Gente & Comportamento

Dr. Alessandro Martins tira as dúvidas dos leitores do site HT sobre lipoaspiração: “o mais importante é que você procure um médico que seja membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica”

Dr. Alessandro Martins, um dos nomes mais importantes da cirurgia plástica carioca, destaca alguns tipos de lipoaspiração, tipos de pacientes indicados para fazer essa cirurgia, novas tecnologias e a importância da segurança para se ter um resultado harmonioso

Publicado em 01/05/2018 | Por Junior de Paula

*Por Dr. Alessandro Martins

A ideia de barriga negativa, quadris largos, coxas grossas e glúteos projetados é um padrão bastante procurado pelo brasileiro, mas o importante quando se trata de cirurgia para a melhora do contorno corporal é se compreender que da mesma forma – como todos os tipos de cirurgia plástica –  cada pessoa tem uma estrutura corporal, e isso não pode ser alterado e que não deve ser modificada pela cirurgia plástica. É importante respeitar o biotipo de cada um e suas diferenças corporais para se obter uma harmonia corporal, como contei na minha coluna específica sobre contorno corporal há 15 dias. Dando prosseguimento ao tema, destaco alguns tipos de lipoaspiração, tipos de pacientes indicados para fazer essa cirurgia, novas tecnologias e a importância da segurança para se ter um resultado harmonioso. Lembrando que a lipoaspiração é indicada para pacientes com pouca flacidez cutânea, com gordura localizada e que estão dentro da faixa de peso considerada normal.

Leia também: Entre bisturis e consultas, o cirurgião plástico Alessandro Martins se destaca pela sensibilidade com os pacientes e cuidado com a carreira acadêmica: “O nosso ofício é tratar de pessoas como um todo”

HT: Qual a diferença entre lipoaspiração e hidrolipo?

AM: A hidrolipo foi um termo criado para uma lipoaspiração em que o médico infiltra soro fisiológico, solução anestésica e adrenalina, diminuindo com isso o sangramento e ajudando na analgesia. Porém, esse termo foi utilizado de forma equivocada para se realizar lipoaspirações em consultórios, fato esse que não é permitido. Essa cirurgia deverá ser sempre realizada em ambiente hospital, de preferência em um hospital geral com condições de suporte para esse paciente, que são: suporte de terapia intensiva, banco de sangue e laboratório próprio, para que qualquer intercorrência esse paciente seja prontamente atendido. Entretanto, a maioria das lipoaspirações realizadas em ambiente hospitalar utilizam essa técnica úmida em que se infiltra o soro fisiológico com a adrenalina e o anestésico local que é a xilocaína. A ideia dessa forma de lipoaspiração é que você diminua a perda de sangue (o soro fisiológico com a adrenalina faz com que os vasos sanguíneos fiquem contraídos, resultando em menos vasos rompidos durante a lipoaspiração, diminuição do sangramento e proporcionando uma recuperação mais rápida para o paciente). Além disso, a presença do anestésico local dentro dessa solução que é infiltrada, injetada dentro da gordura do paciente antes de começar a lipoaspiração, diminui a dor do pós-operatório fazendo com que o paciente tenha uma recuperação mais agradável.

HT: Conta um pouco sobre as novas tecnologias introduzidas no universo da lipoaspiração

AM: Muitas tecnologias foram criadas e associadas à lipoaspiração, entre elas a associação do ultrassom e do laser. Existem materiais de lipoaspiração que possuem essa tecnologia. A função não é aspirar a gordura com essa técnica.  O ultrassom e o laser conseguem dissolver a gordura antes de começar a lipoaspiração. Dessa forma, se consegue fazer a cirurgia com maior facilidade, tirando uma maior quantidade de gordura e de forma segura. O laser tem um benefício a mais porque ele pode produzir um grau de contração de pele, ou seja, diminuir a flacidez de pele que poderá vir a aparecer após uma lipoaspiração.

Vibrolipo– cânula de lipoaspiração que vibra enquanto o cirurgião está fazendo a cirurgia. Ele não tem a função de dissolver a gordura que nem as outras tecnologias citadas, mas facilita o trabalho do cirurgião durante o ato da lipoaspiração.

Lipoaspiração 3D – É quando o cirurgião utiliza as áreas que ficam de gordura sobre os músculos do abdome (músculo denominado de reto abdominal), e simula aqueles “gominhos” que podem ter no abdome do paciente que pratica muita atividade física. Com isso é feito uma definição muscular mas que é feita de gordura e não de músculo, dando uma aparência de que aquele abdome foi trabalhado na academia. Entretanto, essa lipoaspiração também tem indicações restritas. Deve ser feita em pacientes com pouco subcutâneo, com pouca camada de gordura e não pode ter nenhum grau de flacidez, se não esses “gominhos” que foram feitos não ficarão bem definidos. Porém, a lipoaspiração de forma alguma produz definição muscular real, ela simplesmente, quando não é a lipo 3D, por diminuir a espessura da camada de gordura, permite uma melhor visualização da musculatura do paciente. Não se pode prometer a um paciente que uma lipoaspiração vai lhe dar definição muscular, pois essa só se consegue através de exercícios físicos frequentes, de uma boa alimentação e de hábitos saudáveis.

