Gente & Comportamento

Em sua coluna no site HT, Dr. Alessandro Martins tira dúvidas sobre as especificidades de cirurgias plásticas em pacientes de pele negra

"Existe um mito muito grande quando se trata do pós-operatório de pacientes de pele negra. Muitas pessoas acreditam que a cirurgia é igual a formação de quelóide, mas trata-se de uma inverdade", disse dr. Alessandro Martins, que ainda contou quais as cirurgias mais procuradas por estes pacientes. Dr. Alessandro Martins é um dos nomes mais importantes da cirurgia plástica carioca. O médico é formado pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA) e divide a sua rotina entre os procedimentos, as consultas e a vida acadêmica. Com os anos de experiência e o destaque profissional, dr. Alessandro hoje também é coordenador do curso integrado dos serviços de cirurgia plástica no Rio de Janeiro

Publicado em 29/05/2018 | Por Ana Clara Xavier

Brancos, negros, asiáticos, índios… Cada um tem suas peculiaridades em termos de estrutura corporal, espessura da pele, características de rosto e assim por diante. Essas questões, claro, precisam ser levadas em conta quando um paciente procura um cirurgião plástico para qualquer tipo de procedimento. Algumas destas características, aliás, são vantajosas e outras nem tanto durante os procedimentos cirúrgicos e estéticos e é por isso que fomos conversar com o Dr. Alessandro Martins, um dos nomes mais importantes da cirurgia plástica carioca, sobre um tema específico: cirurgias plásticas em pacientes negros.

Por conta do alto teor de melanina, a pele negra envelhece mais tarde e sofre menos com a agressão dos raios ultravioleta, por isso, procedimentos de rejuvenescimento facial são menos comuns – ou pelo menos mais adiados – entre pacientes negros do que entre aqueles de pele clara. Do lado oposto disso, uma das cirurgias mais pedidas nos consultórios é a rinoplastia. Por muito tempo, o ideal de beleza imposto pela sociedade foi o das capas de revistas, com mulheres quase sempre brancas, com seus narizes finos e empinados, muito diferente deste novo tempo em que vivemos, no qual a representatividade de diversos tipos de beleza tem crescido e se tornado mais inclusivo. E, também por conta dessa padronização imposta por muito tempo, muitos negros ou pessoas que possuem o nariz negroide se submetam a um procedimento cirúrgico numa tentativa de se encaixar em um ideal diferente do seu. No entanto, uma operação de rinoplastia é muito complexa e o resultado final nem sempre é o esperado, porque muitas vezes o perfil desejado não pode ser alcançado já que pode ficar desarmônico.

Dr. Alessandro Martins (Foto: Sergio Baia)

“Não cabe ao cirurgião tentar o resultado. O nariz, por ser o centro da face, é necessário que esta estrutura combine com todo o resto. Quando um cirurgião vai fazer algum procedimento ele precisa respeitar as características daquela pessoa. Se tem um paciente com um lábio mais carnudo e uma estrutura óssea maior, é necessário fazer um nariz harmônico com esse rosto. É uma questão de equilíbrio entre o desejo e o que fica mais adequado naquele biótipo”, explicou. Além disso a rinoplastia em pacientes negros é diferente, mais complexa e mais delicada do que o realizado em pacientes de outras etnias. “Muitas pessoas dizem que um nariz negroide é grande e precisa ser diminuído, mas, na verdade, ele é desestruturado por ter uma cartilagem fraca. Neste tipo de cirurgia, o médico precisa colocar enxertos de cartilagem para torná-lo mais estruturado e reduzir uma parte da asa (abertura das narinas) e afinar a ponta. Sendo assim, é preciso ‘aumentar’ para aparentar ser ‘menor’. Devemos colocar mais elementos internamente para aparentar ser mais fino, porém a pele que veste estas estruturas é mais grossa, ou seja, o resultado é mais difícil de ser percebido”, afirmou o doutor Alessandro.

