Gente & Comportamento

“As pessoas só passaram a me ver como humorista depois que eu trabalhei com homens”, afirma Gkay

A humorista e influenciadora digital, que saiu da Paraíba para conquistar todo o Brasil, falou sobre o preconceito sofrido por ser mulher, carreira e futuros projetos

Publicado em 10/04/2019 | Por Iron Ferreira

Nacionalmente conhecida como Gkay, Gessica Kayane tornou-se famosa em 2015 quando começou a fazer vídeos de humor para o YouTube. Nascida no estado da Paraíba, mais precisamente no município de Solânea, a influenciadora digital de 26 anos vem conquistando cada vez mais público e admiradores. Amanhã, ela irá estrear o programa “Os Roni” ao lado de Tirullipa, Whindersson Nunes e Carlinhos Maia, no canal Multishow. “Eu sinto que ainda há muito preconceito com a mulher dentro do humor. As pessoas só passaram a me ver como humorista depois que eu trabalhei com homens. Antes, me viam como blogueira. Já ouvi muita coisa chata durante esses anos de estrada. É uma barreira para ser quebrada. Meu objetivo é mostrar que as mulheres podem sim fazer humor e serem engraçadas”, comenta Gkay sobre o machismo no meio artístico.

Gessica Kayane acumula mais de 900 mil seguidores no YouTube e mais de quatro milhões no Instagram (Foto: Bernardo Leite)

Sobre o programa, a comediante revela estar inquieta pelo lançamento e reafirma o prazer de trabalhar com os colegas de profissão: “Estou muito feliz e ansiosa. Eu nunca tinha atuado antes, acabei caindo de paraquedas no projeto dos meus amigos. Adoro todos eles. Está sendo muito divertido. É um programa feito com muito carinho e cuidado, tenho certeza de que as pessoas irão gostar”.

Gessica revela que não esperava que o canal, com mais de 900 mil inscritos atualmente, fosse chegar a um nível tão alto. “Nunca imaginei que faria sucesso. Foi totalmente sem pretensão. Achava que iria demorar uns dez anos para atingir a marca de um milhão de seguidores. Fiquei surpresa à medida em que as coisas foram acontecendo. Estou muito feliz com o retorno e aceitação do público”.

A humorista revela estar animada para estrear em um programa no canal pago Multishow (Foto: Bernardo Leite)

Quando indagada sobre os incentivos e estímulos que pautam o seu trabalho, ela afirma: “Busco inspirações no dia a dia. Trago os acontecimentos do cotidiano para o humor. Diante dos momentos tristes e felizes da vida, comuns a todos nós, temos somente duas opções. Rir para esquecer ou ficarmos tristes. Eu escolhi usar a alegria como forma de superação. É daí que tiro inspiração para levar o humor até as pessoas”.

Além do canal e do programa no Multishow, Gkay irá se apresentar pelo Brasil em um stand up próprio, com roteiro de Alexandre Paim e Beth Monteiro. Com estreia programada para o dia 18 de maio, no Teatro Atheneu, em Aracaju, o espetáculo promete valorizar a comédia através do olhar feminino. “Vou começar com meu novo show stand up. Estou bastante animada. Quero oferecer um pouco do humor feminino. Com a minha visão, quero mostrar que é possível ter mulher no stand up, algo difícil de ver e que precisa ser valorizado”.

Gkay acredita que a comédia pode ajudar na conscientização e proporcionar transformações sociais (Foto: Bernardo Leite)

Diante de tantos compromissos e projetos, ela acredita que a disciplina e o trabalho duro são muito importantes para não deixar a bola cair: “Eu realmente não sei como consigo dar conta de tudo. Simplesmente vou acordando e vivendo, sem criar muitas expectativas. De vez em quando, eu paro uma semana para descansar. O importante é ir vivendo cada dia de uma vez”.

Ao ser perguntada se acredita no humor como mola propulsora de transformações sociais, GKay responde: “Com certeza! A comédia tem um poder incrível de transmitir mensagens sem agredir. É possível ajudar as pessoas a receberem informações e refletirem sobre as suas atitudes de forma leve. No nosso programa, iremos abordar temas relevantes como a xenofobia, homofobia, machismo e preconceitos em geral de uma forma expressiva e consciente”.

Aos 26 anos, a paraibana luta para que a voz da mulher seja ouvida e valorizada dentro do humor (Foto: Bernardo Leite)

Pesquisas relacionadas