Gente & Comportamento

União estável! Em época de casamento gay, festas de responsa se unem para badalo comemorativo de niver: R:evolution e Jukebox!

Celebração promete incendiar o Porto Maravilha: entre bombados descamisados e twinkies da Geração Z, agito promete cardápio musical eclético e line up de DJs que inclui o grego George Spiliopoulos, alcunha GSP!

Publicado em 01/11/2014 | Por Alexandre Schnabl

* Por Bruno Muratori

Verão chegando, e a temperatura já esbarra nos 30 graus. Rio-pós eleição em obras gigantescas, se preparando para a Olimpíada, incluindo o porto quase maravilha, projeto ambicioso que pretende por a cidade no mapa de outras urbes que se alimentam dessa atmosfera, tipo Buenos Aires, Barcelona, Hamburgo e até Nova York com seu Píer 17. Enquanto os céticos duvidam da eficiência do trânsito pós-derrubada da Perimetral, já é possível conferir – por ocasião de eventos como o Festival do Rio – que o novo lay out da cidade promete grandeza estética e que tudo vai ficar lindo mesmo. E, enquanto aa bagunça não termina, esporádicas festas na região portuária vão acontecendo, com nesta primeira noite de novembro (1/11), quando será realizada a edição especial de dois badalos que costumam movimentar o Rio: R:evolution e JukeBox.

“Unir-se é um bom começo, manter a união é um progresso e trabalhar em conjunto é a vitória”. A máxima do empreendedor Henry Ford dá o tom neste sábado com esta fusão inédita, e quem sai vencedor é o público. Nesta edição especial de aniversário, a R:evolution, que completa 10 anos, e a JukeBox, que comemora seu sétimo niver, celebram de mãos dadas as datas no Armazém 6 do Cais Porto, conhecido como Armazém da Utopia. O cenário da Baía de Guanabara, óbvio, ajuda a dar o tom do agito, visualiza aí nas fotos! As duas maiores festas cidade voltadas para a turma amiga prometem edição conjunta cheia de surpresas e só os preparados, tipo Anitta, é que vão conseguir segurar a onda de tanta disposição.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos (Divulgação)

Em casamento profissa, os produtores Rosane Amaral (R.evolution) e Carol Bandeira e Rodrigo Rodriguez (JukeBox) unem os trapinhos em um bom matrimônio, daqueles que em a união é boa enquanto durar, e parece que a noite será memorável. HT aproveita o ensejo e, munido de seu espírito de cronista da vida mundana, já faz logo o retrospecto, rememorando aquele tempo em que as opções eram mais fartas e a jogação era mais que garantida.

Histórias não faltam, e a semelhança entre as trajetórias dos organizadores não é mera coincidência. Rosane Amaral, por exemplo, começou a saborear o gostinho pela noite aos 20 anos, na comemoração de seu aniversário no play do prédio em Ipanema e, de uma socialzinha esperta entre amigos, foi galgando terreno e fazendo daquilo o badalo mais comentado do bairro. Daí o “click” que a levou investir na carreira de promoter de festas. “Tudo surgiu muito de supetão, a coisa foi engatinhando meio que sem noção e, quando eu vi, tinha caído nessa”, conta, lembrando que a inspiração para o surgimento da R:evolution foi engatinhando, e que muita coisa pintou de surpresa, como em toda festa que pretende fazer história. O início de tudo? Bom, foi na saudosa, Bunker, no Posto 6, que fazia o Rio da virada dos 1990/2000 bombar no circuito alternativo, algo equivalente ao famoso Crepúsculo de Cubatão nos oitenta. “Melhor não entregar a idade, melhor fingir que não conhece, xuxu”, brinca Rosane.

