Gente & Comportamento

Morre Serguei, aos 85 anos, uma lenda do rock

O músico estava internado há duas semana no Centro de Terapia Intensiva (CTI) do Hospital Zilda Arns, em Volta Redonda

Publicado em 07/06/2019 | Por Heloisa Tolipan

Serguei protestando na Capital Federal, Brasília, novembro de 2015 (Foto: Reprodução Facebook)

O rock está de luto! Morreu na manhã desta sexta-feira (dia 7) o cantor Serguei (1933-2019) que estava internado há duas semanas no Centro de Terapia Intensiva (CTI), do Hospital Zilda Arns, em Volta Redonda (RJ). O roqueiro, batizado como Sérgio Augusto Bustamante, foi um dos maiores símbolos do rock no Brasil, e estava internado desde o dia 6 de maio com um quadro de desidratação, desnutrição e infecção urinária. Segundo os médicos, ele sofria de Alzheimer.

O cantor era filho único de um executivo, Domingos Bustamante, e da dona de casa Heloísa Bustamante. Aos 12 anos foi morar com a avó materna, Lia Anderson, em Long Island, Nova York, onde participou de festivais estudantis. Na infância, ele teve um amigo russo que lhe chamava de “Sergei” (em russo: Сергей , variação de “Sérgio”), porque tinha dificuldade em pronunciar seu nome corretamente, por isso o apelido ficou.

De volta ao Brasil, em 1955, trabalhou no Banco Boavista (onde foi demitido), e depois como comissário de bordo na Loyd Aéreo, Cruzeiro do Sul, Panair (demitido após derrubar uma bebida em Gina Lollobrigida) e Varig, sendo também demitido após uma bebedeira em Madri. Retornou definitivamente ao Brasil, em 1972, indo morar em Saquarema (RJ). Foi quando começou a ficar famosa a história de que ele havia tido um affair com a cantora Janis Joplin.

O cantor Serguei e a cantora americana Janis Joplin, em Long Island (Foto: Reprodução Facebook)

O roqueiro, que estremecia o twitter com frases apimentadas, começou a carreira em 1966 e era conhecido por fazer versões de clássicos do estilo, sempre com performance exagerada e visual típico dos fãs de rock dos anos 60, 70 e 80. Voltou aos Estados Unidos onde começou sua carreira musical. Em 1967 é retratado pela revista Intervalo (sendo chamado de o “cantor alucinado”) em plena Avenida Rio Branco (Rio de Janeiro) onde realiza um protesto hippie e desfila com um cartaz em que se lia: Abaixo o convencionalismo! Viva a alegria, viva a vida!!! Proclamo a autenticidade e o direito de ser jovem e feliz! Chega de guerra, chega de tristeza, chega de medo. A era nova chegou! Viva o Rio! Viva os “Beatles”! Lanço meu grito de vida e meu protesto jovem. Sergei, trecho da matéria da Revista Intervalo, de 1967.

Serguei no palco com a banda Pandemoniumem, em 2013 (Foto: Reprodução Facebook)

O cantor que tinha Viviane Westwood como ícone, afinal ele era fã dos Sex Pistols, foi adepto do estilo underground e do heroin chic (um conceito popularizada em meados dos anos 90 e caracterizada por pele pálida, olheiras sob os olhos, corpo muito magro, batom vermelho escuro e estrutura óssea angula). Usava roupas rasgadas, maquiagem, vários acessórios, camisas pretas e cabelos longos. Serguei se apresentou em quatro edições do Rock in Rio (1991, 2001, 2011 e 2013) e teve a casa em Saquarema transformada em um museu do rock. Entre seus feitos no palco, abriu a segunda edição do Rock in Rio, no Maracanã. Em 2001, voltou ao festival e cantou ‘Satisfaction’, dos Rolling Stones quando usou uma calça de lycra e ao fim da apresentação arrancou a roupa e se jogou na multidão.

Serguei e a banda Pandemonium que o acompanhava desde 2008 (Foto: Reprodução Facebook)

Em 2011, o canal fechado, Multishow produziu o programa ‘Serguei Rock Show’, que contou com 10 episódios a vida do astro que contou com as participações de Rogério Skylab e Zéu Brito. Considerado o roqueiro mais antigo do Brasil, Serguei fazia shows ao lado de sua atual banda, a Pandemonium, que o acompanhou desde 2008. Foi considerado cantor oficial do motoclube internacional, Hells Angels.

O cantor também foi destaque do carnaval do Rio pela Mocidade Independente de Padre Miguel, em 2013, quando a escola desfilou na Marquês de Sapucaí um enredo dedicado ao festival. Ele saiu na comissão de frente com uma inusitada fantasia com a frase ‘Eu comi a Janis Joplin’. No mesmo ano sentindo fortes dores pelo corpo e foi internado no hospital Nossa Senhora Nazareth, na cidade de Saquarema, no Estado do Rio de Janeiro. Voltou para casa após alguns dias, mas duas semanas depois retornou, passando mais dois dias internado. Ao ser liberado novamente, declarou estar tomando remédios e querer voltar a fazer shows, pois já se sentia bem.

Serguei e a banda Pandemonium antes de entrar no palco num show em Brasília, em 2015

Em maio de 2019, novamente foi internado no mesmo hospital para tratar de um forte quadro de desidratação, desnutrição e pneumonia; também apresenta um quadro inicial do Mal de Alzheimer, mas mesmo assim reconheceu seus amigos no leito hospitalar, onde respondia bem ao tratamento. Na manhã do dia 7 de junho de 2019, faleceu após a internação. Uma verdadeira lenda do rock brasileiro.

Pesquisas relacionadas