Gente & Comportamento

Ortobom comemora 50 anos e presenteia clientes com o ‘Manual do Sono Mamãe & Bebê’, uma revista virtual completa

Celebrando o cinquentenário da marca que investe na qualidade do sono do brasileiro e acredita que o incentivo à cultura pode ajudar a construir uma sociedade mais justa, a revista high tech mergulha profundamente no assunto “sono” e qualidade na hora de repor as energias

Publicado em 28/05/2019 | Por Heloisa Tolipan

Sabe aquele sono gostoso, profundamente relaxante, tão bom que a gente até comenta com a família e os colegas no trabalho no dia seguinte? Pois é, todos nós já tivemos noites assim. E o “Manual do Sono Mamãe & Bebê”, em forma de revista eletrônica, foi criado pela Ortobom visando proporcionar mais experiências como essas a gestantes, mamães e seus filhos. Mas também se trata de um guia para a importância de se dormir (afinal… quando não estamos acordados, o corpo realiza atividades essenciais que sequer imaginamos). Celebrando os 50 anos da marca que investe na qualidade do sono do brasileiro e acredita que o incentivo à cultura pode ajudar a construir uma sociedade mais justa, a revista high tech mergulha profundamente no assunto “sono”. Vem com a gente!

Já no primeiro capítulo, a pergunta mais importante de todas: “O que é e para que serve o sono?”. A resposta, claro, está no Manual (página 4): “Durante o sono profundo, as proteínas são sintetizadas em grande escala. Isso tem o objetivo de manter ou expandir as redes de neurônios ligadas à memória e ao aprendizado. Nesse processo, o cérebro comanda a produção e a liberação de hormônios, como a melatonina e o próprio hormônio do crescimento. (…) Também regula os níveis de outras substâncias responsáveis pela regeneração de células e cicatrização da pele”. Como se vê, o período de sono é muito mais do que um simples momento de descanso.

Uma questão que ainda aflige as mulheres é a sonolência excessiva durante a gravidez, assunto tratado no segundo capítulo (página 5). Segundo o doutor Agnaldo Carlesse, especialista em Medicina do Sono, é preciso saber o que gera essa sensação para ser capaz de aceitá-la melhor e lidar da maneira mais tranquila possível: “A futura mamãe deve dar uma pausa e descansar quando há um pico dessa sensação. Não é necessário parar para dormir, a fim de evitar a perda do sono à noite”, tranquiliza o doutor Carlesse no Manual.

O cansaço e o sono excessivo são características predominantes só no primeiro trimestre. O motivo para isso é a variação nos níveis de hormônios. “O principal deles é a progesterona. Responsável pela manutenção da gravidez no primeiro trimestre, este hormônio responde por vários efeitos colaterais, como cansaço e sono excessivo, que são quase incontroláveis neste período”, observa o médico. A questão é que “(…) o corpo da futura mamãe passa a exigir mais concentração de oxigênio (…), tornando a respiração mais rápida e, consequentemente, gerando mais cansaço”.

Para compreender exatamente o que acontece com o corpo da future maman enquanto ela dorme, há um capítulo dedicado às cinco fases do sono (página 6). A primeira é uma espécie de zona de transição entre estar dormindo e acordado. A segunda é a mais leve e ocupa a metade do tempo total do sono (cerca de 20 minutos, cada ciclo). “A pessoa cruza definitivamente o limite entre estar acordada e dormindo”.

A fase três marca o começo do sono profundo. As ondas cerebrais tornam-se mais amplas e lentas. Na quarta, já nos encontramos em sono profundo. É nesse momento que o corpo libera os hormônios ligados ao crescimento e à recuperação de células e órgãos. Dura cerca de 55 minutos e não mais que 20% da noite. A quinta e última fase, também chamada de Sono REM (Rapid Eyes Movement ou Movimento Rápido dos Olhos) é quando “a atividade cerebral está a pleno vapor e desencadeia o processo de formação dos sonhos. Os músculos ficam paralisados, as frequências cardíaca e respiratória voltam a aumentar e a pressão arterial sobe. É o momento em que o cérebro faz uma espécie de faxina geral na memória. Fixa as informações importantes captadas durante o dia e descarta os dados inúteis”.

