Arte & Literatura

“Graças à internet, a astrologia se popularizou”, revela Maína Mello que lança o romance Efeito Lilith

Considerada uma das mais talentosas astrólogas da atualidade, a carioca autografa seu primeiro romance, hoje (dia 13) na Livraria da Travessa, em Ipanema, desmistificando o mito da Deusa Lilith

Publicado em 13/06/2019 | Por Heloisa Tolipan

Maína Mello lança ‘Efeito Lilith’, um romance que desvenda a Deusa (Foto: Ernane Pinho)

*Por Rafael Moura

A história da Deusa Lilith é um grande mistério. A cantora Ava Rocha, na música ‘Lilith‘, diz que ela ‘nasce uma noite com sol, na escuridão quente’. Uma antiga versão da Bíblia conta que ela é ‘uma deusa do inferno. Um demônio. Na tradição judaica foi a primeira esposa de Adão. E mesmo que seu nome não seja explicitamente mencionado na Torá, ao longo dos séculos ela se tornou uma figura um tanto quanto contraditória sobre a criação do livro de Gênesis’.

Essa personagem que é uma grande incógnita é o tema do segundo livro da astróloga Maína Mello, que desmistifica essa mulher. Publicado pela editora Tordesilhas, a noite de autógrafos nesta quinta-feira (dia 13), na Livraria da Travessa, de Ipanema, no Rio de Janeiro. “Lilith é um dos mitos mais antigo, vem desde os Sumérios. É um demônio feminino que se tornou a primeira mulher de Adão. É um ponto importante no mapa astral. Ela está ali na órbita da Lua, em volta da Terra, com uma energia e um magnetismo muito intenso”, explica a autora ao site HT.

Maína, que é considerada umas das mais jovens e talentosas astrólogas brasileiras, trata nesta novela a influência da chamada lua negra, ou Lilith, no comportamento feminino. Ana, a protagonista de Efeito Lilith, se apaixona pelo melhor amigo do seu namorado, e com ele vive uma relação ardente. Para entender seus impulsos eróticos, e ciúmes que não consegue controlar, ela se aprofunda no estudo sobre o mito de Lilith e, aos poucos, consegue superar seus medos e confiar em seus talentos pessoais e artísticos.

“Como não temos essa narrativa na Bíblia, eu quis contar a história. A inspiração e o interesse começaram lá em 2005, o que deu bastante tempo para pesquisar e analisar essa Lilith astrológica, até no meu consultório observando os meus pacientes. Ela desperta o erotismo e muitos amantes entram em conflito. Além de ser insubmissa e transgressora. Fala muito do autocuidado e do autoconhecimento. É um romance com uma pitada erótica”, ressalta Maína.

Ainda em 2005, a astróloga relatou ao site HT que “me vieram as primeiras linhas do que seria este romance, que se chamaria Encontro – mas eu não sabia o que encontraria nessa história de amor que queria contar. Já em janeiro de 2019, em Terra Una Ecovila, trabalhando na edição final do livro que agora se chama ‘Efeito Lilith‘, tive uma experiência reveladora. Na noite seguinte ao eclipse lunar em Leão, rolou uma sincronicidade impressionante entre sonhos e manifestações espirituais entre as mulheres da residência artística. Sugeri procurarmos a xamã do sítio vizinho. Serpentes, cujas aparições até então eram raras no local, começam a cruzar o caminho de todas nós, mulheres e homens. ‘Isso é bom’, disse Regina, a xamã. ‘A Serpente cura e transforma’. E nos propôs um tratamento coletivo. No caminho pra sauna xamânica, eu seguia na frente do grupo quando avistei dois cavalos brancos, desviei para cumprimentá-los – e uma píton cruzou o meu caminho. Entrei na sauna e troquei de pele”.

Na obra, a autora associa seus conhecimentos astrológicos à ficção em uma novela ardente sobre um triângulo amoroso incontornável. Criada antes de Eva, Lilith também teria sido insuflada à vida pelo sopro de Deus, mas se rebelou contra o companheiro, que não a reconhecia como igual. Ela questiona o motivo pelo qual deveria sempre estar embaixo durante a relação sexual, e diante da recusa de Adão em atender sua reivindicação, prefere ir embora do Paraíso a se submeter à dominação masculina. A personagem do romance também mergulha no caos, ao transgredir o que ela mesma havia traçado para sua vida. Como Lilith, que voou para uma caverna no Mar Vermelho, Ana vai se lançar num caminho difícil, disposta a enfrentar as consequências de seus desejos.

A capa do livro, Efeito Lilith, um romance que desmitifica a Deusa

Maína é carioca, nascida em 1982, sob o signo de Sagitário com ascendente em Virgem e Lua em Touro. Aos sete anos descobriu a paixão pela astrologia com a madrinha, a astróloga Débora Maína (de quem herdou o nome). “Essa iniciação me ajudou muito na construção da minha identidade”, conta a autora. Formou-se em jornalismo na PUC-Rio e estudou astrologia com outros mestres, além de ter sido autodidata na leitura das estrelas. Além de traçar com os astros um paralelo com outras áreas de conhecimento como: psicologia, psicanálise, mitologia, filosofia, física quântica, religiões, espiritualidade, artes e tudo o que lhe é apresentado de interessante nesse imenso universo do conhecimento.

“Graças à internet, a astrologia e o horóscopo se popularizaram muito; e faz parte do dia a dia das pessoas. Não é por acaso que estamos ‘formando’ muitos autodidatas no assunto, porque essas pessoas compreendem e falam muito bem sobre o tema. Faz parte de um bom profissional, ensinar o público a ter grandes interpretações, entender o processo e as mudanças da lunação. Ensinar o público a acompanhar esse trânsito, com as novas perspectivas da lua para compreender e planejar a sua vida”, pontua.

O livro promete ser um grande sucesso, até pelo currículo de sua autora. Maína escreve o Mapeando, com seus horóscopos mensais, no ar desde 2011. No seu currículo tem o caderno Ela, d’O Globo, para a Folha de São Paulo e a revista Glamour; constam também previsões para a revista Marie Claire, e os sites e redes sociais das marcas Farm e Melissa; conteúdo astrológico para Swarovski e Amaro; aulas particulares, na Perestroika, na Casa do Bem e no Studio 512, todos no Rio de Janeiro, e na Casa Tpm, em São Paulo.

Pesquisas relacionadas