Há várias outras cirurgias. Por exemplo a abdominoplastia (abordamos esse tema na coluna passada) pode ser associada a lipoaspiração, que é a lipoabdominoplastia. A gordura do abdome é lipoaspirada e posteriormente retirado o excesso de pele tratando associada a diminuição da camada de gordura a flacidez daquele abdome, comumente em mulheres que já tiveram filhos ou perda de peso ou em homens que também emagreceram.

Leia também: Focado em exaltar o lado humano da cirurgia plástica, dr. Gabriel Basílio é focado em operação craniofacial e acredita na experiência da profissão: “Uma carreira precisa ser construída”

Dr Alessandro Martins (Foto: Sergio Baia)

HT: Além do abdome, quais as outras áreas do corpo que podem ser candidatas a uma lipoaspiração?

AM: Costas, flancos, a face interna dos braços, os culotes, a face interna das coxas, a região próxima dos joelhos e o pescoço (papinho de gordura).

HT: Que tipo de paciente é indicado para fazer uma lipoaspiração?

AM: O principal para uma boa lipoaspiração é a escolha do paciente. Ele deverá ser bem preparado, com exames pré operatórios e riscos cirúrgicos deverão ser realizados, pesquisando qualquer tipo de patologia. O paciente que vai ser submetido a uma lipoaspiração tem que ser saudável, não pode ter nenhum tipo de anemia e não pode estar em vigência de um quadro infeccioso, para que não se tenha complicações tanto no intra operatório quanto no seu pós operatório. A cirurgia de lipoaspiração é indicada tanto para homens quanto para mulheres (desde que já tenham atingido a maioridade) com excelentes resultados.

HT: A área lipoaspirada vai novamente engordar?

AM: Acredita-se, de forma leiga, que o paciente que fez uma lipoaspiração nunca mais vai engordar naquela região. Isso não é verdade! Como a lipoaspiração tira a gordura, ela diminui o número de células de gordura, porém, você tem que preservar uma quantidade de células de gordura naquele tecido. Em média, uma espessura de gordura de 1 a meio centímetro deve ser mantida, porque a gordura ajuda a nutrir de sangue a pele, e além disso, uma lipoaspiração bonita, sem estigmas, é aquela em que a pele com essa camadinha de gordura reveste a parede muscular, dando dessa forma uma imagem natural.

Leia também: Na cirurgia plástica, dr. Alessandro Martins e dr. Gabriel Basílio apontam crescimento da procura pelos homens, novas tecnologias para a pele negra e perfis dos pacientes de hoje

HT: O que o sr considera como resultados não satisfatórios numa cirurgia de lipoaspiração?

AM: Alguns estigmas da lipoaspiração e que são muito percebidos, as vezes na praia ou com incidência de luz forte, que são irregularidades, nódulos, estão relacionados ou a uma lipoaspiração muito superficial em que se tirou muitas gordura, ou uma lipoaspiração que foi feita em um paciente que tem muita flacidez de pele, dando dessa forma uma imagem desfavorável. A lipoaspiração é uma cirurgia segura e que tem excelentes resultados dentro do grupo de cirurgias de contorno corporal. É associada a outras cirurgias para melhorar o resultado, desde que todas as regras sejam respeitadas. Dessa forma, o paciente sai ganhando e o cirurgião mantém uma técnica antiga, mas que vem evoluindo com o passar dos anos com novas tecnologias, melhorando seus resultados e principalmente, com melhores condições intra operatórias, pós operatórias e com boa recuperação.

HT: Quais os cuidados que se deve tomar após uma lipoaspiração?

AM: Drenagem linfática pós operatória, o uso de cinta elástica de contenção e o uso de placas de contenção. É necessário explicar que a cinta e a placa não tem por função modelar o corpo como se pensa e, sim, ajudar a colar aquele tecido que foi lipoaspirado durante a cirurgia, pois ele fica totalmente descolado, desconectado da musculatura. Essa compressão ajuda a pele e a gordura a cicatrizarem coladas novamente no músculo, evitando a formação de coleções líquidas que conhecemos como “seroma”. O seroma é uma coleção de líquido que se forma entre o músculo, a pele e a gordura. Porque esse espaço ficou ali, vazio, e nem um espaço no corpo fica vazio. Todo o espaço é preenchido por líquido. A função da cinta e placa é permitir uma compressão homogênea da pele . A placa deve ser colocada sobre a pele e abaixo da cinta. Dessa forma esse espaço que chamamos de “espaço morto”, fica mais difícil de existir e favorece a adesão da pele e da gordura ao músculo agilizando a cicatrização proporcionando melhores resultados a cirurgia.

Se você é um paciente que está dentro dos critérios que já foram mencionados aqui, você é um bom candidato a fazer uma lipoaspiração. Mas o mais importante é que você procure um cirurgião plástico formado e que seja membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Até a próxima!

Contato: dr. Alessandro Martins

Facebook: clique aqui 
Instagram: @dr.alessandromartins

Pesquisas relacionadas

, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,