Mas nem só de repouso e sonhos é feito o nosso sono. O capítulo denominado “Seu Corpo, um Trabalhador Incansável” (página 7) dedica-se a mostrar que o organismo não para enquanto dormimos. Muito pelo contrário: a atividade é intensa. Entre outras ações fundamentais, o sono permite que nosso corpo libere hormônios (na infância, 90% do hormônio do crescimento é liberado nessa hora), confere imunidade (durante o descanso, o corpo libera as interleucinas, substâncias que ajudam o organismo a se defender de vírus e bactérias) e elimina o estresse do dia a dia.

Pois o corpo, verdadeiro operário criado pela natureza, precisa relaxar para seguir em frente sempre renovado. Qual seria a quantidade de sono necessária para repor a energia gasta ao longo do dia? O Manual tem um capítulo especialmente escrito para esclarecer essa questão. “Não há uma fórmula para definir qual deveria ser a duração adequada de um bom sono noturno. Acreditar que todas as pessoas necessitam da mesma qualidade de sono é tão absurdo quanto crer que cada uma deva ingerir a mesma quantidade de alimentos todos os dias”.

Sobre esse assunto, também é importante ressaltar que tanto a quantidade como a qualidade do sono variam conforme a idade da pessoa. Os bebês dormem até 18 horas por dia nos primeiros seis meses. Já na terceira idade, seis horas costumam ser suficientes para nos relaxar. E veja esta observação que se encontra na página 9: “Aos 65 anos, a proporção de um sono profundo, para ambos os sexos, é a metade de quando se tem 25 anos”. A mudança é radical.

A revista digital indica caminhos para aproveitar melhor o descanso, para relaxar com mais qualidade, como a mamãe e seu bebê merecem. Uma observação importante: engana-se quem acredita que a preparação do sono começa poucos minutos antes de se deitar. “O que você faz ou não faz do amanhecer ao entardecer causa um enorme impacto sobre o seu descanso da noite até a manhã. A melhor maneira de garantir um bom sono noturno é revisar as atividades que você desenvolve muito antes de ir para a cama”. Nas páginas 10, 11 e 12, a leitora encontra dicas e conselhos escolhidos com carinho para dormir melhor e mais relaxada.

E quanto à atividade física durante a gestação? As futuras mamães que já praticam devem parar? As sedentárias podem começar? Sua revista eletrônica tem essas e outras respostas na página 13. “Com acompanhamento médico desde o início e eliminando-se qualquer fator de risco, a futura mamãe pode praticar tranquilamente sua ginástica”, esclarece o  doutor Samir Daher – especialista em Medicina do Esporte e presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte – SBMEE. As gestantes que nunca fizeram ginásticas podem – e devem – começar um programa de exercícios físicos. “Pode ir à academia, caminhar e realizar qualquer outra atividade que lhe gere prazer e bem-estar”. No entanto, é preciso ficar atenta ao que diz o médico: “Gestantes que não praticavam ginástica antes de engravidar devem planejar muito bem o seu treino. Não é hora de se preparar para correr a São Silvestre, muito menos para ser atleta olímpica!”.

Um manual sobre o sono de mãe e filho completo inclui um capítulo sobre alimentação. Pois o “Manual do Sono Mamãe & Bebê” traz dicas e informações sobre o assunto na página 14 dadas por Bruna Souza Albuquerque, nutricionista especializada em nutrição materno-infantil (Clínica Patrícia Davidson). Basicamente, trata de elementos que não podem, de forma alguma, faltar na alimentação das mulheres grávidas, como ácido fólico (presente nas carnes, nas folhas verdes escuras, no ovo etc), iodo (encontrado em frutos do mar, vagem, agrião etc) e magnésio (no abacate, no espinafre e na couve, entre outros alimentos).