De lá pra cá, a produtora deu o tom da nova noite carioca, com produção ambiciosa marcada pelo intercâmbio com profissionais da cena eletrônica internacional. A R:evolution foi considerada alívio pelo povo da noite, órfão de agitos como a X-Demente e B.I.T.C.H, amantes de um som mais pesado e seguidores de DJs renomados da cena mundial que, a partir de então, começaram a aterrissar na cabine da festa, em suas edições bombásticas. Com isso, a balada conseguiu transitar entre lá e cá e arrebatar um público fiel de meninos descolados e sarados nunca visto antes. Talvez esta tenha sido a revolução em si, comparável ao boom das academias de maromba que eclodiu nos anos 1980, e os corpos da cidade estão aí para dar a prova dos nove. As academias e os vendedores de whey protein agradecem… Tira essa camisa, mostra a peitaca e erotiza aí na pista, meu bem!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos (Divulgação)

A Jukebox também começou naquela vibe de energia boa, mas muito mais caseira, na cobertura da produtora Carol Bandeira, na Tijuca, com somente 80 pessoas. Festinha entre amigos naquela vibe de brothers. O evento deu tão certo que o povo pediu bis. A partir daí, foram realizadas algumas edições mensais, ainda sem tanto compromisso assim, e, a cada festa, o público crescia, até que chegou um momento que foi necessário sair à cata de espaço mais amplo para poder realizá-la, tipo do Centro de Convenções SulAmérica. Foi uma surpresa maravilhosa ver como uma empreitada despretensiosa virou o que é hoje em dia”, conta Carol, completando que o sucesso duradouro é resultado de muito trabalho. O público da JukeBox  é mais jovem, faz a linha geração Y ou até mesmo Z (porque é muito garoto, vai crescendo, partindo para outra, enquanto que sai da infância e vira pós-teen quer frequentar), e a garotada curte aqueles hits que vão do pop ao house, ama Katy Perry, corta os pulsos quando o DJ solta uma Rihanna. Faz sentido. Prato cheio para estudiosos da antropologia do consumo.

Com o tempo a festa também foi se adaptando ao som do momento (aquele que a novíssima geração estava deglutindo) e, por isso, já teve nomes renomados na housemix como Chus e Ceballos. Mesmo assim, a Juke ainda tenta manter aquele espírito de festinha de terraço (ou na laje) entre a garotada, do tipo que se conta os dias para rolar e onde se poder esbarrar com amigos sem medo de ser feliz. Vale ser alguém de verdade, como eu, como o leitor, e esse é o mood. Pode tudo: ficar à vontade, fazer a maluca na pista (que não tô nem aí!), e até alugar um carão para fazer a irmã mais nova de Cleópatra.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fotos (Divulgação)

Voltando à vaca fria, é sabido que o espaçoso Armazém da Utopia vai ostentar uma decoração em tons de diamante que deve compor o cenário perfeito para uma pista com sets sensacionais e iluminação de tirar o fôlego. “Diamonds are forever”, diria Shirley Bassey, espécie de Rihanna para o povo com mais de cinquenta, só que com muito mais voz. Sim, toda geração tem a diva que merece.

Mas, quem vai à festa deve estar curioso com aquilo que será a pièce de resistance do cardápio na pista principal. Afinal, nem importa tanto o local, ou o décor, se o coração da festa não pulsar corretamente. Claro, os DJs são mesmo as estrelas absolutas, sempre! Diego Valente, residente da JukeBox e também conhecidíssimo pelo seu trabalho todo domingo na emblemática DUO, no 00, tem a árdua missão de abrir os trabalhos. E, com remixes que viajam todo o Brasil, Paulo Pringles (deve comer uma batatinha que é uma maravilha!) prepara seu pouso no badalo com seus badalados sets inspirados nas edições da R.evolution e da The Original Brazilian Pool Party. Já Thierry tem a função de não deixar a vibe cair, mas também chama a atenção no line up, o projeto HouseBox, encabeçado por Felipe Lira e Rodolfo Bravat. Além de ótimas mãos para as mixagens, a dupla se assemelha no sucesso da carreira, tanto no âmbito nacional quanto internacional (em trajetórias semelhantes), assim como na paixão por tocar house music, cool!

