Moda & Beleza

Exclusivo! Eloysa Simão sacode a moda carioca, retoma o Fashion Business e declara: “Hoje, o mercado do Rio tem prioridades. E, para mim, a principal é vender”

Em meio à crise financeira, o nome responsável por lançar eventos como o Fashion Rio, o Salão Bossa Nova e o Top Fashion Bazar, explica ao Site HT como é lidar com a indústria fashion em período de recessão e como agora é o momento certo para tomar uma atitude que valorize e organize o calendário da moda carioca

Publicado em 24/09/2015 | Por João Ker

“O mercado do Rio, hoje, tem prioridades. E, para mim, a principal é vender”. A frase é dita por Eloysa Simão, em entrevista concedida ao HT na tarde de ontem, em seu escritório, na Avenida Atlântica. Ali, um dos nomes de maior peso na moda nacional se prepara para a retomada do Fashion Business, cuja última edição foi realizada em 2013. Com o tema “Tempo”, o evento, que apresentará as coleções de Outono/Inverno 2016 e teve seu coquetel de lançamento na tarde de terça-feira, pretende superar o seu intuito comercial e integrar, entre os dias 27 e 29 de outubro, uma ocupação artística na Praça Mauá com um desfile de novos criadores cariocas, seminários sobre a indústria fashion nacional e, acima de tudo, o foco em conteúdo.

“Nada mais importante a se discutir do que a noção do tempo – ele é o novo luxo das pessoas. Estamos em um período semelhante ao que antecedeu a Revolução Industrial e sentimos que tudo vai mudar: a velocidade da informação, a forma como as pessoas vivem, a forma como elas se vestem e até como amam. A moda, por outro lado, está passando por esse processo com muito menos velocidade do que o resto”, explica Eloysa. Responsável por ter criado a Semana BarraShopping, a Semana Leslie de Estilo, o Top Fashion Bazar, o Salão Bossa Nova, o Fashion Rio e outros eventos que fizeram as engrenagens da moda carioca girarem a todo vapor, ela não tem medo da crise financeira que assola o país e, muito pelo contrário, acredita que agora é o momento certo para reformular a maneira como o mercado e a moda são encarados.

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Me sinto recomeçando”, comenta Eloysa, comparando o período atual com aquele em que, 25 anos atrás, ela teve que enfrentar dificuldades semelhantes para criar a Semana Leslie de Estilo. “Atualmente, o maior desafio é a crise e a desarticulação que o Rio de Janeiro teve nos últimos anos. As pessoas precisam entender que a dificuldade de recursos não pode significar uma dificuldade de ação. Devemos tentar cavar as oportunidades”, avalia, acrescentando que tem recebido apoio significativo da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e do governo estadual, assim como das marcas participantes, que têm entendido a importância de organizar-se um calendário da moda carioca.

Um dos efeitos colaterais dessa desarticulação do calendário de moda é a ausência do Fashion Rio, que abandonou os principais players da indústria criativa do Rio de Janeiro em abril do ano passado e, desde então, permanece sem data ou formato específicos para retornar. Em entrevista recente ao HT, Oskar Metsavaht, Coordenador do Fórum Empresarial de Moda da Firjan, órgão responsável pelo retorno e a reformulação do evento, comentou que a nova ideia era “integrar arte, música e moda, para mudar a percepção do que é cultura no país”. Entretanto, nenhuma novidade foi oficialmente divulgada até o momento.

Para Eloysa Simão, a ausência de uma semana de moda carioca não deveria influenciar na criação de um calendário formal da cidade, já que um pode muito bem existir sem o outro. “O fim do Fashion Rio não pode ser atribuído a uma só pessoa. É como o final de um casamento, onde não há um errado. Isso foi parte de um processo que vinha se desgastando há tempos. Se vai continuar a existir uma semana de desfiles, quem vai responder é o mercado. Mas o carioca precisa sim se organizar para alinhar os lançamentos de moda. Atualmente, eu pretendo dar a contribuição do Rio de Janeiro no calendário de moda nacional, discutir conteúdo, criação e belo, mas não necessariamente na passarela. A indústria carioca precisa vender e voltar a ter o seu posto nas multimarcas do país. E, depois, lidamos com o resto. Eu não tenho mais a ilusão de que a imagem traz a comercialização. Ela apenas fortalece esse processo, mas não o supre”.

