Arte & Literatura

Segundo negro a presidir a Academia Brasileira de Letras, Domício Proença Filho diz que a preocupação é com “o combate contínuo e vigoroso ao racismo”

O ex-secretário do Conselho Estadual de Cultura do Rio de Janeiro também alertou, em seu discurso de posse, para a crise econômica que assola o país

Publicado em 18/12/2015 | Por Lucas Rezende

Dois pontos polêmicos voltaram a rondar a Academia Brasileira de Letras (ABL). É que o professor e escritor Domício Proença Filho foi empossado no final da última tarde como presidente, cargo que vai exercer até o final de 2016. Ele vem a ser o segundo negro a presidir a ABL – o primeiro foi o cofundador da instituição, Machado de Assis – e, em seu discurso, falou de racismo e…recessão econômica. Sobre o primeiro tema, Domício disse que vai lutar pela “afirmação da identidade cultural da etnia negra” e recorreu ao passado: “Não nos esqueçam os tempos fundadores de Joaquim Nabuco e de Machado de Assis, a ação pioneira de Afonso Arinos. Entendo, a propósito, que, na realidade brasileira, respeitadas as opiniões em contrário, o núcleo de preocupação deve ser o combate contínuo e vigoroso ao racismo”.Para colegas como Nélida Piñon, Ana Maria Machado, Merval Pereira e Marco Lucchesi, o novo presidente ainda alertou que eles são “a diretoria da crise”. E não maquiou dificuldades futuras: “Estamos cientes e conscientes da grave crise econômica literal e etimologicamente vivida pelo país. Árduo será o percurso. No traçado do rumo, buscaremos manter a atitude rotineira e a velocidade de cruzeiro alertas ao aviso de apertar o cinto aos primeiros sinais de turbulência”.

Domício Proença Filho (Foto: Reprodução)

Domício Proença Filho (Foto: Reprodução)

Em tempo: Domício substitui o poeta, ensaísta, crítico literário e tradutor Geraldo Holanda Cavalcanti. Ele é autor de 65 livros, entre obras didáticas, de crítica e ensaio, poesia e ficção. Formado em Letras Neolatinas pela Faculdade Nacional de Filosofia, da então Universidade do Brasil, hoje UFRJ; o novo presidente é professor emérito e titular da cadeira de literatura brasileira  na Universidade Federal Fluminense (UFF). Ele também foi, por oito anos, secretário do Conselho Estadual de Cultura do Rio de Janeiro e subsecretário de Educação e Cultura da Cidade do Rio de Janeiro.

Pesquisas relacionadas