E os bebês? Alimentados e bem fofos, é hora de cuidar da qualidade do sono deles. Recém-nascidos costumam dormir o tempo todo, em qualquer lugar. São umas gracinhas, mas isso não é, necessariamente, o mais indicado para a criança. Nas “Dicas para o Seu Bebê Dormir Tranquilo” (página 16), conselhos simples, mas utilíssimos dão a chave para manter o neném calmo e relaxado enquanto dorme. O principal deles: tenha paciência. “Ensinar ao seu filho bons hábitos de sono não acontece da noite para o dia. Faça sempre as mesmas coisas antes de dormir e o seu filho acabará aprendendo a seguir o plano”.

Os bebês aprendem a dormir assim como as mamães. “A melhor maneira de dormir é aquela que permite o relaxamento total dos músculos, principalmente das musculaturas das costas, das regiões lombar, dorsal e cervical, as quais, durante todo o dia, não têm descanso”. Esse relaxamento, porém, deve ser obtido da maneira correta, e o Manual mostra, através de ilustrações, as posições recomendáveis para se dormir de lado, de barriga para cima e de bruços.

No entanto, aquele sono gostoso, reparador, que dá prazer só será completo mesmo com seus acessórios principais: colchão, travesseiro e roupa de cama (a partir da página 62). Há detalhes fundamentais sobre o colchão que devem ser bem estudados na hora de comprar. “O colchão é determinante na qualidade do seu sono. Se ele não estiver de acordo com o seu biotipo ou estiver danificado por tempo de uso ou má qualidade, mesmo que você tenha todas as condições para dormir bem, não dormirá”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

É preciso lembrar, porém, que alguns problemas surgem como reação às agressões que impomos ao nosso ritmo biológico natural. No Manual, mães e futuras mães se informam sobre os problemas com o relógio biológico (página 67) e sobre os principais distúrbios do sono (ronco, apneia, insônia, narcolepsia, bruxismo, parassonias e movimentos periódicos das pernas). A insônia merece capítulo à parte (página 72). É classificada em três categorias: transitória, de curto prazo e de longo prazo. A boa notícia é que as três categorias são tratáveis e curáveis.

Tão importante quanto o colchão, o travesseiro exige a mesma atenção na hora da compra. Na página 76 encontram-se orientações sobre a postura e a colocação correta dos travesseiros. “O modelo, a altura, a densidade e o material do travesseiro variam de acordo com cada um. O mais importante é manter a coluna alinhada”. A dica na hora de comprar é experimentar. Nada de apenas apalpar: deite-se e verifique se seu futuro travesseiro tem a espessura correta. Ele “precisa preencher o espaço entre ombro e cabeça, para não forçar a cervical”.

Mas o Manual não dá dicas apenas sobre o que comprar: também ensina como comprar. Na página 77, você encontra sugestões importantes para adquirir seu colchão. Afinal, é lá que passamos um terço de nossas vidas. Um dos conselhos mais importantes é testar o colchão. “Você deve optar pelo colchão após experimentá-lo na loja: teste em todas as posições de uso. É fundamental experimentar mais de um tipo para poder estabelecer um referencial. Tente se imaginar usando-o todos os dias e, após isso, decida”.

Atualmente, a Ortobom tem 12 fábricas no país, que produzem mais de 200 produtos diferenciados e fabricam seis milhões de colchões por ano. Premiada mais de 90 vezes, atua no Uruguai, no Paraguai e na Bolívia. O “Manual do Sono Mamãe & Bebê” surgiu para acabar com as dúvidas das mães em relação ao período de sono. Ele traz dicas simples e fáceis de serem seguidas para aproveitar com mais qualidade essa fase tão bonita da vida. Um momento que merece ser experimentado com serenidade. Um momento que a Ortobom quer dividir com você.

SERVIÇO

Para você adquirir o “Manual do Sono Mamãe & Bebê” basta entrar no site da Ortobom e fazer o download gratuito: www.ortobom.com.br

 

 

 

Pesquisas relacionadas