Música & Badalo

Show do cantor Almério mostra por que ele é considerado uma das maiores revelações dos últimos anos

Artista pernambucano, que fez, no sábado, sua última apresentação na Caixa Cultural, entusiasmou o público carioca com canções que reinventam a sonoridade nordestina e baladas que remetem aos anos 1970 e fogem do clichê

Publicado em 02/12/2019 | Por Heloisa Tolipan

*Por Jeff Lessa

O show do pernambucano Almério no sábado, na Caixa Cultural, no Rio, pode ser definido como… Não, não pode ser definido. “Festa” talvez comece a descrever o que o artista e sua banda ofereceram ao público. Mas só se considerarmos “festa” em muitos sentidos. Foi celebração da diversidade: Almério é gay e brinca com isso de uma forma realmente divertida, sem forçar a barra, sem discurso, à vontade. Foi uma ode à alegria: o cantor e compositor transpirava felicidade por estar se apresentando no espaço intimista do teatro de arena do centro cultural. Foi a confirmação de que “Desempena”, seu segundo disco, que serviu de base para o show homônimo, é um dos melhores álbuns brasileiros dos últimos tempos. Foi um show de generosidade, pois ele não se importou de dividir o palco com convidados. E foi, também, festa do público que, ao final da apresentação de pouco mais de uma hora, pôde conversar com o artista: simples, ele ficou à disposição para fotos, autógrafos e bate-papo.

A voz de Almério é potente (Foto: Juarez Ventura)

Já no começo Almério disse a que veio: “Vocês vão ver uma pessoa se entregar totalmente aqui nesse palco”. E cumpriu o prometido: com seu timbre andrógino e extremamente potente, ele soltou a voz em canções que, na maioria das vezes, falavam de amores e desamores. Mas atenção: as letras e as sonoridades nada têm da pieguice. A belíssima “Não Deixe que Eu Termine essa Canção”, composta em parceria com Ceumar para um ex-namorado que anunciava que ia vê-lo, gerava expectativas mil e desmarcava no último minuto, tem lirismo na medida certa, sem ranço. E acerta ao apostar na ironia para tratar de melancolia: “Por que você não deixa tudo e vem me ver? / Deixe as urgências e a zorra da internet / Deixa essa agenda, o orgulho, o ofício, o rolê / Não deixe que eu vire um meme da saudade / Na madrugada desse hospício sem você”.

Não Deixe que Eu Termine Essa Canção” ficou para o próximo disco, a ser lançado em 2020 pela Biscoito Fino. Mas “Queria Ter Pra Te Dar”, que ele cantou com o convidado-surpresa Martins, também pernambucano que acaba de lançar seu primeiro álbum nas plataformas digitais, faz parte do repertório de “Desempena”. Como quase todas as canções românticas do repertório de Almério, “Queria Ter…” cativa pela modernidade, pela sentimentalidade explícita, porém sofisticada. Poesia de gosto apurado sem frieza: “Era imenso e eu já nem sei / Tua voz ornamentava o meu juízo / Juízo que eu não tenho / Pra me justificar / Mas eu queria ter pra te dar”.

Com os versos “Só quero você feliz / Se você sorrir eu vou brilhar / Bom, já somos mais que eu e você / Sempre que quiser é só chamar” e o refrão “Quero você! / Pode até ser pra sempre”, o músico se derrama em romantismo em uma balada que lembra muito as canções dos anos 1970. Canções daquelas que se ouviam em programas de auditório, ressalte-se, com um arranjo sofisticado e boa poesia para acompanhar. O mesmo acontece com a levíssima e alegre “Sob teus Pés”, que acrescenta à sonoridade típica dos anos 1970 uma percussão envolvente e estranhamente marcial, mas que casa à perfeição com o lirismo da canção: “Sob teus pés / Ando sob teus pés / Posso te ver daqui / Por onde você vai / Leva tanto de mim”.

As sonoridades nordestinas estão lá, na excelente banda composta por Roge Victor (baixo), Juliano Holanda (guitarra e violões), Rapha B (bateria) e Philipe Moreira Sales (flauta). Sem jamais incidir em clichês, é fundamental que se diga: cada arranjo é uma grata surpresa. Elegante, muito sofisticada e potente, a banda está afinadíssima com o cantor, a quem acompanha como se em simbiose, com sons eletrônicos que reinventam a música nordestina.

Também vale destacar o figurino e os acessórios de Almério, criados especialmente para o artista por Xuruca Pacheco, com colaboração da estilista carioca Isabella Capeto. Como é do costume do pernambucano, sua… jaqueta (?) ganha o formato de asas quando ele abre os braços. No caso, a peça recebeu apliques feitos com latinhas de cerveja (o próprio cantor explicou) e penduricalhos de metal que conferiam movimento à roupa e apoiavam Almério em sua dança, que, assim como sua voz aguda e potente, cristalina e suave, capaz de atingir e sustentar agudos poderosos, remete a Ney Matogrosso. A comparação é uma constante na carreira do músico, mas é inevitável. O que não quer dizer que Almério não tenha personalidade própria: longe, mas muito longe disso, ele é um artista completo e imprime a sua marca em tudo que faz.

 

Pesquisas relacionadas