Leia Mais: Com especialização em reconstrução de mama pós-mastectomia, dr. Alessandro Martins explica possibilidades, aponta pesquisas e afirma: “Nada é mais importante do que você ter a sua paciente feliz” 

Tanto pacientes negros como de outra etnias têm grande procura pelos procedimentos de contorno corporal, sejam estes estéticos (como tratamento de celulites , estrias ou gordura localizada ) como tratamentos cirúrgicos. Já contamos aqui, que o contorno corporal serve para aqueles pacientes que não tem cintura, que podem ter a sonhada cinturinha fina, outros que sofrem com os culotes, que podem vir a não ter mais. Assim acontece também com glúteos e seios, já que quem não está satisfeito com o tamanho deles, pode adequá-los de forma que pareça mais confortável na frente do espelho. As mulheres negras costumam ter mais cintura e quadris mais largos , porém a procura por essas cirurgias corporais é muito parecida entre os diversos tipos de pacientes.

Leia Mais: Em sua coluna sobre cirurgia plástica no site HT, dr. Alessandro Martins fala sobre o contorno corporal: “É importante respeitar o biotipo de cada um e suas diferenças corporais para se obter uma harmonia”

E, em peles negras, o resultado das cirurgias de contorno corporal, quando bem realizados, podem ser ainda mais efetivos. O motivo? “Por terem uma pele mais espessa o grau de contração dessa pele pode ser maior, tendo menos tendência a flacidez em uma lipoaspiração por exemplo , que seria um resultado desfavorável e mais comum em pacientes de pele mais clara quando comparada a pacientes de pele mais escura ”, explicou dr. Alessandro Martins.

Mas nem tudo é só vantagem para pacientes de pele negra. “Essas pacientes possuem uma maior tendência a formar estrias, por exemplo, principalmente após uma gestação ou aumento ou perda de peso, é comum mulheres negras recorrerem a procedimentos estéticos para eliminar as estrias, assim como a abdominoplastia, em casos indicados ( normalmente as estrias são retiradas com a pele que sai na abdominoplastia)”, explicou.

Existe um mito muito grande quando se trata do pós-operatório de pacientes de pele negra. Muitas pessoas acreditam que cirurgia em negro é igual a formação de quelóide, mas trata-se de uma inverdade. “Sempre se teve muito este medo, mas isso não é 100% verdade. Estatisticamente, o negro tem um maior fator de risco para desenvolver quelóides, sim, mas também não é uma alteração cicatricial exclusiva desta etnia, ou seja, pode acontecer naqueles de pele mais clara também. Além do mais, no Brasil, isto não é uma regra, porque temos uma miscigenação muito grande. Sendo assim, a possibilidade entre ambos é praticamente igual. Não tenho receio de operar uma pessoa negra, porque ela pode ter queloide”, explicou. Esta marca é gerada a partir de uma produção exagerada de vários fatores de cicatrização que levam a uma produção exacerbada de colágeno. Grande parte deste quadro é gerado devido a um fator genético que aumenta esta facilidade de desenvolver o sintoma.

Leia Mais: Dr. Alessandro Martins tira as dúvidas dos leitores do site HT sobre lipoaspiração: “O mais importante é que você procure um médico que seja membro da sociedade brasileira de cirurgia plástica” 

Existem alguns procedimentos, entretanto, em que o resultado não é tão satisfatório em pessoas desta etnia, como aplicação de laser que pode alterar a coloração da pele e os cosméticos usados em peles brancas também são diferentes. Mas, hoje em dia, várias características da beleza negra tem sido absorvida por mulheres de diferentes biótipos e em todos mundo , um exemplo disso são os preenchimentos labiais, que utilizamos produtos como o ácido hialurônico para dar mais volume e essa região. Não só os lábios, mas maçãs do rosto mais marcadas e ângulos da mandíbula mais proeminentes são desejadas por muitas mulheres,sendo rotina nos consultórios de cirurgia plástica . Outro exemplo desta tendência são as cirurgias para aumento dos glúteos ( por meio de próteses de silicone ou enxertos de gordura).

“As paciente negras possuem excelentes resultados em procedimentos e cirurgias estéticas, desde que se escolha um tratamento adeguado ao tipo de pele e a sua constituição corporal , respeitando as diferenças de formas e principalmente mantendo a harmonia , pois é na harmonia que encontramos a beleza , sem criar um prefeito ou um padrão estético engessado”, finalizou dr. Alessandro.

Contato: dr. Alessandro Martins

Facebook: clique aqui 
Instagram: @dr.alessandromartins

Pesquisas relacionadas