Gente & Comportamento

Dr. Alessandro Martins tira dúvidas sobre cirurgia íntima masculina

"Nesse assunto, é importante separarmos bem o que são mitos e o que são técnicas seguras e aprovadas para o tratamento dessa região do corpo masculino", afirma o cirurgião plástico. Vem ler!

Publicado em 02/04/2019 | Por Heloisa Tolipan

*Por Dr. Alessandro Martins

A cirurgia íntima feminina já é bastante divulgada entre as especialidades de cirurgiões plásticos e ginecologistas quando se trata de melhorar a estética da genitália feminina. No entanto, quando se trata de genitália masculina o assunto é menos debatido. Talvez até por conta de critérios sociais que ainda envolvem a predisposição de eles relatarem alguma queixa sobre essa parte do corpo. Nesse assunto, é importante separarmos bem o que são mitos e o que são técnicas seguras e aprovadas para o tratamento dessa região do corpo masculino.

Uma das principais queixas dos homens é sobre o tamanho do pênis. Entretanto, o tamanho é algo que não pode ser mudado. Não existe técnica para aumentar ou alongar o pênis. Trata-se de um mito. Não existem cirurgias capazes de chegar a esse resultado. O que conseguimos, com certas técnicas, é aumentar a exposição do corpo do pênis.

Por exemplo, quando a região do púbis é muito espessa por conta de depósitos de gordura em pacientes que estão com sobrepeso ou por conformação genética – pacientes magros também podem ter gordura na região pubiana –, o corpo do pênis fica escondido. Uma parte da exteriorização do pênis que completaria o seu comprimento acaba ficando embutida nessa bolsa de gordura do púbis.

Uma das técnicas é a lipoaspiração da região pubiana. Esta operação faz com que com o púbis mais magro, o paciente tenha maior exteriorização do corpo do pênis. Dessa forma, além de a aparência da genitália ficar esteticamente mais agradável, conseguimos também aumentar a exposição do órgão. Isso dá a entender que houve um alongamento, porque expõe uma parte do pênis que, na verdade, já existia, mas estava embutida na gordura da região do púbis.

Outro caso é o de pacientes que passam por uma grande perda de peso. A região do púbis fica flácida, com sobra de pele. Caída sobre o pênis esconde seu corpo. Nesses pacientes, o lifting, ou seja, a retirada de pele dessa região, faz não só com que a exposição aumente, como melhora a visualização, porque conseguimos trazê-lo um pouco mais para cima. Com isso, aquela pele que esconderia o corpo do pênis e dificultaria sua visão (e até sua higiene) deixa de existir.

Essas seriam as duas técnicas realmente seguras e aprovadas dentro da cirurgia plástica. Elas podem trazer uma maior exteriorização do pênis, melhorando não só a estética, mas dando a impressão de algum aumento em seu comprimento.

Dr. Alessandro Martins (Foto: Márcio Farias)

Dr. Alessandro Martins (Foto: Márcio Farias)

Outra região da genitália que, com o tempo e até com o emagrecimento, adquire uma característica não estética é a bolsa escrotal. Uma bolsa escrotal muito flácida, muito longa, torna a estética do pênis não muito agradável. É possível encurtá-la através da retirada de pele. Com isso, além de ganhar um aspecto mais agradável, a bolsa fica com aparência mais jovial. (Uma vez que, com o tempo, ela vai ficando flácida e longa.) Isso altera não só a estética da genitália como a alteração da proporção pênis x bolsa escrotal, dando a impressão de que a bolsa é maior que o pênis.

Técnicas que não são bem vistas, pelo risco de complicações, são os preenchimentos penianos com preenchedores como ácido hialurônico e gordura, que já foram tentados. Se esses produtos invadirem o corpo cavernoso do pênis, podem levar à impotência. Então essas técnicas não devem ser usada.

Outro mito em relação ao alongamento são as próteses penianas. Não se pode colocar uma prótese maior que a extensão do pênis. Ela tem que estar de acordo com a extensão do órgão. Se for colocada uma prótese maior que o comprimento que o pênis consegue comportar, ela vai acabar sendo expulsa do corpo porque não haverá espaço suficiente para ficar. Então a ideia de uma prótese maior que o pênis seja uma forma de se corrigir um órgão pequeno não é um pensamento correto.

Essas possibilidades de melhora da estética da genitália masculina são um mercado relativamente novo. O homem, no decorrer dos anos, vem perdendo a vergonha de procurar ajuda médica para resolver esse tipo de questão. Ainda temos poucas possibilidades, principalmente em alongamento e aumento da espessura de pênis. Mas, com as técnicas que comentei, temos formas seguras de melhorar a estética peniana e trazer mais autoestima para o homem.

Contato: Dr. Alessandro Martins

Facebook: clique aqui 
Instagram: @dr.alessandromartins

Pesquisas relacionadas