Eloysa Simão: "Eu não tenho mais a ilusão de que a imagem traz a comercialização. Ela apenas fortalece esse processo, mas não o supre" (Foto: João Ker)

Eloysa Simão: “Eu não tenho mais a ilusão de que a imagem traz a comercialização. Ela apenas fortalece esse processo, mas não o supre” (Foto: João Ker)

Durante a entrevista, ela frisa a importância de a capital fluminense usar os recursos que tem e que sempre conseguiram visibilidade e retorno no país. “O Rio precisa dar valor àquilo que tem. A única marca que nós temos e que é capaz de agregar valor ao nosso produto é o Rio de Janeiro. Nesse momento, precisamos tirar partido também de ter uma nova cidade para mostrar às pessoas, com uma Zona Portuária se reestruturando, o Museu do Amanhã que está lindo, uma nova Praça Mauá incrível… Esse é um dos motivos de nós estarmos acomodando os lojistas no Hotel Vila Galé, na Rua Riachuelo”, explica.

Para apresentar esse novo Rio de Janeiro, Eloysa Symão ainda pretende ocupar a Praça Mauá durante os dias de Fashion Business, espalhando pelo local bonecos vestidos com roupas das grifes participantes do evento – que já conta com Blue Man, Mara Mac, Cavendish, Ecletic, Agilità e Maria Filó -, assim como um desfile de jovens estilistas cariocas, que irá ocupar o Armazém 2 do Píer Mauá. Novos talentos das artes plásticas também foram convidados para fazerem intervenções ali, comemorando os 450 anos da capital fluminense e acrescentando um toque dos movimentos urbanos à produção geral. E, além disso, seminários sobre varejo, gestão e novas técnicas de empreendedorismo serão ministrados na véspera do FB.

 Eloysa Simão durante última edição do Salão Bossa Nova. Hoje, à frente do Fashion Business, seu objetivo é articular um calendário oficial da moda carioca (Foto: Yago Barbosa)


Eloysa Simão durante última edição do Salão Bossa Nova. Hoje, à frente do Fashion Business, seu objetivo é articular um calendário oficial da moda carioca (Foto: Yago Barbosa)

É exatamente a visão sobre negócios e empreendedorismo um dos principais pontos que precisam ser mudados, como conta Eloysa. “Isso ainda está baseado em alicerces antigos. O empreendedorismo ainda acha que o grande motivador é o dinheiro, e já está provado que não é assim. Os jovens que vêm aí já entendem essa questão melhor, mas as empresas já institucionalizadas – principalmente as de moda -, não. Falta perceberem que, em momentos de crise, é imprescindível dar importância ao maior valor agregado que se pode ter: a competência das pessoas. Acham que para cortar custos é preciso demitir quem recebe os salários mais altos, e esquecem que esses funcionários fazem parte da história da empresa e de como ela chegou ali”.

Esse novo momento social, como Eloysa Simão aponta, foi muito bem sintetizado por Li Edelkoort, guru fashion especializada no mercado e nos rumos de moda, que fez um manifesto no início do ano, no qual declarou a morte da indústria como a conhecemos hoje, e apostando que a alta-costura seria a única forma possível de futuro. “Eu concordo plenamente com ela. O artesanal, o feito à mão, ganhará uma importância muito grande. E dentro disso, o Brasil pode ocupar um espaço muito grande, algo que o país não faz. Esse período que vivemos exige uma reflexão, uma nova estratégia e um novo olhar”, opina.

Falando especificamente do Fashion Business, Eloysa explica que, a partir de agora, o evento se estenderá ao longo do ano, com ações e conteúdos exclusivos para as redes sociais e sua plataforma digital, “sempre com o que há de mais novo em empreendedorismo do varejo e outras questões necessárias ao mercado”. E a palavra de ordem agora, como ela adianta, é mudança. “Precisamos implementar novas estratégias, para conseguir um novo horizonte. Mas isso é o mercado quem tem que apontar, em uma decisão coletiva. Não pode ser uma ordem de cima para baixo”.

Pesquisas relacionadas