Gente & Comportamento

Exclusivo! Maria Fernanda Cândido viverá mulher excêntrica em “Dois Irmãos”, estreia programa na TV Cultura e volta às novelas em “A Força do Querer”

Depois de um tempo afastada das novelas para criar os filhos, ela volta com uma personagem polêmica na trama escrita por Glória Perez: "Eu estou morrendo de saudades de fazer novelas, mas em 2017 eu volto. O interessante é que minha personagem passa por conflitos internos por ter uma filha transexual"

Publicado em 20/12/2016 | Por Leonardo Rocha

Ícone de beleza desde o início dos anos 2000, Maria Fernanda Cândido prova que o tempo tem conspirado a seu favor. A atriz, que ganhou destaque nacional como a provocante Paola, de “Terra Nostra”, vem colecionando papéis de mulheres fortes e que pautam suas vidas através da liberdade. E, de certa forma, a máxima que reforça a tese de que a arte imita a vida, talvez, seja bem aplicada à ela, já que a curitibana, radicada em São Paulo, sabe bem aonde quer chegar. Tanto que nos últimos oito anos, a artista esteve envolvida em trabalhos mais curtos para se dedicar mais à criação dos dois filhos, fruto do casamento com o empresário francês Petrit Spahija. No entanto, agora com os meninos criados, Maria Fernanda está pronta para voltar com tudo para as novelas. Projetos é o que não faltam! “Fazer escolhas é muito importante para mim. Quando entro em um trabalho, entro de corpo e alma. Ele passa a ser praticamente a totalidade da minha vida, da minha existência”, declarou ela, em uma entrevista exclusiva ao HT.

Maria Fernanda Cândido está cheia de planos para 2017 (Foto: Divulgação)

Maria Fernanda Cândido está cheia de planos para 2017 (Foto: AgNews)

A volta para o trabalho na televisão já está acertada, e, acreditem, em dose tripla. A minissérie “Dois Irmãos”, com estreia prevista para o dia 9 de janeiro, na Rede Globo, é prova disso. Dirigida por Luiz Fernando Carvalho e adaptada por Maria Camargo, a trama baseada na obra do escritor amazonense Milton Hatoum trará uma Maria Fernanda um pouco diferente daquela que o público está acostumado a assistir. “Minha personagem, Estelita Barroso, é excêntrica, vive em um mundo paralelo. É um papel muito diferente de tudo o que já fiz durante a minha carreira”, adiantou ela que aparecerá com algumas modificações estéticas. “Para a composição corporal tive que usar uma prótese enorme no nariz. Vai ser bem divertido ver esse resultado pronto”, disse.

Apaixonada por produções de época, a atriz embarca diretamente para uma Manaus de 1920, com uma identidade cultural tão difusa quanto a nuvem de idiomas que pairava sobre o porto da capital amazonense. Entre o vaivém de imigrantes que dominavam o espaço naquela época, um drama familiar estrelado por Cauã Reymond, será o epicentro dessa produção. “Adoro o Milton e sempre fui apaixonada pelo livro ‘Dois Irmãos’. Quando o Luiz Fernando me convidou, obviamente, eu fiquei muito feliz e aceitei imediatamente. Todos nós que estamos envolvidos nesse projeto temos um sentimento muito claro de que a gente foi agraciado e presenteado com essa série. A gente virou uma grande família, as cenas são belíssimas e eu tenho a sensação de que o público vai gostar muito desse trabalho. A gente está aguardado ansiosamente para assistir”, comemorou.

Juliana Paes, Cauã Reymond e Maria Fernanda Cândido (Foto: AgNews)

Juliana Paes, Cauã Reymond e Maria Fernanda Cândido (Foto: AgNews)

Protagonizando séries de sucesso nos últimos anos na Globo, ela confessou ainda que esteve mais envolvida com projetos de curto prazo para se dedicar à criação de Tomás, de 10 anos, e Nicolas, de 8 anos. “Eu fiz muita minissérie, praticamente uma atrás da outra nesses últimos oito anos. Como as crianças eram pequenas eu não tinha como resolver essa logística”, disse ela. No entanto, agora com os meninos um pouco maiores, ela está pronta para retornar às novelas da Globo com um personagem polêmico, na trama “A Força do Querer”, de Glória Perez. “Eu estou morrendo de saudades de fazer novelas, mas em 2017 eu volto. Minha personagem será a Joice, uma mulher urbana, moradora do Rio, casada com o personagem do Dan Stulbach e leva uma vida legal. O interessante é que ela passa por conflitos internos por ter uma filha transexual”, adiantou ela, que não teme as críticas do público sobre a personagem. “Estou preparadíssima”, constatou.

Atriz também investe como apresentadora (Foto: Divulgação)

Atriz também investe como apresentadora (Foto: Divulgação)

Nascida no Paraná, Maria Fernanda se disse apaixonada por São Paulo, onde vive há 30 anos. Apesar das gravações do folhetim acontecerem no Rio, ela descartou uma possível mudança para a cidade carioca. “Estudei, fiz faculdade e tive filhos aqui. Eu amo São Paulo. Tenho uma relação sólida com a cidade. Vou ficar na ponte aérea. Não tem como eu me mudar para o Rio. Eles têm escola, as atividades lá e meu marido o emprego. A ponte aérea vai virar minha casa”, advertiu ela. Agora, toda essa paixão pela capital paulistana acabou se tornando um bom motivo para Maria Fernanda Cândido experimentar novas linguagens na televisão. Tanto que recentemente, ela foi convidada para apresentar do programa “Cine Rooftop”, do Paramount Chanel, gravado na cobertura do prédio do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP). “O paulistano tem um apetite cultural muito grande. O programa discute comportamentos através do cinema. A gente usa filmes para recortar temas do mundo contemporâneo. Foi uma experiência bastante interessante para mim”, destacou ela.

E, parece que ficou um gostinho de quero mais. Tanto que no ano que vem, acreditem, ela ainda estará à frente de outro programa, desta vez na TV Cultura. Trata-se do “Terra Dois”, no qual a atriz e apresentadora irá comandar ao lado do psicanalista Jorge Forbes, com a proposta de discutir temas bem diferentes a cada edição do programa. “Como fiz a concepção do formato do programa, estou imersa nele desde 2015. É um programa que vai falar desse mundo novo que se apresenta para gente, com o qual estamos aprendendo a lidar. Hoje temos novas relações de afetos e de profissões. Temos um mundo de uma manipulação genética incrível que apresenta e mundo o virtual, que talvez a gente nem possa mais considerá-lo dessa forma de tão real e concreto que ele se tornou. Temos esses temas discutidos em cada episodio”, adiantou. Mais do que um debate, a atração também tratá o lado dramatúrgico de Maria Fernanda em oito episódios já gravados. “Trouxe um pouco de teatro também. Usaremos a ficção para explicar as situações abordadas. Eu estou adorando”, completou.

Pesquisas relacionadas