simples no seu jardim em modo secret spot.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos: Divulgação

Numa conversa com o consultor operacional do Chillbar, Rui Araújo, o Tuga conta ao HT um pouco sobre o projeto e aquilo que ainda está por vir: “Lisboa é conhecida, além da sua bela luz, pelo charme de ter bares muito agradáveis, com estilo próprio como o  proposto por nós. E o que o que faz este projeto ser especial, dentre outras opções na cidade? Bom, o Chillbar foi criado para explorar as possibilidades do público afterwork, mas ele vai além, atingindo um povo bem amplo. Essa ideia já é bastante explorada pelo resto da Europa, mas especialmente em Lisboa, ainda não existiam espaços que a explorassem tão bem”.

De fato, trata-se de um conceito que também diz respeito a um grande componente gastronômico: “para quem curte muito beber e comer, assumindo a tradição portuguesa, casar um menu de bar com uma seleção tradicional de petiscos só junta pontos a favor”, conta Rui. “As opções de bebidas e comidas nem é tão extensa assim, mas achamos que está bem constituída. Bons vinhos, um cardápio farto de gins com aromatizações e alguns perfect servs, cocktails de autor e ainda os mais clássicos, aqueles que tem twist, ele completa, afirmando que o tipo de atendimento descontraído e eficiente mantém a clientela, rasgando seda para o negócio: “Quem nos visita se sente integrado na decisão daquilo que vai consumir, sem forçar a barra. Não praticamos venda selvagem, não criamos pressão na decisão”.

No mais, ele afirma que o casa pretende durar mesmo mais que o verão e todas as bússolas estão apontadas nessa direção. Para ele, “o Chillbar não é só apenas um bar de temporada ou lugar da moda, mas queremos que as pessoas nos associem a um bom espaço”, ainda ressaltando que a constante presença de brasileiros foi surpresa. Ele conta que os brazucas ficam encantados com o mix de qualidade e preços interessantes. “Muitos voltam por causa dos cocktails assinados, como o Wasabi Ananás Connection, que foi eleito pela Time Out como um dos melhores sem gim.

Rui Araujo enfatiza que o conceito é mutante como “uma tartaruga-ninja, capaz de se adaptar às ocasiões, ao tipo de cliente e espaço. É possível que as pessoas achem estranho de início, mas depois compreendem. Nesta segunda quinzena de setembro teremos alguns eventos private, corporativos ou ligados à moda, além de festas de aniversário. Vale tudo, como diriam os brasileiros”, ri, lembrando o nome da icônica novela de Gilberto Braga.

A casa é parceira oficial da Lesboa Party (festa tradicional assumidamente GLBT da cidade), que vai comemorar o seu oitavo aniversário no dia 27 de Setembro. “Queremos ainda intensificar a nossa ação gastronômica nesse dia, criando atividades com chefs  para todo mundo sair ganhando, inclusive o público gay. Não sei se vocês comemoram São Cosme e Damião no Brasil, mas 27 é dia deles, por isso o evento vai ser doçura”, brinca o gajo.

Bom serviço, boas bebidas e comidas, este é o espaço do momento – o Jardim Secreto do Restaurante Rota das Sedas -, como também é conhecido o local. Como diria o pintor flamengo Hieronymus Bosch, é o jardim das delícias, com o público se deitando em sofás e poltronas, e a energia fluindo. Dada a dica, agora só resta programar uma ida em sua próxima viagem, tirando aquela onda na terra de Cabral sem precisar entrar no cheque especial.

Serviço:

ChillBar – Rua da Escola Politécnica, 231 – Lisboa

Dias e horário: de terça à sextas-feiras, das 18h às 2h; sábados, de 15h30 às 02h

A casa oferece estacionamento e fumadores

Gin Hendricks aromatizado com pepino e rosas – 9€

Gin Mare aromatizado com manjericão e laranja – 10€

Gin Seagram’s com tríade de citros e gummy bears – 8,50€

Vinhos Defesa, Carm Superior e Beyra de 3€ a 5€ o copo

cocktails clássicos 6€ a 7€

cocktails assinatura chillbar:

wasabi ananás conection 7€

Bulldog Express 8€, com Gin Premium Bulldog

Laranja Mecânica 8€, com Gin Premium Plymuth

cocktails virgin (sem alcool) – de 3€ a 4€ (limonada, virgin colada, virgin mojito, tomate temperado, bora bora e detox is fun)

* Carioca da gema e produtor de eventos, Bruno Muratori é uma espécie de fênix pronta a se reinventar dia após dia. No meio da década passada, cansou da vida de ator e migrou para a Europa, onde foi estudar jornalismo. Tendo a França como ponto de partida, acabou parando na terra do fado, onde se deslumbrou com a incrível luz de Lisboa e com o paladar dos famosos toucinhos do céu, um vício. Agora, de volta ao Rio, faz a exata ponte entre o pastel de Belém e a manjubinha

 

Pesquisas relacionadas