Gente & Comportamento

Blood Mary ao quadrado! Vampiras lésbicas, de Sodoma a Las Vegas, no teatro musical de Jonas Klabin

Marya Bravo e Thiago Chagas dão vida a duas amantes milenares sugadoras de sangue na peça escrita por Charles Busch

Publicado em 14/12/2013 | Por Alexandre Schnabl

* Por Junior de Paula

Uma porção de talento, um copo cheio de humor politicamente incorreto, uma pitada de musical com canções traduzidas ao português do cabaré alemão da antiga República de Weimar, duas vampiras lésbicas que se conhecem desde que uma delas mordeu a outra quando ainda era só uma jovem de 14 anos oferecida em sacrifício em Sodoma,  e que se cruzam pelo resto das vidas (ou mortes?) se odiando e se amando. Coloca aí um pouco de sátira ao showbiz a partir de cenas que se passam na Hollywood dos anos 1920 e na Las Vegas dos anos 1980, um tanto de piada com ícones pop e muita, mas muita diversão e nonsense.

O resultado? “Vamipras Lésbicas de Sodoma”, peça escrita por Charles Busch, sucesso por anos no off-Broadway  e que, enfim, chega aos palcos brasileiros pelas mãos do talentoso e pouco convencional Jonas Klabin. Para quem não se lembra, foi ele o responsável por sucessos que injetaram frescor nos palcos da cidade, como “Hedwig”, “As Mulheres de Grey Gardens” e “Mistério na Mansão”, entre outras.

As duas vampiras são interpretadas por uma inspirada e afinadíssima Marya Bravo, a responsável pela maioria dos ótimos números musicais, e Thiago Chagas, que se mostra muito à vontade no palco, mesmo com muitas perucas, saltos altíssimos e adereços, e é responsável por alguns dos melhores momentos do espetáculo. O elenco, que ainda conta com André Vieira, Thadeu Matos, Thuany Parente, Davi Guilherme e Thiago Páschoa, todos ótimos  e no tom certo que a peça pede, se dividindo em inúmeros personagens para contar esta história que promove uma verdadeira catarse pelo riso sem resvalar para a apelação ou lugar comum.

Fotos: divulgação

Destaque também para os figurinos maravilhosos de Marta Reis e as versões musicais feitas por Jonas e muito bem executadas pelo pianista – uma atração à parte em cena – Davi Guilherme. Só um detalhe: a versão “A Balada da Dependência Sexual”, originalmente de Brecht e Kurt Weill, leva a assinatura deluxe de Claudio Botelho.

Um espetáculo proibido para menores, mas altamente recomendado para adultos apaixonados por uma boa e inteligente sátira aos tempos modernos.

Serviço
“Vampiras Lésbicas de Sodoma”
Quando: Temporada de 27 de novembro a 19 de dezembro de 2013, quartas e quintas, às 20h30. Em 2014, de 8 de janeiro a 26 de fevereiro, às quartas, às 20h30. A casa abre uma hora antes do início do espetáculo
Onde: Teatro Café Pequeno, Av. Ataulfo de Paiva, 269 – Leblon
Quanto: R$30 (inteira) e R$ 15 (meia)
Ponto de vendas:
– Internet: www.compreingressos.com
– Bilheteria da casa: de quarta a domingo das 16h até as 20h30
Duração: 70 minutos
Classificação: não recomendado para menores de 18 anos
Capacidade: 80 lugares
Mais informações: (21) 2294.4480

* Junior de Paula é jornalista, trabalhou com alguns dos maiores nomes do jornalismo de moda e cultura do Brasil, como Joyce Pascowitch e Erika Palomino, e foi editor da coluna de Heloisa Tolipan, no Jornal do Brasil. Apaixonado por viagens, é dono do site Viajante Aleatório, e, mais recentemente, vem se dedicando à dramaturgia teatral e à literatura.

Pesquisas relacionadas