Já a pista pop oferece a exata mistura do rock com o pop comandada por Tulio Araújo (FunFarra). O DJ Buba, que é residente e velho conhecido da rapaziada da JukeBox,  recebe a função de fazer o povo dançar ao som das mais variadas divas pop e boy bands existentes no planeta, quiçá no Sistema Solar, incluindo aí o Cinturão de Asteroides. Só não vale pegar o tal cinturão e querer incorporá-lo ao modelito, amor.

E, se é pop, tem funk. Ainda na pista pop, hits e batidões vão sair da case de Ingrid Gründig. Coisa para enlouquecer todos com seu jogo de quadris. Aí, só sai solteiro quem quiser. Por fim, cabe à bela DJ Pollyana (Polly para aqueles que a conhecem desde os tempos de modelo) dar aquela poderosa injeção musical com seus sets que arrastam fãs por diversas festas queridinhas da cidade, como a SexTape.

Fotos (Divulgação)

Mas, na pista principal, por volta das 3:30h – justo quando a pista já vai estar daquele jeito que o diabo gosta -, surge a atração internacional: o DJ GSP. GSP, meu bem, não é GPS. Portanto, nem estranhe a sigla, ela apenas abrevia o nome de George Spiliopoulos, grego com uma respeitável bagagem internacional e residente do XLSior Gay Festival, que movimento o verão  da charmosa cidade de Mykonos, na Grécia. E uma coisa é certa: o cara está animadíssimo para tocar no Rio, e não vale se assustar, caso esbarre com o rapaz pela cidade, pois é grande a lista dos lugares por onde ele pretende turistar neste finde. O assessor da festa, João Felipe Toledo, andou fazendo a fofa e listou os lugares eleitos para o moço dar um rolé básico, sem perder nada de nossas maravilhas. “Carioca tem que fazer a fina e dar a dica pros DJs amigos curtirem e voltarem, não é?”, se diverte João.

* Carioca da gema e produtor de eventos, Bruno Muratori é uma espécie de fênix pronta a se reinventar dia após dia. No meio da década passada, cansou da vida de ator e migrou para a Europa, onde foi estudar jornalismo. Tendo a França como ponto de partida, acabou parando na terra do fado, onde se deslumbrou com a incrível luz de Lisboa e com o paladar dos famosos toucinhos do céu, um vício. Agora, de volta ao Rio, faz a exata ponte entre o pastel de Belém e a manjubinha

Serviço:

JukeBox & R:evolution

Data: 01/11 (Sábado)

Hora: 23h

Local: Armazém da Utopia – Avenida Rodrigues Alves, S/N – Cais do Porto

Line-Up

Eletrônico

Diego Valente – Residente JukeBox

Thierry – Residente Revolution e The Original Brazilian Pool Party

Paulo Pringles – SP

Felipe Lira & Rodolfo Bravat – House Box

GSP – Grécia

Pop

Buba

Tulio Araújo

Ingrid Gründig

Pollyana

Ingressos

Ingresso (Pista)

1º lote: R$40*

2º lote: R$50*

3º lote: R$60*

4º lote: R$70*

Na hora até 0h: R$80*

ÁREA VIP

1º lote: R$70*

2º lote: R$90*

Na hora até 0h: R$120*

O que inclui:

Frontstage e área reservada com caixas, bares, lounge e banheiros exclusivos.

Classificação: 18 anos

Pontos de venda

Draco – Rua Visconde de Pirajá, 111 – Ipanema

RIO G – Rua Teixeira de Melo, 16 – Ipanema

Body Energy – Rua Travessa do Ouvidor, 14 – Centro

Banco de Areia – Rio Sul e Shopping Leblon

South – Nova America e Barra Shopping

Venda Online:  www.ingressocerto.com.br

* Preços referentes à meia entrada, para estudantes, idosos ou mediante a apresentação do flyer.

Mais informações

www.festajukebox.com.br | www.revolutionparty.com.br

www.facebook.com/festajukebox | www.facebook.com/festarevolution

É obrigatória a apresentação de documento original com foto na entrada do evento.

 

 

Pesquisas relacionadas