Gente & Comportamento

#SaiaDaCaixa de Helen Pomposelli com o ator Vandré Silveira: “Somos todos um!”

Interpretando Lázaro na novela Jesus, da Record, Vandré conversou com Helen sobre seu processo de autoconhecimento, desde que era um garoto introspectivo em Minas Gerais até virar um ator potente nos palcos e nas telas

Publicado em 16/01/2019 | Por Junior de Paula

*Por Helen Pomposelli

Ator, diretor, dramaturgo e ex-publicitário, o mineiro e taurino Vandré Silveira, de 37 anos, atualmente tem o grande desafio de interpretar Lázaro, na novela “Jesus” da Record TV, mas sua vida é um trilhar para o autoconhecimento e espiritualidade. “Sou um curioso, uma criança, um explorador e um aventureiro. Acho que quando tomamos consciência do que significa estar vivo, mudamos a forma de nos relacionar com os outros e com a própria vida. Para além da responsabilidade que vem com essa consciência, há uma enorme gratidão e alegria. Somos todos um! E o amor é a força motriz de todo o Universo. Busco sempre iluminar minhas sombras. O caminho do autoconhecimento é eterno e também o grande trabalho do ser humano”, diz. Vandré continua gravando a novela Jesus até final de fevereiro, mas em 2019, tem um projeto de um espetáculo teatral que aborda a questão do animal, sua exploração pelo Homem e a crueldade envolvida nessa relação. “Uma abordagem diferenciada, já que a ideia é dar voz ao animal. Projeto idealizado por mim que se chamará Francisco”.

(Foto: Leo Aversa)

O mineiro é formado em Publicidade e Propaganda na UFMG e no Curso Profissionalizante de Teatro do CEFART (Centro de Formação Artística e Tecnológica da Fundação Clovis Salgado, Palácio das Artes). Também tem MBA em Gestão e Produção Cultural pela FGV (Rio) e desenvolveu projetos de destaque para a dramaturgia – no teatro, no cinema, na TV e na publicidade. Nas telonas, está em cartaz no eixo Rio-SP com o longa-metragem Rio Mumbai (2018), com direção de Pedro Sodré. No teatro, sua última temporada foi no Rio de Janeiro, no Teatro Poeirinha, nos meses de março e abril de 2018, com Fernese de Saudade, que conquistou crítica e público, além de diversos prêmios e trabalhou com grandes diretores, como Cibele Forjaz e Wagner Antonio (O Homem Elefante, 2015). Na TV, atuou em séries como Amor Veríssimo (GNT, 2014, Direção Arthur Fontes) e A segunda vez (Multishow, 2014, Direção César Rodrigues).

(Foto: Leo Aversa)

Segundo Vandré, tudo é fruto de uma infância feliz com contato com a terra, com os animais, e sempre um tempo de contemplação: “Eu era uma criança mais introspectiva, curioso, alegre e muito gentil e educado. Não gostava de fazer as coisas mais comuns que os meninos faziam, como jogar bola. Isso me trouxe uma certa exclusão. Então desde pequeno me via diferente e ao longo dos anos fui aprendendo a lidar com o olhar do outro”. “Acho mágica a possibilidade de transformação do ator que catalisa no outro processos de reflexão e mudança de perspectiva. Um sonho que tenho é um espaço onde possa receber animais que precisam de cuidados, seja por terem sido abandonados ou por terem sofrido maus tratos. Tenho uma forte ligação com os animais”, explica Vandré que tem um gato (Ayin) e um cachorro (Tito) e sonha um dia ser pai.

(Foto: Jorge Bispo)

“Fugi de todos os padrões que eram esperados de mim. Venho de uma família tradicional mineira que é muito amorosa, mas com uma perspectiva construída entre as montanhas. Esperavam que eu fizesse Medicina, o que foi um sonho quando criança. Eu sonhava em ser marinheiro e médico. Queria trabalhar com a cura das pessoas. Mas na adolescência decidi fazer Publicidade e Propaganda e me formei na UFMG. Já estava vislumbrando a hipótese de um caminho artístico. Mas não podia ser tão drástica a mudança. Fui preparando meus pais. Ainda durante a faculdade, eu descobri o teatro. E me apaixonei. Ali encontrei o sentido da minha própria vida. Assim que me formei como ator, me mudei para o Rio de Janeiro. Sozinho e sem conhecer ninguém. Já são quase 13 anos. No Rio me encontrei na imensidão do mar”.

“Meu maior desafio é controlar a vontade de viver tudo muito intensamente. Tenho compreendido a importância de viver o presente, de confiar no Tempo. Tenho praticado Ashtanga Yoga e é uma prática que te coloca no momento presente porque você precisa estar focado na respiração. Um ensinamento maravilhoso. Não adianta prospectar o futuro sem uma boa vivência no presente. “O Tempo é senhor” e tenho confiado nas experiências que estão surgindo na minha vida como um grande aprendizado e evolução”.

Vandré, me diz, e seu conselho “ Saia da Caixa”? “Não seja refém da aprovação, de ser legitimado pelo olhar do outro. Não é uma tarefa simples porque a própria educação que temos quando crianças nos leva a identificar posturas e comportamentos que são bem aceitos e prontamente recompensados. Confie na sua intuição, na sua essência e desconfie desses padrões estéticos, comportamentais e sociais que geram ansiedade, depressão, entre outros males. Confie no seu diferencial. Aquilo que talvez você acredite que não seja tão positivo porque te diferencia do outro é justamente o seu maior potencial e brilho”.

Valeu, Vandré!

Pesquisas relacionadas