Arte & Literatura

Vitória Frate abre 14 capítulos de seus trabalhos em exposição sobre as multidões: “Todos os problemas que temos no Brasil também acontecem fora”

Em entrevista exclusiva ao HT, ela, que deixou as telinhas para se dedicar à pintura, contou o que o público pode esperar da mostra batizada de "VITÓRIA FRATE em 14 capítulos"

Publicado em 16/11/2016 | Por Leonardo Rocha

Um olhar intrigante e singular sobre as multidões. Foi assim que a atriz e artista plástica Vitória Frate definiu sua segunda exposição de arte que explora a vida nas grandes metrópoles brasileiras. Em cartaz no Centro de Exposições da Galeria Dom Quixote, localizado no CasaShopping, na Barra da Tijuca, até dia 20 de novembro, as telas transbordam cores, ritmos e tensões em uma fusão de formas geométricas muito delicadas, assim como a personalidade da artista. Em entrevista ao HT, ela, que deixou as telinhas para se dedicar à pintura, contou o que o público pode esperar da mostra batizada de “VITÓRIA FRATE em 14 capítulos”.

Vitória Frate (Foto: Pedro Curi)

Vitória Frate (Foto: Pedro Curi)

“Nesse trabalho explorei a temática das multidões e dos novos fenômenos ocasionados por essas aglomerações sociais no mundo de hoje. Mas tudo acabou surgindo muito naturalmente: começa na tela branca e as tintas e pincéis vão ganhando formas. Nessa trabalho, eu passo por questões muito presentes na população. Os quadros estão relacionados com a solidão, angústia, dúvidas… assuntos que permeiam as narrativas dos grandes centros”, comentou ela. Para o projeto, a artista trabalhou com o processo de construção pela desorganização até o alcance de um equilíbrio e o contraste, formas geométricas e a solidez de contornos em preto.

A série apresentada dialoga entre imagens, signos e significados em uma pesquisa sobre identidade. Ela utiliza como ferramenta a exploração das barreiras e interseções entre pintura, verbo e ilustração, resultando em uma obra que é, ao mesmo tempo, delicada e pungente. “A oposição entre ordem e caos forma a base do meu processo criativo. Começo com um tema que não necessariamente se mantém até a obra ficar pronta. Sei que um quadro está pronto quando atinge três marcas, que são equilíbrio, beleza e discurso”, afirmou Vitória, que falou sobre o processo criativo. “Trabalho com construção e desconstrução o tempo inteiro. Primeiro crio uma explosão de cores e elementos que harmonizem a pintura até achar que ela tenha uma força e uma beleza pertinente. Passo o tempo inteiro tentando equilibrar o caos”, apontou.

Exposição acontece de 10 a 20 de novembro (Foto: Divulgação)

Exposição é realizada até 20 de novembro (Foto: Divulgação)

Vitória Frate nasceu no Rio de Janeiro, mas passou boa parte da vida morando em outras cidades mundo afora, como São Paulo, Londres e Auckland. E, de acordo com ela, esse olhar plural foi fundamental para compor o novo trabalho. “Quando se fala um pouco da cidade em que se vive e observa ao redor do mundo, fica claro que é tudo muito próximo. A massa vem um pouco desse olhar de sair pelo mundo e ter uma reverberação para outro lugar. É um grande corpo. Todos os problemas que temos no Brasil também acontecem fora”, ponderou.

Conhecida pelo grande público por atuar em produções televisivas como “Caminho das Índias”, “Só Garotas”, e no cinema em “Era Uma Vez…”, ao lado de Thiago Martins, a loura contou que não pretende voltar à atuar no momento e revelou que sua paixão pela pintura veio desde que cursou a faculdade de fotografia. “Apesar de também ser atriz, venho de uma formação das artes visuais. Acho que tudo dialoga. A minha vida como atriz me trouxe muito sobre investigação da identidade das emoções e isso tudo está ali na minha pintura. Sou de uma geração onde você precisa ser múltiplo, onde podemos mudar de ideias e profissões o tempo todo. Eu sempre desenhei, sempre fiz curso, mas nunca profissionalmente. Em 2012, dei uma parada, fui para Berlim com Pedro (Neschling, marido de Vitória) para fazer cursos e viajar. Lá retomei meus trabalhos com artista plástica”, recordou, reforçando sua saída da TV. “Não dá tempo. Nesse momento não tenho como pensar nisso. Estou com trabalhos até o final do ano que vem”, disse.

O trabalho apresentado dialoga entre imagens, signos e significados em uma pesquisa sobre identidade (Foto: Divulgação)

O trabalho apresentado dialoga entre imagens, signos e significados em uma pesquisa sobre identidade (Foto: Divulgação)

Apesar de estar indo bem com seus trabalhos visuais, Vitória ressaltou que o momento tem sido complicado para quem vive de arte no país e no mundo. “Acho que viver de arte é sempre um pouco complicado. A vida ficou mais difícil pra todo mundo, independente de ser artista. Mas como nunca trabalhei com carteira assinada e salário fixo, tive que me reinventar sempre. Acho que isso tira um pouco do medo dessa crise que estamos passando. Mas, de fato, não está fácil para ninguém”, completou.

Serviço:

Galeria Dom Quixote
CasaShopping – Ayrton Senna, 2150 – Bloco H – Lojas A e Q
Barra da Tijuca – Rio de Janeiro – RJ Tel.:(21) 2108-6480 / 2108-6481
Data: 10 de novembro a 20 de novembro
Horário: 10 às 22 h (segunda à sábado), domingos e feriados (15 às 21 h)

Pesquisas relacionadas